Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Liam Neeson se consolida porquê o rei das vinganças em “Delinquente sem Rastro”

Por redação

Tom Cruise está para filmes de ação física assim porquê Liam Neeson está para filmes de ação com uma boa ração de payback. Aos 70 anos, recém-completados nesta semana, o ator não dá indícios de que vá parar de tocar falas de prenúncio e intimidação. Porém, dessa vez, ele está do outro lado da força.

Em “Delinquente sem Rastro”, Liam é Alex Lewis, um sicário de aluguel que é contratado por criminosos relacionados ao tráfico sexual infantil em El Paso, no Texas. Ele aceita o trabalho, mas depois de saber precisamente quais são seus alvos, se recusa a concluir a tarefa e secção para matar quem o contratou antes que ele mesmo seja pego.

 

No entanto, Alex tem a doença de Alzheimer que avança a cada dia, fazendo com que ele esqueça algumas ações e nomes importantes também. Ao mesmo tempo, o FBI está na cola do sicário que, ao contrário do título do filme, deixa um rastro de mortes por onde passa, em procura de justiça.

O principal agente federalista da história é Vincent Serra, interpretado por Guy Pearce – ator que já tem experiência com “desmemórias”. Pearce estrelou o filme “Amnésia”, de 2000, onde interpreta um varão com perdas de memória, que acaba fazendo diversas tatuagens pelo corpo para se lembrar do que acabara de investigar sobre o homicídio da sua esposa.

Liam Neeson não se tatua, mas escreve as principais informações nos braços, que são apagadas convenientemente à medida que o filme avança.

A perda de memória do personagem poderia facilmente não viver, inclusive. É um recurso com grande potencial que não é explorado porquê deveria, resultando em uma atuação um tanto caricata de Liam Nesson e sendo unicamente um adorno pomposo à história que, por si só, já prende o testemunha.

História essa baseada em outro filme: “De Zaak Alzheimer”, de 2003 e inspirado no livro do belga Jef Geeraerts. Eis que Martin Campbell, diretor de “007: Cassino Royale”, se interessou pelo roteiro e o adaptou para se tornar o remake americano da vez.

“Delinquente sem Rastro” tem boas cenas de ação, lutas feitas pelo próprio Liam Neeson, e atuações que convencem. Além de Neeson e Pearce, temos Monica Bellucci interpretando uma italianíssima chefona do delito organizado e uma das advogadas mais poderosas do país.

O final do filme, porém, é um tanto forçado e a motivação de Alex Lewis para buscar justiça não parece potente o bastante, mas aquele olhar semi-cerrado de Liam Neeson convence. Olhar que o deixou tão famoso já nos seus cinquenta anos.

Antes dessa mudança na curso, o ator havia feito uma ampla gama de personagens.

Ao longo de sua curso, Liam Neeson interpretou um rabi Jedi, um dos mentores do Batman, um teuto bondoso e emprestou sua voz para um filme de animação infantil adorabilíssimo chamado “Ponyo”, de 2008, mesmo ano que entoou a icônica frase “I will find you and I will kill you”, do filme “Procura Implacável”.

A bagagem é grande e parece ser reconhecida em alguns diálogos do novo filme do ator. O primeiro deles, logo no prelúdios do longa, quando Alex Lewis demonstra para um colega a vontade de se reformar da vida de sicário. O colega unicamente comenta “homens porquê nós não se aposentam”.

Na vida real, em entrevista, à NBC, o ator disse que a audiência não é burra e que vai encetar a se questionar, mais cedo ou mais tarde, porquê um varão de mais de 70 anos está fazendo um filme com tanta ação assim.

Segundo Neeson, em qualquer momento, ele deverá parar de fazer filmes desse gênero. Enquanto isso não acontece, é um consenso: ele ainda tem as manhas.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também