Zelensky pede medidas para desbloquear portos e evitar crise nutrir global

Por redação

O presidente da Ucrânia disse na última segunda-feira (9) que o transacção nos portos do país está paralisado e pediu à comunidade internacional que tome medidas imediatas para perfazer com o bloqueio russo para permitir embarques de trigo e evitar uma crise nutrir global.

Volodymyr Zelensky fez os comentários depois de falar com o presidente do Juízo Europeu, Charles Michel, que estava visitando Odesa — o principal porto do Mar Preto para exportação de produtos agrícolas, onde mísseis atingiram locais turísticos e destruíram edifícios na segunda-feira.

“Pela primeira vez em décadas e décadas, em Odesa não há movimento regular da frota mercante, não há trabalho rotineiro no porto. Isso provavelmente nunca aconteceu em Odesa desde a Segunda Guerra Mundial”, disse Zelensky em um exposição em vídeo.

“E isso é um golpe não somente para a Ucrânia. Sem nossas exportações agrícolas, dezenas de países em diferentes partes do mundo já estão à borda da escassez de mantimentos. E com o tempo, a situação pode se tornar, francamente, assustadora.”

A Ucrânia foi o quarto maior exportador mundial de milho na temporada 2020/21 e o sexto maior exportador de trigo, segundo dados do Juízo Internacional de Grãos.

Mas quase 25 milhões de toneladas de grãos estão agora presos na Ucrânia, disse um porta-voz da sucursal de mantimentos da ONU na sexta-feira.

“Medidas imediatas devem ser tomadas para desbloquear os portos ucranianos para as exportações de trigo”, disse Zelensky anteriormente em seu ducto de mensagens no Telegram.

Ele não especificou quais medidas estava buscando. Os países da Otan, incluindo os Estados Unidos, descartaram a mediação armada por susto de desencadear uma guerra mais ampla.

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, que visitou Kiev no domingo, disse que seu país ajudaria a Ucrânia a encontrar opções sobre uma vez que exportar grãos armazenados.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também