“Sistema” impede responsabilizar poderosos, diz Deltan Dallagnol

Por redação

O ex-coordenador da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, criticou decisões do Judiciário em relação a condenados pela operação.

“O sistema é todo enviesado pra não permitir que suas engrenagens responsabilizem pessoas poderosas”, disse nesta quarta-feira (11) em entrevista à CNN.

O ex-procurador falou sobre a premência de mudar regras uma vez que justificativa para sua ingressão na política.

“Nunca quis ir pra política, minha vocação é o serviço público, mas se a gente quer manter o sonho (do combate à devassidão) vivo, o único modo é mudar as regras a partir da atuação no Congresso Pátrio“, afirmou o pré-candidato a deputado federalista pelo partido Podemos.

Para Deltan, as anulações de condenações decorrentes da Lava Jato são uma “reação da devassidão.”

“O que a gente vê agora é o Congresso e o Supremo, mormente, desmontando e esvaziando os resultados alcançados pela Lava Jato”, avalia.

“Muitas decisões dos tribunais superiores tem sim viés político, onde não atuam juízes concursados. O que vemos intercorrer hoje no Supremo Tribunal Federalista, na maior secção dos casos que estão sendo derrubados, é uma mudança da regra no meio do jogo”, disse o ex-procurador.

Na avaliação de Deltan, o STF contribuiu para que o combate à devassidão seja esvaziado.

“O lugar onde você tem que processar a devassidão política sempre foi a Justiça Federalista, e agora o Supremo mudou a regra e diz que tem que ser a Justiça Eleitoral, isso acaba com o horizonte do combate a devassidão porque a justiça eleitoral não é vocacionada para isso”, afirma.

ONU e a decisão contra Moro

Perguntado sobre o julgamento do Comitê de Direitos Humanos da ONU que considerou o ex-juiz Sergio Moro parcial no julgamento do ex-presidente Lula e que o petista teve direitos políticos violados, Deltan defendeu a Lava Jato e atuação de Moro.

“O que a ONU fez foi se fundar exclusivamente em relação a decisão do STF, eles ficam remetendo toda hora a essa decisão do Supremo”, afirma.

“Dois juízes de modo muito adequado divergiram, buscaram vários aspectos que não tinham sido abordados na decisão mostrando que a atuação foi técnica, recto e apartidária”, defendeu.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também