Presidente do TSE diz que quem trata de eleições são “forças desarmadas”

Por redação

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, mandou nesta quinta-feira (12) um recado para quem espera que as Forças Armadas interfiram no processo eleitoral. Foi a reação mais dura de Fachin aos ataques às urnas eletrônicas que vêm sendo feitos pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Quem trata de eleições são as forças desarmadas. E, portanto, as eleições dizem saudação à população social que, de maneira livre e consciente, escolhe os seus representantes. A Justiça Eleitoral está ocasião ouvir, mas não estará ocasião a se inflectir a quem quer que queira tomar as rédeas do processo eleitoral”, disse o ministro.

A fala de Fachin ocorre em meio ao aumento das tensões nos últimos dias entre os militares e o TSE e em seguida a Golpe rejeitar sugestões feitas pelas Forças Armadas ao processo eleitoral.

O tribunal apontou erros de cômputo no documento enviado pelos militares para questionar a segurança das urnas e informou que várias das medidas indicadas já são adotadas.

O TSE criou a Percentagem de Transparência das Eleições no termo de 2021, reunindo diversas instituições para sublimar as regras eleitorais. Convidou também os militares, que fizeram propostas de mudanças. As alterações não foram acatadas, mas serviram para Bolsonaro retomar questionamentos sobre a vulnerabilidade das urnas.

Fachin disse ainda que ninguém interferirá na Justiça Eleitoral e nos resultados do pleito deste ano. “Quem investe contra o processo eleitoral que está descrito na Constituição investe contra a Constituição e investe contra a democracia. Quem defende ou incita mediação militar está praticando um ato que quebreira a Constituição e quebreira a democracia.”

Em sua live semanal transmitida nas redes sociais, Bolsonaro respondeu às críticas do ministro. “Eu não sei de onde ele [Fachin] está tirando esse fantasma que as Forças Armadas querem interferir na Justiça Eleitoral.”

Não existe interferência, ninguém quer impor zero, ninguém quer estrebuchar as urnas, estrebuchar a democracia, zero disso. Ninguém está incorrendo em atos antidemocráticos. A transparência das eleições, eleições limpas, seguras, transparentes, é questão de segurança vernáculo”, disse Bolsonaro.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também