GNV teve subida de quase 10% nas bombas depois reajuste da Petrobras, mostra ANP

Por redação

Uma semana depois de a Petrobras ter anunciado aumentos de 19% nos preços de venda de gás oriundo para as distribuidoras, consumidores que precisaram abastecer o carruagem já percebem a diferença nos postos.

De pacto com pesquisa semanal do Serviço de Levantamento de Preços da Filial Vernáculo de Petróleo, Gás Procedente e Biocombustíveis (ANP), o dispêndio médio do metro cúbico de Gás Procedente Veicular (GNV) apresentou subida de 9,46%.

O dispêndio, no entanto, chega a conseguir R$ 7,290 em Calheta dos Reis. A cidade da Costa Virente do Rio de Janeiro registra o dispêndio mais saliente dos 363 postos pesquisados.

O menor preço, porém, foi identificado pela escritório em Cuiabá. Na capital do Mato Grosso, o combustível pode ser encontrado a R$ 3,179. A diferença entre os preços mínimo e supremo alcança 129%.

Segundo a Associação Brasileira de Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), o reajuste, válido desde 1º de maio, não traz benefícios para as empresas representadas, porque elas não comercializam gás oriundo.

É um aumento que ocorre exclusivamente no preço da molécula do gás.

Segundo Marcelo Mendonça, diretor de estratégia de mercado da Abegás, o impacto do reajuste deve ser menos sentido nos estados de Alagoas, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Setentrião, onde as fornecedoras utilizam também gás de outros fornecedores, além da Petrobras.

Para ele, a falta de competitividade é o principal gargalo de preços.

“O GNV continua muito competitivo em relação aos combustíveis líquidos e é um bom termômetro para mensurar início de mercado. Atualmente, a Petrobras responde por 95% da oferta e os demais fornecedores dividem o restante. É importante que se crie infraestrutura, que se atraia investimentos para trazer uma oferta novidade”, afirma.

O investimento em infraestrutura é a principal dificuldade para a expansão da indústria, porque é um investimento custoso. A maior segmento do gás oriundo brasílio está no pré-sal, a murado e 300 quilômetros da costa e a, em média, quatro milénio metros de profundidade.

O gasoduto é a infraestrutura que trazem o resultado até terreno firme. Um investimento saliente, que tem longo tempo de retorno de investimento.

Para a Abegás, é necessário implementar novas regras regulatórias, que estimulem a ingresso de novos ofertantes no mercado e ampliem a competitividade, para redução de preços ao consumidor.

Procurada, a Filial Vernáculo do Petróleo, Gás Procedente e Biocombustíveis (ANP) ainda não se manifestou sobre a sátira.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também