Presidente do Juízo Europeu precisa se acoitar contra míssil em visitante à Ucrânia

Por redação

Durante uma reunião com o primeiro-ministro ucraniano nesta segunda-feira (9), o presidente do Juízo Europeu, Charles Michel, e outros participantes “precisaram interromper o encontro para se acoitar quando mísseis atingiram a região de Odessa”, disse um funcionário da União Europeia (UE) à CNN.

Em uma nota sobre a visitante de Michel, o agente, que não estava na Ucrânia, afirmou que tanto ele quanto o primeiro-ministro Denys Shmyhal conversaram com presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, por meio de videoconferência. O funcionário adicionou que as discussões “focaram na melhor forma de a UE continuar apoiando a Ucrânia no enfrentamento dos desafios humanitários, econômicos e militares atuais”.

Falando em Odessa, Michel disse que queria confirmar a Zelensky e “a todas as pessoas na Ucrânia, que nosso base será sumo” e que o conjunto europeu “fornecerá o sumo que pudermos” em termos de equipamento militar.

Ele também disse que a UE estava coordenando com a comunidade internacional para “mobilizar base financeiro e experiência, para que você seja capaz de enfrentar os desafios humanitários e poder também dirigir o país”.

Michel acrescentou: “Sabemos que você e o povo da Ucrânia estão lutando por sua pátria, pelo horizonte de seus filhos, por suas liberdades, mas também estão lutando por nossos princípios, valores europeus comuns, democracia e direitos democráticos”.

“E é por isso que é nosso responsabilidade moral apoiá-los o sumo que pudermos”, pontuou.

Em uma enunciação por vídeo, Zelensky agradeceu ao presidente do Juízo Europeu pelo base e por dar à Ucrânia “a possibilidade de ser igual na família da União Europeia”.

“E neste momento difícil – do bombardeio e da guerra – sua posição corajosa e estar presente em Odessa pessoalmente não é unicamente bem-vinda, mas gera muita gratidão”, adicionou o líder ucraniano.

Mais cedo nesta segunda-feira (9), Serhiy Bratchuk, porta-voz da gestão militar da região de Odesda, informou que as forças russas dispararam quatro mísseis de cruzeiro “Onyx” na região.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também