Indefinição por candidatos em MG atrasa escolha por líder do Governo no Senado

Por redação

Depois quase cinco meses, Palácio do Planalto continua sem nomear um senador para assumir a vaga de líder do governo no Senado Federalista. Em meio a disputas eleitorais entre o Partido Social Democrático (PSD) e o Partido dos Trabalhadores (PT) em Minas Gerais, o nome de Alexandre Silveira (PSD-MG) voltou a ser cogitado.

O PSD tende a permanecer neutro no primeiro vez das eleições de outubro, porém, estuda se vai estribar o presidente Jair Bolsonaro (PL) ou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em um eventual segundo vez da corrida ao Planalto.

Em princípio, o PSD em Minas Gerais se juntaria ao PT em pedestal a Alexandre Kalil (PSD), ex-prefeito de Belo Horizonte, para o governo do estado.

Porém, ambos os partidos pretendem lançar seus próprios candidatos ao Senado por Minas. O PSD, Alexandre Silveira. O PT, o deputado federalista Reginaldo Lopes.

O empecilho é que haverá exclusivamente uma vaga em disputa e interlocutores dos partidos ouvidos pela CNN afirmaram que ninguém está disposto a perfurar mão de seus nomes.

Alexandre Silveira é tido uma vez que um nome de crédito pelo Planalto, próximo ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e com boa interlocução com a equipe econômica.

Antes de assumir uma vez que senador – era suplente do Antonio Anastasia, hoje ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) –, ele ajudava nos bastidores com articulações importantes para o governo na Mansão.

Pelos governistas, é visto uma vez que uma boa opção para assumir a liderança em um momento em que muitos senadores preferem focar nas eleições sem se vincular, explicitamente, a Bolsonaro.

Em fevereiro, Alexandre Silveira chegou a ser cogitado para assumir o incumbência de líder do governo. No entanto, o senador não aceitou o posto por pressões internas do PSD, que, à idade, tinha Pacheco uma vez que pré-candidato ao Planalto.

Senador Alexandre Silveira / Edilson Rodrigues /Dependência Senado

À CNN, sob suplente, nesta terça-feira (10), um senador governista do eminente escalão chegou a apostar em Silveira uma vez que o próximo líder do governo na Mansão. Não há, porém, uma oficialização até o momento.

A assessoria de Silveira também não confirma um eventual invitação.

Por outro lado, Alexandre Silveira, segundo interlocutores, pode desistir novamente do incumbência de líder do governo no Senado, caso o PSD garanta sua candidatura à Mansão.

O senador Carlos Viana (PL-MG) chegou a concordar o invitação para assumir a liderança do governo no Senado, mas, “por qualquer motivo, o governo ainda não oficializou a indicação” e “não foi transmitido sobre o desfecho”, informou sua assessoria.

Integrante do partido de Bolsonaro, Viana é outro pré-candidato ao governo de Minas, assim uma vez que Kalil. A candidatura de Viana seria uma tentativa do PL de prometer tribuna ao presidente da República no estado.

A reportagem apurou que Alexandre Silveira foi ao Planalto nesta terça conversar com integrantes do governo que o apoiam para a liderança no Senado. No entanto, ele deve também sentir o clima dentro do PSD perante o tópico em jantar com correligionários.

O incumbência de líder do governo no Senado está vago desde dezembro do ano pretérito, quando o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) perdeu para Anastasia a vaga ao TCU e, insatisfeito com a falta de pedestal do Planalto, deixou o posto.

Por fora, correm ainda os nomes dos senadores Marcos Rogério (PL-RO) e Jorginho Mello (PL-SC) para assumirem a liderança do governo. O primeiro, porém, tem refutado a colegas que tenha pretensão ao incumbência.

Debate

A CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também