Sem concluir investigações, CPI das Fake News deve fechar os trabalhos

Por redação

Faltando pouco menos de cinco meses para as eleições e com o Congresso Pátrio cada vez mais focado em discutir o pleito, não há mais clima para a prolongação dos trabalhos da CPMI das Fake News, iniciada em 2019 e paralisada desde março de 2020.

A CNN conversou com deputados e senadores que fazem segmento do grupo e, na avalição deles não há tempo suficiente para concluir os trabalhos e consideram que houve perda do principal objeto de investigação da Percentagem.

Uma vez que a legislatura vai mudar ano que vem, os trabalhos do grupo não poderão continuar em 2023 e a previsão é que a CPI seja encerrada antes das eleições de 2022.

A relatora da CPI, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), afirmou à CNN que já tem um esboço do relatório pronto e que espera ser chamada pelo presidente da Percentagem para encaminhar o fechamento dos trabalhos. Para ela, o grupo ainda tem investigações a tocar e, embora, ao que tudo indica, sendo encerrada sem concluir o projecto inicial, não pode ser considerada um fracasso.

“Conseguimos pautar a discussão sobre fake news, abrimos uma caixa de pandora, subsidiamos o debate sobre o projeto 2630”, afirmou ela em referência ao projeto de lei das Fake News, em discussão na Câmara dos Deputados.

A CPMI entrou em funcionamento em setembro de 2019 para investigar disparos em volume de informações falsas nas eleições de 2018 e o uso das redes sociais para ataques orquestrados contra agentes públicos e instituições.

Em seguida o término da CPI da Covid, no Senado, no ano pretérito, o clima era de voltar as investigações em 2022 e focar no pleito deste ano, para, por exemplo, discutir o anonimato nas redes sociais.

Mas, segundo o presidente da CPMI, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), faltou envolvente político.

Para o senador, a percentagem “esfriou” depois o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinar, em outubro de 2021, arquivar ações que acusavam a placa do presidente Jair Bolsonaro (PL) de impulsionar ilegalmente mensagens em volume via WhatsApp durante a campanha eleitoral.

“Uma das premissas maiores da CPMI era investigar o que houve em 2018. Mas o TSE entendeu que não houve zero e arquivou as ações”, disse Coronel, que defende que a CPMI se reúna uma última vez para determinar uma data para discussão de um relatório sobre o que fora feito até a paragem provocada pela pandemia da Covi -19, em 2020.

Não há data marcada ainda para que a CPMI se reúna e discuta uma forma de fechar seus trabalhos.

Conforme a CNN noticiou em fevereiro, em relatório enviado ao Supremo Tribunal Federalista (STF), a Polícia Federalista identificou a existência de uma milícia do dedo que age contra as instituições e a democracia.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também