Governo inclui auxílio a taxistas na PEC dos Combustíveis; dispêndio totalidade ultrapassa R$ 40 bi

Por Brunialti Welinton

Convénio foi anunciado pelo senador Flávio Bolsonaro no plenário do Senado

Fabio Rodrigues Pozzebom/ Escritório BrasilPlenário do SenadoRelator afirma que o texto vai ser levado ao plenário do Senado em seguida as análises dos dados do governo e de notas técnicas

O plenário do Senado Federalista procura chegar a um consenso a saudação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que institui estado de emergência para permitir a geração e ampliação de programas sociais. Enquanto a oposição contesta a medida apresentada e classifica o texto porquê manobra eleitoreira, os governistas apresentam uma novidade proposta de auxílio social, voltado para os taxistas. De convenção com o senador Flávio Bolsonaro, a equipe econômica do governo aprovou a inclusão, com dispêndio estimado em R$ 2 bilhões. Aliás, outros R$ 500 milhões serão destinados ao Alimenta Brasil. A proposta é que os pagamentos para os taxistas aconteçam pela Caixa Econômica Federalista, em diálogo direto com os municípios. “Se tem uma coisa que o governo sabe fazer é implementação de programas sociais”,  disse o senador, defendendo a inclusão da proposta no relatório final do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) para efetiva implementação do mercê.

Na contramão, oposição contesta trechos da proposta, porquê a instituição do decreto de estado de emergência no país, e classifica selecção porquê manobra eleitoreira. “Estado de emergência é uma coisa muito séria para permanecer se decretando por incompetência da gestão”, mencionou o senador Jean Paul Prates (PT), reforçando que o aumento sistemático dos preços, usado porquê justificativa para o decreto de emergência, era previsível e, por isso, não pode ser usado para justificar a manobra econômica e eleitoral. “Esse governo nunca teve interesse em política social. Agora, a menos de 100 dias da eleição ele apresenta essa PEC, uma maneira de trapacear a lei eleitoral. E se apresenta porquê salvador dos 33,5 milhões de brasileiros que estão com lazeira”, completou a senadora Zenaide Maia (PROS).

Entre outras coisas, além do mercê para taxistas, o texto discutido no Senado Federalista aumenta os pagamentos do Auxílio Brasil de R$ 400 a R$ 600; incrementa em R$ 53 o Auxílio-Gás a cada dois meses, separa recursos para gratuidade do transporte de idosos e para licença aos Estados porquê crédito tributário ao etanol, além de gerar um voucher diesel de R$ 1 milénio aos caminhoneiros, porquê auxílio ao diesel. Entretanto, apesar das adequações já promovidas pelo relator, a discussão a saudação da proposta é rodeada de impasse e as discussões pouco avançam.



Jovem Pan

Compartilhe este conteúdo

Veja também