Subida de 8,8% no preço do diesel para distribuidoras passa a valer nesta terça-feira

Por redação

Começa a valer nesta terça-feira (10) o reajuste de 8,8% no preço do diesel vendido pela Petrobras para as distribuidoras. Com a subida, anunciada na véspera, o combustível passa a custar R$ 4,91, e não mais R$ 4,51, por litro.

Ao anunciar o reajuste, a Petrobras afirmou que, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel no diesel que é comercializado, a parcela da estatal no preço ao consumidor passará de R$ 4,06 para R$ 4,42 por litro, em média, uma variação seria de R$ 0,36.

O aumento no preço foi o primeiro em 60 dias, e a estatal decidiu manter, por hora, os valores cobrados para a gasolina e para o gás liquefeito de petróleo (GLP).

Ao justificar o reajuste, a companhia disse que a última subida no preço do diesel, em 11 de março, refletiu unicamente uma segmento da elevação observada nos preços de mercado, e que foi necessário realizar um novo ajuste para evitar um desabastecimento do combustível.

Segundo a Petrobras, o balanço global do diesel continua impactado, com uma redução de oferta em relação à demanda e os estoques globais inferior das mínimas sazonais dos últimos cinco anos nas principais regiões fornecedoras.

“Esse desequilíbrio resultou na elevação dos preços de diesel no mundo inteiro, com a valorização deste combustível muito supra da valorização do petróleo. A diferença entre o preço do diesel e o preço do petróleo nunca esteve tão subida”, afirma.

A companhia ressaltou que as refinais da empresa já estão operando próximas ao nível supremo, e que não há mais uma vez que aumentar a capacidade interna de refino do petróleo para produção de diesel para atender a demanda no país. Atualmente, tapume de 30% do totalidade de diesel consumido vem de outras refinadoras e importadoras.

“Isso significa que o estabilidade de preços com o mercado é exigência necessária para o adequado suprimento de toda a demanda, de forma originário, por muitos fornecedores que asseguram o fornecimento adequado”.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também