Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Subvariantes da Ômicron podem evadir de anticorpos de vacinas, diz estudo

Por redação

As subvariantes BA.4 e BA.5 do novo coronavírus conseguem evadir dos anticorpos de pessoas que tiveram infecção anterior por Covid-19 e aquelas que já receberam a ração de reforço da vacina, de convénio com novos dados de pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard.

No entanto, a vacinação contra a Covid-19 ainda fornece proteção suculento contra formas graves da doença, e os fabricantes de imunizantes estão trabalhando na atualização de vacinas contra as variantes.

Os níveis de anticorpos neutralizantes que uma infecção anterior ou vacinação provocam são várias menores contra as subvariantes BA.4 e BA.5, da Ômicron, em confrontação com a cepa original do novo coronavírus, de convénio com a novidade pesquisa publicada no New England Journal of Medicine na quarta-feira (22).

“Observamos reduções de 3 vezes nos níveis de anticorpos neutralizantes contra BA.4 e BA.5 em confrontação com BA.1 e BA.2, que já são substancialmente menores do que as cepas originais da Covid-19”, disse à CNN o Dr. Dan Barouch, responsável do cláusula e diretor do Núcleo de Pesquisa de Virologia e Vacinas do meio médico.

“Nossos dados sugerem que essas novas subvariantes provavelmente serão capazes de motivar surtos de infecções mesmo em populações com altos níveis de isenção, seja esta originário ou através da vacinação”, afirmou Barouch. “No entanto, a vacina ainda deve fornecer proteção suculento contra sintomas graves”.

As descobertas recém-publicadas reforçam descobertas de pesquisas de cientistas da Universidade de Columbia. Estes especialistas descobriram recentemente que as subvariantes BA.4 e BA.5 são mais propensas a evadir de anticorpos de adultos totalmente vacinados em confrontação com outras subvariantes da Ômicron.

Os pesquisadores de Columbia dizem que seus resultados apontam para um risco maior de reinfecção, mesmo em pessoas que têm alguma isenção anterior contra o vírus.

O Núcleo de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) estima que 94,7% da população do país com 16 anos ou mais têm anticorpos contra o novo coronavírus devido à vacinação, infecção ou ambos.

As subvariantes BA.4 e BA.5 causaram muro de 35% das novas infecções por Covid-19 nos Estados Unidos na semana passada, supra dos 29% da semana anterior, de convénio com dados compartilhados pelo CDC.

As novas cepas, de disseminação mais rápida registrada até o momento, devem dominar a transmissão da Covid-19 nos EUA, Reino Uno e no resto da Europa nas próximas semanas, de convénio com o Núcleo Europeu de Prevenção e Controle de Doenças.

Capacidade de novas mutações

No cláusula do New England Journal of Medicine, entre 27 participantes da pesquisa que receberam a ração de reforço da vacina da Pfizer/BioNTech, os níveis de anticorpos neutralizantes contra as novas subvariantes eram muito mais baixos do que aqueles contra a cepa original do novo coronavírus.

Os níveis foram menores por um fator de 6,4 contra BA.1; por um fator de 7 contra BA.2; por um fator de 14,1 contra BA.2.12.1 e por um fator de 21 contra BA.4 ou BA.5, descreveram os pesquisadores.

Imagem da versão Ômicron divulgada por cientistas russos / Instituto Galameya/divulgação

Naqueles com infecção anterior – a maioria dos quais também havia sido vacinada – os pesquisadores descreveram níveis de anticorpos neutralizantes que foram menores por um fator de 6,4 contra BA.1; por um fator de 5,8 contra BA.2; por um fator de 9,6 contra BA.2.12.1 e por um fator de 18,7 contra BA.4 ou BA.5.

“Nossos dados sugerem que a Covid-19 ainda tem a capacidade de tolerar novas mutações, resultando em maior transmissibilidade e maior escape de anticorpos”, disse Barouch. “À medida que as restrições da pandemia são relaxadas, é importante permanecermos vigilantes e continuar estudando novas variantes”.

Um estudo separado, publicado na revista Nature na semana passada, descobriu que a Ômicron pode desenvolver mutações para evitar a isenção provocada por uma infecção anterior, o que sugere que as doses de reforço iniciais podem não inferir proteção de espaçoso espectro contra novas subvariantes.

Quanto ao que tudo isso significa no mundo real, o Dr. Wesley Long, patologista experimental do Houston Methodist Hospital, disse à CNN que as pessoas devem estar cientes de que podem adoecer novamente, mesmo que já tenham tido Covid-19 antes.

Alguns fabricantes de vacinas vêm desenvolvendo vacinas específicas contra variantes para melhorar as respostas de anticorpos.

“As reinfecções serão inevitáveis ​​até que tenhamos novos imunizantes atualizados. Mas a boa notícia é que estamos em uma situação muito melhor do que estávamos sem as vacinas”, disse. Pavitra Roychoudhury, do Departamento de Medicina Laboratorial e Patologia da Universidade de Washington. “Esperamos que as proteções que temos em vigor levem principalmente a infecções leves”.

Atualização de vacinas

O reforço bivalente da vacina Covid-19 da Moderna, chamado mRNA-1273.214, provocou respostas imunes “potentes” contra as subvariantes BA.4 e BA.5 da Ômicron, informou a empresa na quarta-feira.

A Moderna disse que está trabalhando para concluir as submissões regulatórias nas próximas semanas solicitando a atualização da elaboração de sua ração de reforço.

“Diante da evolução contínua do SARS-CoV-2, estamos muito encorajados que o mRNA-1273.214, nosso principal candidato a reforço, tenha mostrado altos níveis de neutralização contra as subvariantes BA.4 e BA.5, que representam um emergente prenúncio à saúde pública global”, disse Stéphane Bancel, CEO da Moderna.

O Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da escritório regulatória dos EUA se reunirá na próxima semana para discutir a elaboração das vacinas contra a Covid-19 que podem ser usadas uma vez que ração de reforço nos próximos meses.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também