Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Ex-assessor de Bolsonaro diz que não sabia de sua nomeação para incumbência no governo do RJ

Por redação

Ocupando incumbência de crédito na Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro há dez dias, o ex-assessor e camarada próximo do presidente Jair Bolsonaro (PL), Waldir Ferraz admitiu a CNN que não compareceu para trabalhar porque não sabia da nomeação e informou que já solicitou sua exoneração.

Waldir foi nomeado no dia 25 de maio para o incumbência de Assistente da Superintendência de Promoção Institucional da pasta.

A CNN entrou em contato com a Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro e com a assessoria de prelo do governador Claudio Castro, questionou a nomeação de Waldir. “A partir das declarações de Waldir Ferraz, a Secretaria de Estado de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro vai tornar sem efeito a nomeação do mesmo”, respondeu a Secretaria.

“Eu estava na secretaria de planejamento. Me tiraram. Eu quis voltar, mas para lá. Aí me colocaram em outra e numa função que nem sei o que é. Me alertaram para não concordar e não aceitei. Fiquei sabendo pela prelo que fui nomeado. Eu não quero e já pedi minha exoneração”, disse Waldir.

Waldir ocupava desde 19 de janeiro de 2021 o incumbência de Assessor Privativo do Gabinete do Secretário, da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão do Rio de Janeiro. Ele foi exonerado e dias depois nomeado na Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude.

Organizador de motociatas de Bolsonaro no Rio e em outros estados, Waldir Ferraz tem surgido porquê pré-candidato a deputado federalista pelo Rio de Janeiro e participado de eventos com o obtivo de promover sua provável candidatura. Apesar disso, Waldir, que é filiado ao PL, só vai sentenciar se será mesmo candidato na quadra das convenções partidárias, previstas para julho e agosto.

A lei eleitoral, casos porquê o de Waldir, que pretende disputar uma vaga nas Eleições Gerais de 2022, exige a desincompatibilização – ato pelo qual o pré-candidato se afasta do posto que exerce para se tornar elegível perante a Justiça Eleitoral – três meses antes do pleito, ou seja, até 2 de julho.

Caso o pré-candidato continue exercendo a função que ocupa posteriormente o prazo definido pela legislação eleitoral, ele incorre na chamada incompatibilidade, que é uma das causas de inelegibilidade previstas na Lei Complementar n° 64/1990, conhecida porquê Lei de Inelegibilidade.

Em 2020, Waldir Ferraz disputou incumbência de vereador no Rio pelo Republicanos, mas acabou não sendo eleito.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também