Quarta, 22 Setembro, 2021
Saúde

Os 6 tipos de mensagens enganosas mais comuns contra as vacinas de covid-19 nas redes sociais e o que diz a ciência sobre elas

Autor: Redação
Data: 6 de junho de 2021

Todas argumentam contra receber alguma vacina de covid-19, sem evidências concretas, usando informações falsas ou retiradas do contexto.

Às vezes a mensagem é direta: "Não tomo essa vacina porque vem da China. Quem me garante que foi bem feita?". Outras vezes, ela aparece como questionamento ético ("Os idosos não estão sendo cobaias dessa vacina?"), pregação religiosa ("Deus é a única proteção contra o vírus!"), meme, ou até piada.

Essas mensagens podem chegar pelo Facebook, Twitter, WhatsApp, Telegram, Instagram, YouTube — inclusive, repetidas, por vários desses canais ao mesmo tempo.

Apesar de falarem das vacinas, estes posts estavam inseridos em conversas sobre temas tão diversos como política, ciência, economia e até religião.

Elas podem até variar muito na forma, mas pouco no conteúdo: em geral, estão dentro de seis temas principais.

Essa é uma das conclusões à qual chegou um estudo da ONG First Draft, especializada no combate à desinformação, no qual a BBC News Brasil se baseou para analisar os posts com mais interações publicados no Facebook em português entre 1º de dezembro de 2020 e 31 de janeiro de 2021.

Conteúdo interativo

  • Sobre poder e dinheiroDão razões políticas ou econômicas sem fundamento para dizer que uma vacina não é confiável
  • Sobre reações e necessidadeDuvidam da segurança da vacina ou acham que não é preciso se vacinar
  • Sobre fazer e testar vacinasSuspeitam do processo de desenvolvimento do imunizante
  • Sobre liberdadesDefendem que políticas de vacinação violam direitos civis e pessoais
  • Sobre conspiraçõesAcreditam em teorias que envolvem tramas secretas para fazer mal à população
  • Sobre Deus e éticaUsam desinformação para alegar motivos religiosos ou éticos contra a vacina

"Debater se as vacinas funcionam, se foram bem feitas, se alguém está lucrando com elas ou se há interesses políticos é completamente legítimo e normal num momento como esses", disse à BBC News Brasil Rory Smith, um dos autores do estudo da First Draft.

"Mas, uma vez que as vacinas são politizadas em um país, começamos a ver posts falando que vacina pode não ser boa porque tal político — de quem a pessoa não gosta — teria se beneficiado de algum acordo para distribui-la. E se não há provas disso ou as informações ali são falsas, o post está enganando as pessoas."

A análise da BBC News Brasil no Facebook, feita com palavras-chave relacionadas a vacinas de covid-19, mostrou que cerca de 22% de todas as interações (curtidas, comentários, reações e compartilhamentos) na rede social sobre o tema ocorreram em posts antivacina e desinformativos.

Quando se fala em desinformação sobre vacinas, o que vem à mente são as teorias da conspiração e mitos de que os imunizantes poderiam interferir com o DNA humano ou fariam parte de um plano para controlar a população mundial.

Mas, na análise feita pela BBC News Brasil, as teorias conspiratórias não apareceram como o tema mais importante.

No Brasil, a desinformação esteve muito mais ligada ao debate político — até mesmo posts sobre a segurança das vacinas foram marcados pelo discurso partidário ou ideológico.

De acordo com o pesquisador Pablo Ortellado, coordenador do Monitor do Debate Político no Meio Digital da Universidade de São Paulo (USP), esse é um detalhe revelador do momento atual do país.

"Essas campanhas são construídas ao redor das dúvidas e hesitações naturais das pessoas sobre a vacinação. Elas dão elementos que fortalecem essas tendências com propósitos políticos. Pelo que observamos, isso não está ocorrendo dessa forma em nenhum dos outros países da América Latina, com grupos políticos tão organizados atuando", afirma.

A análise feita pela BBC News Brasil — usando a ferramenta Crowdtangle e com a colaboração do Monitor do Debate Político no Meio Digital — não fez nenhum tipo de filtragem por preferência política.

No entanto, 66% das interações em posts com informações falsas e antivacina aconteceram em páginas ou grupos que se declaram de direita, conservadores ou apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em 34% dos casos não foi possível estabelecer preferências políticas específicas.

Declarações do presidente repercutiram nas redes e, em alguns casos, se tornaram hashtags ou palavras de ordem. "Ninguém pode me obrigar a tomar a vacina", ele afirmou em setembro de 2020. No mês seguinte, disse que "o povo brasileiro não será cobaia de ninguém". Depois, que não tomaria a vacina "e ponto final".

No último mês de abril, Bolsonaro disse que pretende se vacinar, mas que vai tomar "por último".

Em alguns casos, as táticas usadas para espalhar informações e notícias falsas não são novidade — elas foram usadas antes, para falar de outras vacinas, remédios ou tecnologias surgidas nas últimas décadas.

Entender o contexto desses discursos antivacina e estas estratégias de desinformação pode evitar que sejamos enganados e manipulados, afirma Rory Smith.

"Quando entendemos que cada meme, imagem, hashtag ou frase faz parte de uma narrativa, podemos combater as notícias falsas com informação de qualidade."

Role para baixo ↓ para ver os seis principais temas e os tipos de mensagem antivacina encontrados na nossa análise:

Sobre poder e dinheiro

Era esperado que, no momento em que se discutia a estratégia de vacinação do Brasil contra a pandemia, as redes sociais estivessem cheias de elogios ou críticas a governos pela compra de vacinas, a políticos, a empresas farmacêuticas e aos países onde os imunizantes são fabricados.

No entanto, o ambiente de forte tensão política em relação ao assunto criou um terreno fértil para as campanhas que usam a desinformação, segundo o pesquisador Pablo Ortellado.

É também o que mostra a análise da BBC News Brasil. Esse foi o tema com mais interações entre dezembro e janeiro — 36%.

Quase todos os posts estavam em páginas ou grupos de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e atacavam o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Algumas das publicações foram feitas por deputados de partidos da base do governo, como o exemplo abaixo.

Doria e Bolsonaro são possíveis rivais nas eleições presidenciais de 2022.

Os posts criticavam seu apoio à vacina CoronaVac, produzida por meio do laboratório chinês Sinovac e do Instituto Butantan, sugerindo que as pessoas não deveriam tomá-la porque ela seria pouco confiável, nem a própria China a estaria usando ou Doria estaria obtendo ganhos financeiros com a sua administração.

A vacina, chamada pejorativamente de "vachina", foi alvo de intensa disputa com o governo federal.

O termo pejorativo é muito usado nos posts que levantam suspeitas sobre a Coronavac por ser de origem chinesa. Segundo Ortellado, da USP, a expressão também aparece ligada à ideia de que a Organização Mundial da Saúde (OMS) teria sido "comprada" pela China, em teorias conspiratórias.Esconder

Exemplo de post que usa manchete sobre fabricante chinesa da CoronaVac para insinuar que o governador de São Paulo teria ganhos com sua administração

O que dizem os fatos?

O post usa a manchete do jornal O Globo que se refere a uma reportagem verdadeira do jornal americano The Washington Post. No entanto, o faz de maneira enganosa. No texto, publicado em 4 de dezembro de 2020, o jornal americano diz que, entre 2002 e 2011, o presidente da Sinovac, Yin Weidong, pagou propinas para um funcionário público que revisava e aprovava as vacinas feitas pela empresa na China.

Em 2016, o funcionário admitiu o crime e foi preso, mas o presidente foi inocentado e continua no comando da empresa. A reportagem não fala em pagamento a autoridades estrangeiras, e, até o momento, não há indícios de que isso tenha ocorrido no Brasil.

O jornal também afirma que o laboratório Sinovac nunca foi alvo de escândalos relacionados à segurança de suas vacinas. Além disso, não há nenhuma evidência de que as vacinas aprovadas no país, mesmo durante o esquema das propinas, apresentassem falhas.

Também não é verdade que a CoronaVac "não é confiável nem na China". Segundo o site Our World in Data, projeto da Universidade de Oxford, no Reino Unido, a vacina continua a ser aplicada na população chinesa, juntamente com a da empresa Sinopharm, depois de ter sido aprovada para uso emergencial em julho.

No Brasil, a vacina foi desenvolvida com recursos da Sinovac e do Butantan — cujo orçamento está, de fato, ligado à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Mas as doses produzidas pelo Butantan foram incorporadas ao Programa Nacional de Imunização (PNI), e o instituto também receberá dinheiro do governo federal para manter a produção.

Sobre reações e necessidade

Cerca de 25% das interações em português aconteceram em posts que colocavam em dúvida a segurança das vacinas, afirmando, sem provas ou com informações distorcidas, que elas podem causar efeitos colaterais sérios ou até a morte.

"É interessante observar como uma parte desse conteúdo é ‘zumbi', ou seja, coisas que já eram ditas sobre vacinas antes e foram adaptadas para esse novo contexto da covid-19", diz Rory Smith, da First Draft.

Isso é algo que já sabíamos que poderia acontecer. Mas, nesse caso, esse conteúdo tem mais sucesso, porque estamos falando de um vírus novo e de tecnologias novas para criar vacinas. Então, ainda não há tanta informação confiável disponível para as pessoas.

Rory Smith, First Draft.

Por esse mesmo motivo, nessa discussão também aparecem posts afirmando que as vacinas não seriam necessárias contra a covid-19, já que cultivar um sistema imunológico naturalmente forte seria suficiente — algo que também não é correto.

Os posts em português traziam principalmente notícias falsas ou inconclusivas sobre supostas reações, efeitos colaterais graves ou mortes relacionadas a vacinas. É o caso do exemplo abaixo.

O Facebook classificou o vídeo que está na publicação como informação falsa, depois que ele foi conferido por agências de checagem parceiras da plataforma.

Estudos continuam sendo feitos para tentar mapear possíveis efeitos colaterais ou reações às vacinas. Mas, até agora, tudo indica que os benefícios superam os riscos.

Exemplo de post com informações falsas sobre efeitos colaterais da vacina de covid-19

O que diz a ciência?

Ao ser injetado no corpo, o RNA mensageiro de vacinas como a da Pfizer/BioNTech e a da Moderna, ensina as células do organismo a produzirem um pequeno (e inofensivo) fragmento da proteína spike do coronavírus.

A todo momento, dentro das células humanas, moléculas de RNA se formam para levar instruções presentes no nosso DNA até estruturas onde serão criadas as proteínas necessárias ao metabolismo. A vacina faz um papel semelhante.

Mas, nesse caso, o RNA presente na vacina já vem com instruções específicas de uma proteína do Sars-Cov-2. Ele não entra em contato com o DNA humano, nem pode alterá-lo. As partículas de RNA mensageiro levadas pela vacina também têm vida muito curta: entregam a "mensagem" e são destruídas.

O documento da Pfizer cujo link está na publicação é o protocolo de estudos clínicos da empresa, que deixa claro que mulheres grávidas não fazem parte dos testes, algo que é padrão em ensaios clínicos. Também afirma que participantes do sexo masculino devem manter abstinência sexual ou usar contraceptivos, para evitar a gestação.

A OMS já publicou recomendações sobre as vacinas oferecidas pela Pfizer/BioNTech e Moderna, e não aconselha que grávidas sejam vacinadas. Mas o alerta se baseia exclusivamente na falta de dados, e não em evidências de que tomar a injeção possa causar prejuízos à saúde da mãe e do bebê.

Além disso, não há nenhum "mecanismo biológico plausível" pelo qual uma vacina poderia afetar a fertilidade, explica Lucy Chappell, professora de Obstetrícia da Universidade King's College, no Reino Unido, e porta-voz do Royal College de Obstetras e Ginecologistas britânicos.

A recomendação da OMS é de que grávidas que sejam parte de grupos já aptos à vacina (como profissionais de saúde, por exemplo) avaliem seu caso com seus médicos e decidam se querem ou não tomar a vacina.

Recentemente, estudos em processo de revisão pela comunidade científica mostraram que as vacinas de RNA mensageiro geraram boa resposta imune em grávidas.

O segundo link presente no post, também em inglês, é uma orientação oficial sobre a vacina para profissionais de saúde britânicos, que esclarece sua composição, contraindicações e outras recomendações.

A nota técnica diz que os testes da vacina em mulheres grávidas foram limitados, mas que estudos em animais não indicaram nenhum tipo de dano direto ou indireto no desenvolvimento dos fetos. Ou seja, o documento afirma, de certa forma, o contrário da publicação no Facebook e do vídeo que a acompanha.

No vídeo, o youtuber Rômulo Maraschin, que tem cerca de 900 mil seguidores em dois canais e publica conteúdo religioso e conspiratório desde 2017, reafirma as informações falsas e mostra os documentos, mas não os lê.

"É uma estratégia muito comum para dar legitimidade a conteúdos falsos. Eles contam com a probabilidade de que a maioria das pessoas não vai ler o documento em inglês para conferir", diz Pablo Ortellado.

Sobre fazer e testar vacinas

A divulgação dos percentuais de eficácia da CoronaVac após os testes clínicos feitos no Brasil causou confusão e deu margem a muitas publicações que colocavam em dúvida o desenvolvimento da vacina e seu processo de aprovação.

Na nossa análise, este foi o terceiro tipo de mensagem com mais interações, com cerca de 17%.

Muitos dos posts antivacina também mencionavam a disputa entre o governador João Doria e o presidente Jair Bolsonaro — parte deles aparecia em grupos de apoio ao presidente, e um dos que tinha mais interações foi feito pelo ex-ministro da Educação Abraham Weintraub.

Assim como no exemplo abaixo, esses posts afirmam que a eficácia geral de 50,38% da vacina significaria "um risco" para quem a toma. Outros afirmavam que esta e outras vacinas contra a covid-19 foram feitas, testadas e aprovadas rápido demais. Por isso, não seriam eficientes contra o vírus.

Mas, cientistas independentes têm esclarecido que o fato de os imunizantes contra a covid-19 terem sido feitos mais rapidamente não significa que as novas vacinas sejam menos eficientes.

"Agora, por causa da pandemia, todos querem fazer tudo mais rápido, e há financiamento abundante disponível. E esse era o principal entrave. O processo químico de produção de uma vacina normalmente não leva muito tempo. 95% do tempo é gasto com a testagem", disse à BBC News Brasil o imunologista e professor Norbert Pardi, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Exemplo de post que coloca em dúvida o índice de eficácia da CoronaVac divulgado pelo Instituto Butantan

O que dizem os especialistas?

O post sugere que tomar a CoronaVac seria o mesmo que arriscar-se a pular de um paraquedas sem a certeza que ele funcionaria, mas não é isso o que mostram os dados.

Na prática, a eficácia de 50,38% significa que uma pessoa que não tomar a vacina terá o dobro de chances de desenvolver a covid-19 caso pegue o vírus, explicou à BBC News Brasil o médico Marcio Sommer Bittencourt, do Hospital Universitário da USP.

Ou seja, tomar a vacina significa, sempre, aumentar a sua proteção , e não arriscar-se a não estar protegido.

Além disso, os efeitos colaterais observados durante os testes da vacina foram apenas dor no local da aplicação, dor de cabeça e fadiga, segundo o Butantan.

A CoronaVac também se mostrou capaz de evitar até 78% dos casos que necessitam de algum tipo de assistência médica.

Do ponto de vista da saúde pública, menos internações (e, por consequência, menos mortes) pode reduzir muito a pressão sobre os ambulatórios e hospitais.

De uma perspectiva individual, os testes indicaram que a vacina pode transformar uma doença potencialmente fatal numa infecção mais branda e fácil de ser tratada. É o caso de outras vacinas aplicadas no Brasil que, mesmo com a eficácia entre 40 e 50% evitam casos graves.

O post também diz que o fabricante da vacina "não se responsabiliza pelo produto", se referindo à chamada "isenção de responsabilidade" pedida por alguns dos laboratórios produtores de imunizantes contra possíveis processos judiciais.

Mas advogados e médicos consultados pela BBC News Brasil dizem que a medida já era esperada e não significa que as vacinas não sejam seguras.

"Os testes clínicos mostraram que a vacina é segura. Mas, com qualquer medicamento, qualquer vacina, qualquer intervenção de saúde, tem um risco. Uma vez que você use na população, em larga escala, vão ser detectados eventos raros", disse Ariane Gomes, imunologista e PhD em medicina clínica pela Universidade de Oxford.

Sobre liberdades

A discussão sobre a suposta obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19 também movimentou as redes sociais brasileiras entre dezembro e janeiro.

Cerca de 16% das interações aconteceram em posts afirmando que a exigência da vacinação é um ataque a liberdades civis e pessoais.

A maior parte destes posts também trazia conteúdo político e aparecia em páginas ou grupos dedicados ao presidente, ao vice, general Hamilton Mourão (PRTB-RS), ou a deputados federais da base do governo Bolsonaro, como Carla Zambelli (PSL-SP).

Em alguns casos, apresentavam informações falsas ou suspeitas infundadas sobre efeitos colaterais das vacinas, sugerindo que as pessoas estariam sendo obrigadas a tomar algo perigoso para sua saúde, em uma manobra supostamente "ditatorial".

Exemplo de post no Facebook afirmando que vacinação viola liberdades pessoais

O que diz a lei brasileira?

Na prática, vacinas no Brasil já são, de certa forma, obrigatórias, segundo explicou à BBC News Brasil a pesquisadora Natalia Pasternak, PhD em microbiologia e integrante da Equipe Halo, uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) para aumentar o alcance da ciência.

"A vacina nunca é obrigatória no sentido de que ninguém é vacinado contra a sua vontade, mas existem restrições da vida civil que você pode sofrer se não puder apresentar um atestado de vacinação", disse.

Há décadas, brasileiros convivem, por exemplo, com a exigência de apresentar cadernetas de vacinação em dia para matricular os filhos em colégios públicos. Os concursos públicos, estaduais e federais, também exigem o mesmo, assim como o alistamento militar, programas de distribuição de renda como o Bolsa Família e algumas viagens internacionais. Não vacinar crianças também pode ser ilegal em alguns casos.

Em novembro de 2020, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, chegou a emitir um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF), afirmando que a vacinação obrigatória é amparada pela Constituição no Brasil, e sua aplicação deve ser determinada pelo Ministério da Saúde. O STF também considerou que a obrigatoriedade é constitucional.

A OMS afirmou diversas vezes que apoia a vacinação voluntária por meio de programas de informação e conscientização, e recomenda cautela com relação a multas e penalidades.

Mas, à BBC News Brasil, o órgão também admitiu que a vacinação obrigatória pode ser uma opção adotada por países com baixa adesão espontânea e níveis "inaceitavelmente altos" de contágio pela doença.

Sobre conspirações

Durante dezembro de 2020 e janeiro de 2021, apenas 4% das interações aconteceram em posts contendo teorias conspiratórias novas ou já estabelecidas sobre as vacinas.

Uma teoria da conspiração geralmente fala de "um plano maléfico, planejado em segredo por um pequeno grupo de indivíduos poderosos", segundo o Dr. Jovan Bydord, professor de psicologia da Universidade Aberta de Londres.

Por exemplo, a ideia de que o vírus Sars-CoV-2 teria sido criado por uma elite global com o objetivo de eliminar parte da população, implantar um governo autoritário e criar uma "nova ordem mundial". As vacinas, nesse contexto, seriam dispositivos para alterar o DNA humano ou implantar microchips que controlem as pessoas.

"A crença de que o mundo é finalmente controlável é um impulso muito poderoso às teorias conspiratórias em momentos de crise, onde há um vazio de explicações", disse Bydord à BBC News.

Em alguns casos, como no exemplo abaixo, essas teorias são salpicadas de menções à maçonaria, aos Illuminati (nome dado a diversos grupos secretos, tanto reais quanto fictícios) e outros elementos fantásticos. Eles são inclusive conectados a figuras políticas do Brasil.

"Apesar de terem aparecido pouco no Facebook, essas teorias conspiratórias antivacina têm circulado muito em grupos de WhatsApp no Brasil, em textos, áudio e vídeo", alerta o pesquisador Pablo Ortellado.

Posts em outras categorias também podem trazer alguns elementos de teorias conspiratórias, como menções a uma "Terceira Guerra Mundial" ou a uma suposta intenção nefasta de Bill Gates por trás da criação de vacinas.

Algo que precisamos entender é que as teorias conspiratórias só funcionam quando elas conseguem explicar tudo. E essas comunidades querem continuar tendo relevância nas redes sociais. É por isso que, quando começou a pandemia, passaram a incorporar as vacinas em suas teorias.

Seb Cubbon, pesquisador de manipulação das mídias sociais da First Draft.
Exemplo de post com teorias conspiratórias a respeito da vacina de covid-19, envolvendo Bill Gates, maçonaria e políticos brasileiros

O que dizem os fatos?

O post utiliza uma reportagem verdadeira da revista Veja sobre a morte de idosos noruegueses que haviam recebido a vacina da Pfizer, para insinuar que a vacina faria parte de uma conspiração envolvendo Bill Gates.

O caso realmente foi investigado pela agência e saúde noruguesa, a Noma, no início de janeiro.

Já no final do mês, entretanto, o Instituto Norueguês de Saúde Pública divulgou um comunicado dizendo que nenhuma ligação foi estabelecida entre a vacina e quaisquer mortes. Um comitê da OMS também analisou os casos e concluiu o mesmo.

Situações semelhantes também já foram descartadas em outros países, como a Alemanha e Inglaterra, que já investigou mais de 400 casos. Não há evidência de qualquer tipo de plano para causar mal a idosos ou à população em geral por meio das vacinas contra a covid-19.

Também não existe nenhum tipo de microchip criado por Bill Gates nas vacinas, como diz a teoria conspiratória.

Os rumores se espalharam em março, quando Gates disse em uma entrevista que eventualmente "teremos alguns certificados digitais" que seriam usados para mostrar quem se recuperou, foi testado e, finalmente, quem recebeu a vacina. Ele não fez menção a microchips.

Isso levou a um artigo amplamente compartilhado com o título: "Bill Gates usará implantes de microchip para combater o coronavírus".

O artigo faz referência a um estudo, financiado pela fundação do bilionário, sobre uma tecnologia que poderia armazenar os registros da vacina de uma pessoa em uma tinta especial administrada com uma injeção.

No entanto, a tecnologia não é um microchip e funciona como uma tatuagem invisível. Ela ainda não foi implementada, não permitiria que pessoas fossem rastreadas e informações pessoais não seriam inseridas em um banco de dados, diz Ana Jaklenec, cientista envolvida no estudo.

Sobre Deus e ética

Entre as publicações com as quais os brasileiros mais interagiram, só 1% se colocavam contra as vacinas de covid-19 citando motivos religiosos ou éticos.

Estas publicações podem fazer afirmações falsas de que as vacinas seriam produzidas com células de fetos abortados, algo que já foi refutado por cientistas e pelas empresas produtoras dos imunizantes. Outros posts afirmam que a cura do vírus viria pela fé, sem a necessidade de uma vacina.

Em nossa análise, os posts com mais interações associavam o uso de máscaras e a necessidade de vacinar-se contra a covid-19 à "marca da besta", em referência ao livro do Apocalipse, na Bíblia.

A maior parte deles aparecem em páginas e grupos que se declaram de denominações evangélicas. É o caso do exemplo abaixo.

Exemplo de post no Facebook afirmando que vacina de covid-19 é a "marca da besta" bíblica

O que diz a teologia?

O teólogo Magno Paganelli, que é doutor em História Social pela USP e estuda as interpretações do Apocalipse desde os anos 1990, lembra de outros momentos em que inovações tecnológicas, por exemplo, foram tidas como "a marca da besta" — mesmo antes das redes sociais.

De acordo com a Bíblia, a marca permite a quem a possui fazer transações comerciais.

"Quando surgiu o cartão de crédito, ele também foi considerado por alguns como a marca da besta. Depois veio o código de barras, o código QR. Imaginava-se que o sujeito pudesse ficar marcado, perder a salvação, passar a fazer parte de um sistema global maligno, contrário a Deus", diz.

"As máscaras e as vacinas não têm nada a ver com isso, nem mesmo se estivermos pensando estritamente no que diz o Apocalipse. Estar protegido de uma pandemia é outra coisa."

De acordo com Paganelli, é preciso que, mesmo considerando sua fé, as pessoas se recordem de que temos uma separação entre a Igreja e o Estado, e que "cabe ao Estado impor normas para nos proteger e promover o nosso bem-estar".

Durante o período de ansiedade, luto e incertezas da pandemia, a aquisição de Bíblias aumentou em países como EUA, Reino Unido e Brasil. Até mesmo em formato digital, o livro sagrado do cristianismo tem aumentado o faturamento de editoras brasileiras, segundo reportagem da revista Veja.

No entanto, o teólogo afirma que, apesar do interesse por previsões do fim dos tempos, é preciso considerar o livro inteiro, não apenas um capítulo.

O próprio Apocalipse, no seu final, fala que haverá cura para todas as nações. Não é um livro só de destruição, é um livro de esperança também. Ele aponta para um final positivo. Não adianta pegar um texto isolado do livro e nem um livro isolado da Bíblia para tirar uma conclusão.

Magno Paganelli, teólogo


Como escapar da informação falsa?

O surgimento da desinformação nas conversas sobre vacinas no momento atual é esperado e, de certo modo, inevitável, segundo Rory Smith, da First Draft.

"Seres humanos não gostam de momentos de incerteza, como o que estamos vivendo. Isso cria um processo chamado de atribuição de sentido coletiva, no qual as pessoas pegam qualquer informação, de boa ou má qualidade, para tentar entender o que está acontecendo", explica.

Mas, isso não quer dizer que é impossível não ser enganado.

"O mais importante é sempre manter um certo nível de desconfiança de tudo o que você recebe pelas mídias sociais e aplicativos de mensagens", afirma.

Busque as agências de saúde, as fontes científicas. Muitas vezes, o conteúdo falso já estava por aí e já foi esclarecido. Só mudava o nome da vacina ou a doença à qual ele se referia.

Rory Smith, First Draft

Pressionadas por analistas e órgãos internacionais durante a pandemia, as próprias redes sociais têm tentado mostrar onde é possível encontrar informações de confiança.

Em nota à BBC News Brasil, o Facebook afirmou: "Pesquisas mostram que a melhor maneira de combater a hesitação em tomar vacinas é conectar as pessoas com informações confiáveis de autoridades de saúde".

"Estamos adicionando rótulos em qualquer post que discuta vacinas, para mostrar informações adicionais da Organização Mundial de Saúde", diz o comunicado.

A empresa, que tem sido criticada por agir de maneira lenta e não fazer o suficiente para combater a desinformação, mesmo antes da pandemia, afirma que seu sistema não é perfeito, mas que está trabalhando para aperfeiçoá-lo.


Metodologia

A pesquisa dos posts foi inspirada no método desenvolvido por Rory Smith e Seb Cubbon e utilizado pela ONG First Draft, em seu relatório "Under the surface: Covid-19 vaccine narratives, misinformation and data deficits on social media" (Sob a superfície: narrativas sobre a vacina de Covid-19, desinformação e déficits de dados nas mídias sociais, em tradução livre). Deste relatório, utilizamos as categorias, suas definições e a classificação dos posts, com algumas adaptações.

Utilizando um conjunto de 20 expressões e palavras-chave relacionadas às vacinas de covid-19, buscamos publicações com o maior número de interações (curtidas, reações, comentários e compartilhamentos) feitas em português no Facebook entre o dia 1º de dezembro de 2020 e o dia 31 de janeiro de 2021, em grupos e páginas não verificadas.

Dezembro e janeiro foram escolhidos por terem sido os meses em que as vacinas de covid-19 começaram as ser aprovadas e aplicadas no mundo e no Brasil.

Utilizamos o filtro de páginas não verificadas para reduzir a possibilidade de que as publicações fossem de órgãos de governo, portais de notícias ou agências de saúde. Nenhum tipo de filtro relacionado a partidos ou nomes de políticos foi utilizado.

O resultado foi uma base de 85.624 publicações.

Em seguida, utilizando um programa feito por Marcio Moretto Ribeiro, coordenador do grupo Monitor do Debate Político no Meio Digital, da USP, extraímos uma amostra dos posts que fosse representativa do total e proporcional ao número de interações de cada um deles.

A mostra era aleatória, mas o programa fazia com que os posts com mais interações aparecessem com mais frequência. Com esse método, garantia que a proporção de interações que tivemos em cada um dos temas na nossa amostra realmente refletia o que ocorre na realidade, com uma certa margem de erro.

Analisamos 1.600 posts, dos quais 346 foram considerados antivacina. Destes, 36% pertenciam ao tema "Poder e dinheiro", 25% à categoria "Reações e necessidade", 17% a "Desenvolvimento e testes", 16% a "Liberdades", 4% a "Teorias da conspiração" e 1% a "Deus e ética". A margem de erro é de 5 pontos percentuais para mais ou para menos.

Para ilustrar a reportagem, foram escolhidos, entre os exemplos com mais interações, os mais representativos de cada tema.


Créditos

Pesquisa e reportagem: Camilla Costa - @_camillacosta

Edição: Carol Olona e Rafael Barifouse

Design e ilustrações: Cecilia Tombesi

Programação: Alex Nicolaides e Evisa Terziu

Com a colaboração de Adam Allen, Sally Morales, Luis Fajardo, Rose Delaney, Rachelle Krygier e Camilo Gomez

Projeto liderado por Carol Olona

Agradecimentos: Rory Smith, Seb Cubbon, Claire Wardle, Pablo Ortellado, Marcio Moretto Ribeiro, Flora Carmichael e Pascal Fletcher

FONTE: BBC NEWS BRASIL