Presidente e premiê da Finlândia anunciam base à adesão do país à Otan

Por redação

O presidente e a primeira-ministra da Finlândia anunciaram seu base à adesão do país à Organização do Tratado do Atlântico Setentrião (Otan) nesta quinta-feira (12), movendo a país nórdica, que compartilha uma fronteira de 1.300 km com a Rússia, um passo mais perto da adesão à associação militar liderada pelos Estados Unidos.

A enunciação de base à Otan do presidente Sauli Niinisto e da primeira-ministra Sanna Marin era esperada, depois que o governo finlandês apresentou recentemente um relatório sobre segurança pátrio ao parlamento do país que delineou o caminho para ingressar na associação porquê uma das opções da Finlândia.

“A adesão à Otan fortaleceria a segurança da Finlândia. Porquê membro da Otan, a Finlândia fortaleceria toda a associação de resguardo. A Finlândia deve solicitar a adesão à Otan sem lentidão. Esperamos que as medidas nacionais ainda necessárias para a decisão sejam tomada rapidamente nos próximos dias”, declararam os líderes do país em expedido.

Desde a invasão russa da Ucrânia em fevereiro, o base público à adesão à Otan na Finlândia saltou de muro de 30% para quase 80% em algumas pesquisas.

Uma vez que o parlamento tenha autenticado a teoria em princípio e quaisquer outros obstáculos legislativos domésticos tenham sido superados, espera-se que a Otan convide a Finlândia a negociar sua adesão.

Espera-se também que a Suécia, vizinha da Finlândia a oeste, anuncie em breve sua intenção de ingressar na associação por meio de um processo semelhante.

A Rússia alertou os dois países contra a adesão à Otan, dizendo que haveria consequências.

Diplomatas e autoridades de segurança europeus assumem amplamente que a Finlândia poderia se juntar à associação rapidamente logo que as negociações começarem, já que vem comprando equipamentos militares de seus aliados ocidentais, incluindo os EUA, há décadas e já atende a muitos dos critérios de adesão.

A adesão da Finlândia à Otan teria consequências práticas e simbólicas para a Rússia e a associação ocidental.

Desde o termo da Segunda Guerra Mundial, a Finlândia tem sido militarmente não alinhada e nominalmente neutra para evitar provocar a Rússia. Por vezes, cedeu às preocupações de segurança do Kremlin e tentou manter boas relações comerciais.

Sede da Otan, em Bruxelas; Moscou alertou aliança sobre possível admissão da Ucrânia
Sede da Otan, em Bruxelas / Divulgação/Otan

A guerra na Ucrânia, no entanto, mudou o cômputo, de modo que ingressar na Otan agora parece o melhor caminho a seguir, independentemente de qual possa ser a reação da Rússia.

Autoridades de resguardo europeias que conversaram com a CNN nos últimos meses supõem que os países da Otan oferecerão algumas garantias em torno da segurança da Finlândia durante o processo de adesão, caso a Rússia retalie.

Na quarta-feira (11), o primeiro-ministro do Reino Uno, Boris Johnson, anunciou novos pactos de segurança com a Finlândia e a Suécia, prometendo ajudar qualquer um dos países se um deles for atacado.

A Finlândia historicamente teve altos gastos com resguardo e ainda tem uma política de recrutamento, com todos os homens adultos sujeitos a serem convocados para o serviço militar.

É amplamente reconhecido entre os funcionários da Otan que a adesão da Finlândia à associação seria um impulso significativo no combate à agressão russa devido à seriedade com que o país historicamente tratou sua própria segurança.

A jogada do presidente russo Vladimir Putin pode resultar em uma Otan mais possante.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também