Onde manducar em Lisboa? Daniela Filomeno indica os melhores restaurantes da cidade

Por redação

Da Terreiro do Negócio ao Fortaleza de São Jorge, do Chiado à Torre de Belém, Lisboa é assim: possui uma vida cultural abundoso que se mistura com o pretérito e o presente de uma maneira deliciosa.

E por falar em delícias, as ruas da capital portuguesa espalham os aromas e os sabores característicos do país por meio de seus restaurantes – que são verdadeiras experiências de vida.

Uma vez cá, os seus cantinhos charmosos nos dão a certeza de que, sim, Lisboa é uma capital gastronômica – e entre as melhores do mundo. O interessante é notar que, mesmo em casas de comida típica portuguesa, cada restaurante possui suas particularidades. Logo, definir onde manducar em Lisboa é uma tarefa difícil, pois são vários endereços incríveis – dá vontade de saber todos!

Uma das cidades mais procuradas pelos brasileiros fora do Brasil, tanto por turistas quanto por moradores, Lisboa também é sinônimo de frutos do mar fresquinhos, dada sua proximidade com o Atlântico. Peixes, carnes, embutidos e, evidente, bastante cerveja e vinho, são exclusivamente algumas das matérias-primas que apreciamos por cá.

A seguir, compartilho 10 restaurantes na capital portuguesa que possuem um espacinho reservado no meu coração. Vai a Portugal? Anote as dicas e surpreenda-se!

Belcanto

Tangerina, sobremesa icônica do Belcanto/ Daniela Filomeno

O Belcanto, para mim, é o melhor restaurante de Lisboa. Localizado no Chiado, é um dos poucos restaurantes em que faço o menu-degustação sempre que venho até a cidade. Hoje detentor de duas estrelas Michelin, frequento a lar comandada pelo chef José Avillez desde que possui uma estrela – ele também está entre os 50 melhores do mundo na lista do The World’s 50 Best.

A debutar, todos os pratos são incríveis, e possuem uma consistência sem igual. Muito elegante na decoração e arquitetura, tudo estava magnífico em todas as vezes em que me sentei à mesa. Dito isso, são três menus-degustação da lar, que variam de 175€ a 250€, verdadeiras viagens por sabores tradicionais e superioridade na realização de uma cozinha portuguesa revisitada.

As pedidas à la carte também fazem bonito, uma vez que o caril de carabineiro com maçã e hibisco (55€) de ingresso, o robalo com “escamas” de abacate (75€) e o leitão crocante com molho de pimenta, purê de casca de laranja, coração de alface com sarapatel e batatas soufllé (75€) uma vez que principais. Para a sobremesa, a já clássica tangerina (25€) arranca suspiros no olhar e na boca.

Rua Serpa Pinto, 10 A, 1200-445 Lisboa. 

Cervejaria Ramiro

Ramiro é endereço notório para frutos do mar frescos e cerveja gelada / Daniela Filomeno

Embutidos, camarões, mariscos, lagostim. Junte os pratos com uma cerveja muito gelada e temos o combo perfeito na Cervejaria Ramiro, lar no núcleo de Lisboa que existe cá desde 1956. É um dos locais mais conhecidos da capital portuguesa e um dos mais celebrados pela sua tradição e qualidade, sendo considerado já um clássico da cidade.

Referência em frutos do mar, há viveiros dentro do próprio restaurante para que o manjar chegue superfresco à nossa mesa. Óleo e alho são temperos tradicionais e sem erro utilizados cá. Com essa glória toda, a dica é chegar cedo e ter paciência, já que o restaurante costuma permanecer pleno em pouco tempo.

Avenida Almirante Reis 1- H, 1150-007 Lisboa. 

Solar dos Presuntos

Lapas dos Açores servidas no restaurante / Reprodução/Instagram

Requinte e qualidade marcam a experiência no Solar dos Presuntos, uma paragem gastronômica quase que obrigatória na capital portuguesa. Cá comemos camarões, ostras, lavagante e sapateira entre os mariscos, assim uma vez que vinagrete de polvo (6,50€) e pastéis de bacalhau (5€) uma vez que entradinhas. O garçom também corta fatias suculentas de presunto Joselito na nossa frente (19€).

Ou por outra, não deixe de pedir o Queijo de Azeitão (6,20€), um dos meus favoritos da vida, que fica 20 dias em maturação e é feito em Setúbal, sendo cremoso e contendo um ligeiro amargura. Um delícia! A lar possui mais de quarenta anos de existência e o salão foi reformado, adicionando um toque moderno ao lugar.

Rua das Portas de Stº Antão, 150, 1150-269 Lisboa. 

Gambrinus Lisboa

Na mesma charmosa rua do Solar dos Presuntos, no número 23, fica o Gambrinus, restaurante com mais de 70 anos de tradição (foi remodelado nos anos 1960) com três ambientes cuja decoração mistura detalhes tradicionais portugueses com antiguidades, peças de porcelana, madeiras exóticas e mobiliário da era.

Da cozinha, todos os dias saem algumas especialidades, uma vez que bacalhau à Chico Lage (28€) às sextas, garoupa grelhada com óleo aromatizado (32€) aos sábados e cabrito assado à souto-mor (32€) aos domingos. Entre os peixes, as carnes e as entradas do mar, também não deixe de testar os croquetes de músculos.

Rua das Portas de Stº Antão 23, 1150-264 Lisboa. 

O Magano Restaurante Alentejano

Quer manducar comida alentejana em um restaurante tradicional que possui mais de 20 anos de história na cidade? O Magano é o lugar notório. A lar é pequena e carrega um clima familiar, e da cozinha saem pratos simples mas com um preparo muito elaborado e gostoso.

Arroz de pato, lombinhos de pregado à Bulhão, lulinhas fritas, sopas de pescados, entre outros, compõem o menu. Cá destaco os embutidos de entradinha, assim uma vez que o bacalhau com harmonização de vinho uma vez que prato principal. Meus olhos – e estômago! – também brilham muito pelas batatas fritas da lar. Tem que pedir!

Rua Tomás da Anunciação 52A, 1350-328 Lisboa. 

Yakuza by Olivier

A proposta do Yakuza é realizar uma fusão entre a culinária oriental e ocidental – e da maneira mais muito executada provável. Antes em outro endereço, ele agora fica colado ao Tivoli, hotel em que fica o Seen Lisboa, próximo à Avenida Liberdade. O envolvente é esplêndido e o menu segue os mesmos moldes.

Capitaneado pelo chef Olivier da Costa, encontramos os pratos mais simples até os mais elaborados da gastronomia japonesa. É tramontana notório para quem quer considerar uma gastronomia japonesa apurada, com uma seleção de sushis, sashimis, nigiris, combinados, especiais.

Há ainda tempurás e massas, assim uma vez que novidades, a exemplo do lombo de robalo no miso (45€), salada de lavagante (35€) e pata de caranguejo grelhada com molho miso (85€). Também há um menu de 25€ pré-definido de almoço de segunda a sexta-feira. Na lar, a dica é tentar sentar no balcão ou nas mesas com vista para os jardins.

Hotel Avani, R. Júlio César Machado 7, 1250-135 Lisboa. 

XXL by Olivier

O XXL é outro restaurante na capital portuguesa que tem o chef Olivier da Costa por trás do projeto. Inaugurado no término de 2021, é na verdade uma evolução do vetusto XL que, agora sob a batuta de Olivier, ganhou novidade decoração e pratos – além de um “X” a mais no nome.

A lar já era emblemática e fica em frente à Reunião da República. O cardápio mantém os suflês e os bifes que fizeram a glória do lugar e de toda uma geração. No melhor estilo bistrô chique, me surpreendo com o suflê de Ferrero Roche (12€), gulodice que arremata muito muito a repasto.

Antes dos doces, porém, há também os suflês de queijos e espinafre (25€) e de peixe e camarão (35€), assim uma vez que saladinhas que vão de 6€ a 10€.

Lajedo da Estrela 57, 1200-661 Lisboa. 

Seen Lisboa

Rooftop do Seen Lisboa, com vista para a capital de Portugal ao fundo
Rooftop do Seen Lisboa, com vistas privilegiadas para a capital portuguesa / Divulgação

Olivier da Costa, o mesmo por trás do XXL e do Yakuza, também tem seu nome associado ao Seen Lisboa, restaurante no 9º piso do Hotel Tivoli na Avenida da Liberdade, uma das principais vias da cidade. Hot spot de Lisboa, cá há uma fusão entre a gastronomia brasileira e portuguesa com uma das vistas mais bonitas para a capital do país – o anoitecer no rooftop é encantador, entusiasmado e com música.

Posteriormente o Seen perfurar em São Paulo em 2017, no topo do Tivoli Mofarrej, o irmão português abriu suas portas na capital do país em 2018 e logo se tornou um ponto concorrido. Cá, experimente o taco seen (15€) com peixe do dia marinado, guacamole, maionese japonesa, ovas de Tobiko, rebentos e romã, assim uma vez que as seis unidades de gyosa de wagyu (14€) e o soufflé de gulodice de leite (15€)

Hotel Tivoli Avenida da Liberdade, Avenida da Liberdade, 185, 9º piso 1260-050 Lisboa. 

Jncquoi

É um dos endereços mais badalados da cidade. Um enorme esqueleto de dinossauro labareda a atenção em meio a décor do salão principal, e o lugar é formado por vários cantos e pisos. Há um bar, terraço, lojinha e também pode rolar um DJ em um dos espaços, deixando tudo mais relaxado.

O menu segue um padrão internacional, uma vez que as entradinhas: gravlax de salmão (19€), burrata com presunto (29€) e berinjela assada (14€). Entre os clássicos há confit de pato (28€) e linguado meunière ou grelhado (47€), além de opções outros peixes, massas e queijos. O cardápio é espaçoso também nas sobremesas, em que saltam aos olhos pela formosura.

Avenida Liberdade 182-184, 1250-146 Lisboa. 

Ritz Four Seasons Lisboa

Mesas do restaurante Varanda do Four Seasons Lisboa/ Richard Waite/Divulgação

Na rua Rodrigo da Fonseca, o Four Seasons é um dos melhores hotéis de Lisboa. Além da vista panorâmica para a cidade, com destaque para o Parque Eduardo VII, Fortaleza de São Jorge e rio Tejo, o hotel também serve um prego delicioso, típico prato português que consiste em pão e músculos e, de quebra, melhor aproveitado com uma batata frita caprichada – e por que não um drinque também?

Sempre quando venho a Lisboa uma vez que o prego daqui. Entre as cozinhas do hotel, há o restaurante Trato, que utiliza ingredientes sazonais da região para fabricar pratos requintados artesanais; o Varanda, que serve brunch e almoços deliciosos com vista para o Parque Eduardo VII; e o O Nipónico, que, uma vez que o nome sugere, serve iguarias da gastronomia japonesa em um envolvente intimista.

Rua Rodrigo da Fonseca 88, 1099-039 Lisboa. 




Brasil61

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também