Lula é aconselhado a concordar nomes de núcleo no Sul e Sudeste

Por redação

Em um gesto à moderação e em uma tentativa de diminuir resistências, um grupo de dirigentes petistas tem defendido que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva amplie o número de palanques estaduais e apoie também nomes de núcleo em disputas regionais no Sul e no Sudeste.

A avaliação, que segundo relatos feitos à CNN já foi apresentada ao ex-presidente, é de que a presença do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin em sua placa eleitoral não é suficiente para que o petista consiga seguir sobre um eleitorado moderado.

Por isso, a resguardo é para que o petista não suba exclusivamente em palanques de candidatos identificados com a esquerda no Sul e no Sudeste. E, na medida do verosímil, também declare suporte a nomes de núcleo.

Em São Paulo, por exemplo, dirigentes petistas defendem que o suporte de Lula se divida entre Fernando Haddad (PT) e Márcio França (PSB), que tem se apresentado uma vez que um nome de “terceira via”, não identificado diretamente com a esquerda.

Apesar de ser filiado ao PSB, França foi vice-governador na gestão tucana e já pregou políticas de segurança pública defendidas por lideranças de direita, uma vez que novas regras para a utilização de câmeras corporais por policiais militares.

No Espírito Santo, caso não se chegue a um tratado, dirigentes petistas defendem que Lula apoie tanto Renato Casagrande (PSB) uma vez que Fabiano Contarato (PT) ao governo capixaba. A avaliação no partido é de que um suporte a Casagrande pode ajudar a diminuir a resistência a Lula no estado, sobretudo junto ao eleitorado de núcleo.

No Rio Grande do Sul, o grupo petista também começou a tutorar que Lula faça um gesto a Beto Albuquerque (PSB), dos quais grupo político chegou a indicar a possibilidade de uma constituição com Ciro Gomes, do PDT.

A avaliação é de que, apesar de o PT ter a intenção de lançar candidato próprio no estado gaúcho, uma constituição com Albuquerque pode ajudar Lula no Rio Grande do Sul, já que, na região sulista, o petista apareceu detrás do presidente Jair Bolsonaro (PL) na última edição da pesquisa Ipespe, divulgada no início de maio.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também