Ucrânia acusa Rússia de deportar à força mais de 210 milénio crianças

Por redação

A Ucrânia afirmou nesta sexta-feira (13) que a Rússia deportou à força mais de 210 milénio crianças desde o início da invasão em 24 de fevereiro e acusou Moscou de querer torná-las cidadãs russas.

A ombudswoman de direitos humanos Lyudmyla Denisova disse que as crianças estão entre os 1,2 milhão de ucranianos que Kiev diz terem sido deportados contra sua vontade.

A Reuters não pôde verificar de forma independente o número fornecido por Denisova ou suas alegações, para as quais ela não forneceu provas de espeque.

O Kremlin não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters para comentar as alegações de Denisova sobre a deportação de um grande número de crianças e outros cidadãos ucranianos.

Moscou negou combater civis propositadamente desde o lançamento do que labareda de operação militar próprio na Ucrânia e diz que está oferecendo ajuda humanitária para aqueles que querem deixar a Rússia.

“Quando nossos filhos são retirados, eles destroem a identidade vernáculo, privam nosso país do horizonte”, disse Denisova em rede vernáculo.

“Eles ensinam nossos filhos lá, em russo, a história que [o presidente russo Vladimir] Putin contou a todos”.

A Rússia se referiu a “refugiados” que chegam à Rússia para evadir dos combates, principalmente da cidade de Mariupol, no Sul da Ucrânia, que está em mãos russas depois semanas de cerco e bombardeio.

As Convenções de Genebra de 1949, que definem as normas jurídicas internacionais para o tratamento humanitário em conflitos, proíbem as transferências forçadas em volume de civis durante um conflito para o território da potência ocupante, classificando-o uma vez que transgressão de guerra.

(Edição de Timothy Heritage e Jon Boyle)

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também