Ex-autoridades do Fed pedem aumentos acentuados nos juros e alertam para recessão

Por redação

Dois ex-funcionários de supino escalão do Federalista Reserve, agora livres de ter que definir a política econômica e ser responsabilizados por ela, estão alertando que o banco medial dos Estados Unidos terá de aumentar os juros mais do que o esperado e o resultado pode ser uma recessão –aviso que nenhum dos dois havia oferecido antes de deixar seus cargos, há alguns meses.

Comentários nesta semana dos dois mais recentes vice-chairs do Fed – Richard Clarida, que até janeiro atuou uma vez que um dos principais tenentes do chair Jerome Powell para a formação da política monetária, e Randal Quarles, que supervisionou a regulação bancária até o término do ano pretérito – estão entre o pequeno coro de outros ex-banqueiros centrais dos Estados Unidos oferecendo críticas sobre em que ponto a política do Fed está e para onde vai.

Clarida, agora de volta à ateneu uma vez que professor de economia na Universidade de Columbia, disse nesta sexta-feira (6) que o Fed precisará enaltecer os juros até um “território restritivo” para desacelerar o propagação econômico e sustar a inflação. Quarles, que voltou para uma empresa de investimentos com sede em Utah da qual foi um dos fundadores, disse que uma recessão agora é “provável”.

As opiniões pessimistas de ex-autoridades surgem no momento em que Powell acelera a guerra do banco medial norte-americano contra a inflação. Na quarta-feira o Fed aumentou a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual e seu chair praticamente prometeu mais dois incrementos nessa magnitude até julho.

O ritmo de aperto da política monetária foi projetado para levar os custos dos empréstimos “rapidamente” a uma filete neutra de 2,25% a 2,5% e a uma posição de aumentá-los ainda mais, se necessário. Powell disse ver um “caminho plausível” para esfriar a inflação sem produzir desaceleração econômica.

Clarida, falando nesta sexta numa conferência na Instituição Hoover da Universidade de Stanford, disse que o Fed precisará aumentar os juros para “pelo menos” 3,5%, se não mais, para trazer a inflação de volta à meta de 2%.

Quarles, que quando estava no Fed era mais claramente “hawkish” (hostil contra a inflação) do que Clarida, estava com a língua ainda mais afiada nesta semana.

“Estaríamos melhor se tivéssemos começado a mourejar com isso em setembro” pretérito, disse ele ao podcast Banking With Interest, culpando o tardada, pelo menos em segmento, ao indumento de o presidente norte-americano Joe Biden ter prorrogado até novembro a decisão de renomear Powell para um segundo procuração uma vez que chair do Fed.

Agora, com a pressão inflacionária intensa, o desemprego grave e a demanda superando em muito a oferta, o efeito dos rápidos aumentos de juros “provavelmente será uma recessão”, disse Quarles, indicado de Donald Trump que deixou o função em dezembro em seguida não receber o aval de Biden para um segundo procuração no banco medial.

Nem Quarles nem Clarida, também indicado por Trump, haviam pedido aumentos acentuados dos juros antes de deixar o Fed.

Bill Dudley, que dirigiu o Fed de Novidade York até 2018, também diz que o Fed está moroso no aumento dos juros e que isso resultará em recessão.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também