Polícia israelense e palestinos entram em confronto em funeral de jornalista

Por redação

Pessoas em luto lotaram as ruas de Jerusalém nesta sexta-feira (13) para ver ao enterro da jornalista veterana da Al Jazeera Shireen Abu Akleh, que foi morta a tiros na quarta-feira (11) enquanto cobria um ataque militar na cidade de Jenin, na Cisjordânia.

Eles foram recebidos com violência pela polícia israelense enquanto tentavam carregar o caixão a pé. O funeral estava ocorrendo um dia depois de uma procissão memorial que levou milhares de pessoas à cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

Centenas se reuniram nesta sexta-feira antes do funeral do lado de fora do hospital St. Joseph em Jerusalém Oriental, onde o corpo de Abu Akleh permaneceu até o enterro.

Os muçulmanos realizaram as orações de sexta-feira e gritaram “andando, andando a pé”, exigindo que o caixão de Abu Akleh fosse sobrecarregado e transportado a pé do hospital para a Igreja Ortodoxa Grega, onde um serviço será realizado, e depois para o sítio do enterro.

A polícia israelense estava alinhada do lado de fora do hospital, segundo repórteres da CNN. Bloqueios policiais foram montados perto do hospital.

Os enlutados levaram o caixão de Abu Akleh para fora do hospital, mas encontraram potente resistência da polícia israelense, que os obrigou a transportar o corpo de carruagem. Uma explosivo e gás lacrimogêneo foram disparados, segundo repórteres da CNN.

Imagens ao vivo da Al Jazeera mostraram a polícia israelense espancando quem estava na estirão com cassetetes enquanto eles lutavam para carregar o caixão de Abu Akleh. O corpo, por sua vez, foi levado de volta ao hospital e depois transportado de carruagem, disse a Al Jazeera.

A jornalista palestino-americana da Al Jazeera, de 51 anos, era uma voz proeminente em todo o mundo sarraceno, entregando o que muitos disseram ser “a voz do sofrimento palestino” e suas “aspirações de liberdade”.

Ainda não se sabe o que motivou a morte. A Poder Palestina negou na quinta-feira (12) a oferta de Israel de uma investigação conjunta, insistindo em um processo independente e prometendo julgar os acusados ​​de seu assassínio no Tribunal Penal Internacional (TPI).

O primeiro-ministro palestino, Mohamed Shtayyeh, disse à Al Jazeera na quinta-feira que os resultados de sua investigação serão divulgados em breve e incluirão o relatório da necropsia.

Israel diz que está investigando a morte de Abu Akleh. Questionado pela CNN sobre porquê ela foi morta, o porta-voz internacional da Forças de Resguardo de Israel (IDF), Amnon Shefler, disse na quinta-feira que “simplesmente não sabemos ainda” quem atirou nela.

Investigadores militares israelenses confiscaram as armas de algumas tropas da IDF porquê secção de sua investigação, informou o Washington Post na quinta-feira, citando um solene não identificado das IDF. As armas foram levadas para que possam ser disponibilizadas para testes de balística, disse o funcionário.

Givara Al-Buderi, correspondente da Al Jazeera e amiga pessoal de Abu Akleh, disse que viu o ferimento de uma projéctil logo supra da supercílio direita e foi informada pelo médico que uma secção da projéctil permaneceu alojada em Abu O crânio de Akleh.

Al-Buderi foi chamada por médicos para ajudar a tirar as roupas de Abu Akleh e trocá-la para o funeral.

“Nós tiramos a roupa dela e tivemos que colocar um vestido branco nela”, disse Al-Buderi à CNN, “tentei colocar minha mão detrás da cabeça, mas não havia zero lá.

“Eu tateei ao volta, mas não havia zero, zero mais.”

Com informações de Nadeen Ebrahim, Mostafa Salem e Celine Alkhaldi em Abu Dhabi

 

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também