PSDB concluiu, em 2014, ser impossível fazer auditoria externa na urna

Por redação

A Auditoria Privativo no Sistema Eleitoral de 2014 feita pelo PSDB concluiu não ser provável a realização de uma auditoria externa nas eleições, conforme pretensão anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quinta-feira (5).

Apesar disso, o partido já se manifestou oficialmente nas redes sociais sobre o tema. Em 2021, quando estava em debate a adoção do voto impresso, o partido escreveu que “o PSDB considera as eleições de 2014 limpas e confia nas urnas eletrônicas. Estará sempre na resguardo da democracia”. O presidente da legenda, Bruno Araújo, também já deu diversas declarações nesse sentido. “O PSDB segue confiando no sistema eleitoral brasiliano”, disse Araújo em nota em 2021.

O relatório de 217 páginas que o partido produziu diz que “Claramente, o sistema eletrônico de votação do TSE [Tribunal Superior Eleitoral] não foi projetado para permitir uma auditoria externa independente e efetiva dos resultados que publica”.

O documento diz ainda que “o padrão de auditoria imposto pela poder eleitoral (”auditoria comandada pelos auditados”) não se enquadra em qualquer padrão reconhecido e padronizado por entidades internacionais que normatizam auditoria de sistemas de informação” e que “o sistema de votação do TSE também não está prestes para uma auditoria interna, que deveria ser realizada antes, durante e em seguida as eleições”.

Ele é assinado por peritos do ITA, USP e Instituto Brasílico de Peritos. Em outro trecho do documento, eles dizem que “não é provável se fazer uma auditoria contábil da apuração dos votos em um sistema de urnas eletrônicas que é essencialmente dependente de software e não produz um registro material do voto (o voto impresso) que tenha sido visto e conferido pelo sufragista e que possa ser utilizado uma vez que trilha de auditoria”. Diz ainda que “não foi provável se mandar a confiabilidade dos resultados produzidos pelas urnas eletrônicas”.

O relatório afirma, porém, que “a transmissão dos resultados pôde ser auditada e não mostrou sinais de erro”, que “Fraudes na Votação são possíveis mas costumam ser localizadas e sem potencial de modificar significativamente uma eleição presidencial” e que “As demais denúncias de fraudes foram consideradas falsas ou somente falhas localizadas (sem potencial de afetar o resultado).”

Procurado, o TSE não se manifestou.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também