Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Excluídos da Cúpula das Américas, Cuba e Nicarágua vivem crises política e econômica

Por redação

Três países estão na lista dos desafetos dos Estados Unidos e não foram convidados a participar da Cúpula das Américas nesta semana, em Los Angeles, na Califórnia.

Para o governo norte-americano, Venezuela, Cuba e Nicarágua são ditaduras e têm histórico de doesto dos direitos humanos. Por isso não devem participar de um encontro que pretende reafirmar princípios democráticos.

A Morada Branca espera receber 23 líderes na Cúpula, mas reforçou nesta semana que o presidente Joe Biden não convida ditadores.

Cuba

O regime de partido único de Cuba escolheu, em 2018, seu primeiro presidente de fora da família Castro, depois de 60 anos sob o regime de Fidel e Raúl. Com um governo que oferece pouco espaço para a oposição, a pobreza e o desrespeito aos diretos humanos estão na lista dos principais problemas do país.

Em 2020, a renda per capita era de menos de 10 milénio dólares por ano. E as manifestações nas ruas de Havana se tornaram mais frequentes. Os cubanos pedem melhores condições de vida e chegada à internet, que ainda é precário.

Com o termo da União Soviética, Cuba perdeu uma grande base de pedestal econômico. E com a manutenção do embargo imposto pelo governo norte-americano, a situação econômica se agravou.

Na opinião de Roberto Neto, professor de História da América na Universidade Federalista Fluminense (UFF), o bloqueio econômico a Cuba significa menos empregos e desabastecimento, porque a ilhota caribenha não tem capacidade autônoma de produzir o que a população precisa para sobreviver.

Com seus 11 milhões de habitantes, Cuba se tornou a inimiga número 1 da Morada Branca nas Américas desde a crise dos mísseis, quando a União Soviética instalou mísseis na ilhota, em 1962, em resposta aos mísseis norte-americanos na Turquia. E, até hoje, a relação entre Estados Unidos e Cuba é frágil.

No termo de maio deste ano, Miguel Díaz-Canel, o presidente cubano, disse que não compareceria à Cúpula das Américas mesmo se tivesse sido convidado.

Em um pronunciamento na segunda-feira (7), os países do conjunto da Escolha Bolivariana para as Américas (Alba), do qual Cuba, Venezuela e Nicarágua são secção, emitiram uma enunciação dizendo que a decisão dos Estados Unidos é discriminatória e incabível e que governo norte-americano subestimou o pedestal que esses países receberam da região.

Nicarágua

Desrespeito à democracia, pobreza e narcotráfico também fazem secção da verdade da Nicarágua.

Daniel Ortega, presidente do país, já está no quarto procuração presidencial. Revolucionário dos anos 1970, hoje ele é indiciado de desmandar do poder para se manter no incumbência.

Opositores foram presos ou fugiram para o exílio, não podendo participar das eleições, que, segundo a Organização dos Estados Americanos (OEA), não tiveram legitimidade democrática.

E líderes estudantis, indígenas e camponeses foram às ruas em protesto contra o governo nicaraguense, que hoje está mergulhado em uma crise política.

Estados Unidos e Nicarágua têm uma relação difícil há mais de 100 anos. Os norte-americanos ocuparam o país no prelúdios do século pretérito e, quando foram embora, deixaram para trás a ditadura da família Somoza, que durou mais de 40 anos. O chamado movimento sandinista, que lutava contra a ocupação americana, acabou derrubando a ditadura.

Um dos líderes do movimento sandinista foi Daniel Ortega que, segundo críticos, deixou de ser um revolucionário. No poder, ele reprimiu manifestações e rompeu com a Organização dos Estados Americanos (OEA).

O professor Roberto Neta explica: “A OEA exige que os países pertencentes à organização respeitem as cláusulas democráticas. Todos os países têm que ter a democracia, e a Nicarágua, nos últimos anos, descarrilou para um governo dominador, com medidas legais que diminuem a atuação da oposição.”

Dados da CIA mostram que a Nicarágua, o país mais pobre da América Meão e o segundo mais pobre do Hemisfério Ocidental, tem subemprego e pobreza generalizados. O Resultado Interno Bruno (PIB) anual do país em 2020 foi de 2 pontos percentuais negativos.

Aliás, o país é rota de trânsito para traficantes de drogas que contrabandeiam cocaína da América do Sul através do México para os Estados Unidos, por meio de rotas marítimas e aéreas.

Os traficantes exploram crianças através da participação forçada na produção e tráfico de drogas ilegais. Um cenário reptante para uma população em extrema pobreza.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também