Inverno cripto chegou; saiba se é hora de comprar ou vender as moedas digitais

Por redação

Há alguns dias, o mercado de criptomoedas entrou no chamado bear market, ou inverno cripto, nome usado para definir um período de queda universal dos preços de uma determinada classe de ativos – e, desta vez, são as moedas digitais.

Levantamento realizado pelo QR Asset Management, a pedido do CNN Brasil Business, apontou que entre 1º de maio e a última quarta-feira (11), a criptomoeda luna foi a que mais desvalorizou no período, com queda de 98,51%. Logo em, seguida está o avalanche, com recuo de 42,21%.

O tecido de fundo para a queda universal dos criptoativos é o cenário macro, apontou Theodoro Fleury, gestor da QR Asset Management, com a deterioração das expectativas de inflação nos EUA e a reciprocidade entre o mercado cripto e os ativos de risco tradicionais.

Porém, o luna caiu especificamente por desculpa de uma nequice em seu algoritmo usado para manter a paridade da stablecoin UST com o dólar.

Já o avalanche, a solana e a polkadot – que são blockchains alternativas ao ethereum – costumam ser mais voláteis, explicou Fleury, portanto, “é normal” apresentarem uma queda mais acentuada em um mês que o bitcoin e o ether tombaram murado de 18% cada.

O que fazer?

Apesar de os investidores assistirem suas carteiras derreterem na última semana, especialistas afirmaram ao CNN Brasil Business que esse não é o melhor momento para se vender as criptomoedas, mas segurá-las e comprar mais.

Ney Pimenta, fundador e CEO da BitPreço, explica que esse movimento de queda generalizada é um ciclo generalidade que acontece em seguida um processo de queima de criptomoedas que reduz pela metade a quantidade disponível no mercado, chamada halving.

“[O inverno cripto é] uma correção muito potente dos preços, que costuma demorar alguns meses, até os preços conseguirem se atualizar”. Por isso, ele acredita que não é o momento de desmontar as carteiras porque “as pessoas vão se arrepender quando os valores voltarem [a subir]”.

João Marco Cunha, gestor de portfólio da hashdex, também comenta que, historicamente, os criptoativos recompensaram generosamente os investidores que foram resilientes o bastante para sustentar os momentos de maior turbulência.

E ele aponta ainda que os principais fundamentos das teses de investimento em criptoativos seguem firmes a despeito da atual situação do mercado. “Não haveria, portanto, razão para vender”.

Mas Caio Villa, cofundador e CIO da Uniera, lembra que, apesar de a teoria sempre ser comprar na baixa e vender na subida, o investidor precisa estar disposto a perder aquele montante que está sendo aplicado. “Esse é o princípio imprescindível dos ativos criptos”.

“E também é importante investir em ativos que tenham fundamento, não em memecoins ou outras classes que trabalham unicamente com a especulação do mercado”.

Dessa forma, o CEO da BitPreço recomenda unicamente a compra de ethereum e bitcoin.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também