Erupção de vulcão em Tonga em janeiro foi a mais intensa em 140 anos

Por redação

A erupção vulcânica em uma ilhota próxima a Tonga em janeiro foi tão potente quando a erupção do Krakatoa, na Indonésia, em 1883, uma das mais mortais e mais destrutivas já registradas.

Cientistas começaram a remontar o que ocorreu durante a erupção de 15 de janeiro do vulcão submarino Hunga Tonga-Hunga Ha’apai, sobre 65 quilômetros ao setentrião da capital de Tonga, e que matou ao menos três pessoas. A erupção desafiou os entendimentos simples e virou de cabeça para reles os conhecimentos sobre esse tipo de vulcão.

A erupção vulcânica enviou ondas de pressão raramente observadas ao volta do mundo por seis dias, e liberou um tipo inesperado de vaga de tsunami, de tratado com dois novos estudos publicados na quinta-feira (12) na revista científica Science. A enorme rajada de gases, vapor d’chuva e poeira também criou ventos com a força de furacões no espaço, de tratado com um estudo separado da Nasa publicado nesta semana.

Dados iniciais sobre os impactos posteriores da explosão sugerem que foi a maior desde a erupção do Monte Pinatubo em 1991, nas Filipinas. Mas as pesquisas da Science, que envolveram 76 cientistas em 17 países, levantam a possibilidade de que as ondas de pressão liberadas pela erupção em Tonga são similares àquelas geradas pela erupção do Krakatoa, em 1883, e dez vezes maiores que as liberadas pela erupção do Monte St. Helens, em Washington.

“Anormalmente energética”

A erupção em Tonga foi “anormalmente energética”, escreveram os pesquisadores do estudo da Science. As ondas atmosféricas de baixa frequência, chamadas de ondas de Lamb, foram detectadas posteriormente a erupção ter circulado o planeta em uma direção quatro vezes, e na oposta três vezes, eles revelaram.

Um fenômeno relativamente vasqueiro, essas ondas viajam na velocidade do som. Elas não são detectáveis por humanos e são mais lentas do que ondas de choque, forma porquê foram descritas erroneamente algumas vezes, de tratado com o responsável do estudo Quentin Brissaud, geofísico da Ordem Sísmica Norueguesa, em Oslo. As ondas de Lamb foram observadas durante a Guerra Fria, posteriormente testes nucleares.

“É vasqueiro. Ondas de Lamb são relacionadas a deslocamentos de grandes volumes de ar. E elas se propagam principalmente na superfície da Terreno”, disse o coautor Jelle Assink, geofísico sênior no departamento de sismologia e acústica do Instituto Real de Meteorologia da Holanda.

Passando pela superfície de múltiplos oceanos e mares, a pressão das ondas de Lamb vindas da explosão criaram uma enchente de tsunamis espalhados que se movem rapidamente.

Tsunamis tradicionais estão geralmente ligados a mudanças súbitas no solo do oceano, porquê durante um terremoto. Esses outros tsunamis, chamados de meteotsunamis, viajam muito mais rápido que tsunamis tradicionais, chegando duas horas antes do esperado, e duram mais, o que pode impactar sistemas de alerta.

E porque a vaga de pressão atmosférica as gerou, as ondas gigantes parecem ter “pulado continentes”, com tsunamis registrados do Pacífico até o Atlântico, disse o coautor Silvio De Angelis, professor de geofísica vulcânica no departamento de Terreno, oceano e ciências ecológicas da Universidade de Liverpool, no Reino Unificado.

Os pesquisadores também revelaram que o som audível da erupção foi detectado no Alaska, a mais de 10 milénio quilômetros da manadeira – onde foram ouvidas uma série de explosões. A erupção de 1883 do Krakatoa foi ouvida a 4.800 quilômetros de intervalo, disse o estudo, apesar de ter sido menos registrada sistematicamente que a de Tonga.

Os cientistas disseram que mais dados foram necessários para entender os mecanismos da erupção.

É imaginado que uma das razões para uma explosão tão energética – criando uma nuvem guarda-chuva a 30 quilômetros de fundura e uma pluma vulcânica a 58 quilômetros de fundura – foi o “magma quente e onusto de gases que entrou em contato com [a água oceânica] muito rapidamente”, disse De Angelis via e-mail. A rápida transferência de temperatura intensa entre o magma quente e a chuva fria razão explosões violentas, capazes de rachar o magma.”

Distúrbio espacial

Outro estudo, publicado na terça-feira (10) na Geophysical Research Letters, descobriu que o vulcão em Tonga também causou problemas no espaço, levando ventos com a força de furacões, de tratado do dados da missão ICON (Ionospheric Connection Explorer) da Nasa e dos satélites Swarm da Filial Espacial Europeia.

Uma pluma gigante de gases, vapor d’chuva e poeira foi levada ao firmamento pela erupção criada pelos grandes distúrbios de pressão atmosférica, levando a ventos fortes, disse a Nasa em nota. Enquanto esses ventos se expandiam para o cimalha, até as camadas mais finas da atmosfera, eles começaram a se movimentar mais rapidamente.

“Posteriormente chegar na ionosfera e na extremo do espaço, o ICON mediu a velocidade do vento em até 720 km/h – tornando-o o vento mais potente aquém de 193 quilômetros de altitude já registrado pela missão desde seu lançamento”, disse a Nasa.

Na ionosfera, onde a atmosfera da Terreno encontra o espaço, os ventos extremos também impulsionaram correntes elétricas, agitando partículas que estavam em sua fluente normal que flui para o leste – chamada de eletrojato equatorial –, que passaram a ir para a direção oeste em um período pequeno de tempo, e o eletrojato subiu para cinco vezes supra de sua potência normal.

“É muito surpreendente ver o eletrojato revertido por um pouco que aconteceu na superfície da Terreno”, disse Joanne Wu, disse a física da Universidade da Califórnia, Berkley, e coautora do novo estudo.

“É um pouco que só vimos antes em fortes tempestades geomagnéticas, que são uma forma de temperatura no espaço causada por partículas e radiação do sol.”

Brian Harding, físico na UC Berkley e principal responsável do estudo, disse que a erupção em Tonga está “permitindo-nos entender a conexão entre a atmosfera mais baixa e o espaço.”

Ele acrescentou, “o vulcão criou um dos maiores distúrbios no espaço que já vimos na era moderna.”

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também