Turismo deve restabelecer receita do período pré-pandemia até setembro, aponta CNC

Por redação

Uma estudo da Confederação de Bens de Serviços, Transacção e Turismo (CNC) aponta que até o terceiro trimestre deste ano, entre os meses de julho e setembro, o setor de turismo deve retomar a receita aos patamares do período pré-pandemia, de fevereiro de 2020.

Ainda segundo a Confederação, posteriormente a divulgação da Pesquisa Mensal do Transacção (PMS) pelo Instituto Brasílio de Geografia e Estatista (IBGE) nesta quinta-feira (12), a projeção de propagação de 0,9% para o setor de serviços neste ano, foi revisada para 1,6%.

O economista da CNC responsável pela estudo Fábio Bentes, afirma que o resultado da PMS veio supra do esperado, o que provocou a revisão da Confederação para o faturamento do setor no ano.

Para Bentes, apesar de ainda não ter restaurado a receita de fevereiro de 2020, o setor de turismo teve um progressão significativo. Segundo o economista, o turismo era o pior setor na “corrida” de recuperação econômica, e hoje está 7% aquém do faturamento registrado antes da pandemia da Covid-19.

“Esse mini carnaval em abril deve ajudar o setor a zerar as perdas da pandemia, e os meses de junho e julho, por serem subida temporada, que irá também ajudar a recuperação do setor”, destaca.

A CNC prevê um propagação do turismo de 2,4% em 2022. Em 2021, o setor cresceu 22,1% em relação a 2020, primeiro ano da pandemia, quando vigoraram medidas restritivas no Brasil.

“O aumento da circulação está garantindo qualquer progressão, principalmente, e a disponibilização de recursos extraordinários uma vez que o auxílio brasil, antecipação 13º para aposentados e pensionistas, e o saque inimaginável do FGTS.

Esse pacote de medidas estimula a atividade econômica, que estão sendo contrabalançadas pelo aumento da taxa de juros”, aponta.

Segundo o estudo da CNC, com base nas pesquisas do IBGE sobre serviços, o turismo brasiliano já acumula um prejuízo de R$ 508,8 bilhões desde o início da pandemia.

Em março, a diferença entre a geração efetiva de receitas e o seu potencial mensal registrou perda de R$ 9,0 bilhões. Os Estados de São Paulo (R$ 222,1 bilhões) e Rio de Janeiro (R$ 66,1 bilhões) concentram 57% da perda vernáculo.

De conformidade com o vice-presidente financeiro da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV), Edmilson Rodrigues, o propagação do setor é significativo e há uma demanda reprimida pelo público em relação às viagens.

“Tivemos um aumento significativo nas vendas e agora no segundo trimestre vimos uma poderoso recuperação. É provável confrontar o segundo trimestre de 2022 com o segundo trimestre de 2019. Se não chegar perto, vai faltar muito pouco”, analisa.

“Neste ano, posso manifestar que tivemos um aumento de mais de 50% nas vendas no segundo trimestre comparado ao primeiro deste ano. Em relação às agências, a maior segmento delas já estão com as contas no azul. O maior problema que temos hoje é a falta de oferta, porque a demanda está subida. Isso faz com que encareça o preço, mas o ritmo está bom”, acrescenta.

O segmento de sustento, no entanto, não apresenta os mesmos dados. Apesar de ter uma expectativa de faturamento de R$300 bilhões neste ano, o presidente-executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, ressalta que um terço das empresas registram prejuízos.

“Observamos uma subida, pois estamos faturando supra de 2019. É um propagação bacana que puxa, obviamente, o turismo. Houve uma consequência positiva para quem consome, já que em abril, a inflação dentro do lar nos últimos 12 meses foi de 16,12% enquanto a sustento fora do lar foi de 6,63%. A inflação está sendo a grande vilã do momento. Estamos com dificuldade para quem opera os bares e restaurantes. Isso representa 34% dos locais com prejuízo. Ainda assim, esperamos que o faturamento cresça nos próximos meses”, ressalta o presidente-executivo.

O presidente da Associação de Hotéis do Estado do Rio (ABIH-RJ), Alfredo Lopes, informa que o setor hoteleiro deve melhorar mal tiver um movimento maior de estrangeiros. No entanto, ele explica que esse ano é marcado por dúvidas, uma vez que o período de eleição que se aproxima impacta o mercado.

“O setor de hotelaria começou a melhorar a partir do segundo semestre do ano de 2021. O mercado está sendo vernáculo, mas esperamos a presença do internacional até o final do ano. Ainda não há uma base firme, embora os últimos índices de ocupações bateram mais de 80%. Mas esperamos que o mercado coorporativo ajude, já que eles movimentam os hotéis com eventos. Esse ano é repleto de incertezas, principalmente pela eleição, que traz instabilidade para as empresas por ser um período complicado”, observa Lopes.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também