Navio de Jeff Bezos, batizado em homenagem à mãe, vai deixar de conquistar foguetes

Por Brunialti Welinton

Jeff Bezos — o bilionário fundador da Amazon e da empresa de foguetes Blue Origin — fez um grande pregão público há um ano de que comprou uma nave para conquistar foguetes Blue Origin depois que eles retornassem do espaço, e ele nomeou a embarcação em homenagem à mãe.

Mas agora a empresa diz que está acabando com esse projecto, buscando uma selecção mais “econômica”, disse a porta-voz da Blue Origin, Linda Mills.

Não está simples o que acontecerá com o Jacklyn, uma vez que é chamado o navio, que Bezos dedicou à mãe em uma pequena cerimônia em Pensacola, Flórida, em dezembro de 2020. A Blue Origin ainda pode usar o navio para outro propósito ou deixar o projeto por completo.

Mills disse que a empresa “ainda está avaliando opções”.

Uma selecção seria optar por transformá-lo em uma plataforma ou barcaça marítima autônoma, muito parecida com os drones que a SpaceX usa para pegar seus foguetes em seguida o voo.

A Blue Origin queria velejar o Jacklyn no Oceano Atlântico para pegar seus propulsores de foguetes New Glenn.

Quando o grande propulsor de primeiro estágio — o que dá o impulso inicial na decolagem — gasta a maior secção de seu combustível, ele é projetado para se desprender do estágio superior do foguete e fazer um pouso controlado na Terreno, assim uma vez que a SpaceX já faz com os foguetes Falcon 9.

O site da Blue Origin ainda faz referência ao pouso de seus foguetes em um navio, em vez de uma barcaça, divulgando que permite que o propulsor pouse em condições turbulentas do oceano.

Teoricamente, um navio enorme poderia permanecer inabalável em águas agitadas, permitindo que a Blue Origin realizasse suas operações de recuperação de propulsores em todos os tipos de clima.

Mas esse projecto exigiria que o Jacklyn, um velho navio de fardo construído em 2004, passasse por uma extensa reforma — incluindo a instalação de uma plataforma maciça para o foguete atingir. A Mills se recusou a expressar quanto as reformas teriam custado.

Aterrissar propulsores de foguetes em vez de descartá-los no oceano, uma vez que outras empresas de foguetes fazem há décadas, está no núcleo dos planos da SpaceX e da Blue Origin para reduzir o dispêndio de um lançamento e prometer a lucratividade.

O foguete New Glenn da Blue Origin está planejado para ser o primeiro dos foguetes da empresa que será capaz de atingir a trajectória, uma jornada que requer velocidades de até 17.000 milhas por hora.

A SpaceX envia foguetes para trajectória desde 2008.

Até agora, a Blue Origin realizou somente voos de seu foguete suborbital New Shepard, muito menor.

Esse foguete foi usado para transportar clientes pagantes — e no verão pretérito, o próprio Bezos — em breves e supersônicos passeios de alegria que chegam à borda do que é tecnicamente considerado espaço.

New Glenn não deve transportar humanos, pelo menos no início, mas transportará satélites e outras cargas para a trajectória.

Embora já esteja alguns anos procrastinado em relação ao cronograma original, a Blue Origin espera lançar o primeiro New Glenn em trajectória até o final de 2022.

Apesar de nunca ter voado, o New Glenn já conseguiu vários contratos comerciais de lançamento de satélites, e a NASA selecionou o foguete uma vez que aquele capaz de competir por missões que lançariam satélites planetários, de reparo da Terreno, de exploração e científicos.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Veja também