Entenda por que os preços do gás nos EUA bateram recordes e devem continuar assim

Por redação

A invasão da Ucrânia pela Rússia é um dos principais motivos pelos quais os motoristas dos EUA estão pagando preços recordes pela gasolina. Mas não é a única razão do pico.

Inúmeros fatores estão elevando os preços, com a gasolina geral atingindo um recorde de US$ 4,40 o galão na quarta-feira, de entendimento com a pesquisa da AAA.

Os preços do combustível já devem ultrapassar a marca de US$ 4 o galão pela primeira vez desde 2008, com ou sem tiros disparados na Europa Oriental ou sanções econômicas impostas à Rússia.

A boa notícia para os motoristas é que os preços do petróleo bruto caíram nos últimos dias, em meio a preocupações de que a China, mantendo os bloqueios do Covid em vigor para combater, continue prejudicando a demanda por petróleo.

Os preços do gás podem estar próximos do ponto mais cumeeira do mês, disse Tom Kloza, superintendente global de estudo de pujança do Serviço de Informações sobre Preços do Petróleo, que acompanha os preços do gás para AAA.

Mas os preços provavelmente não cairão muito quando começarem a recuar. E Kloza espera que eles possam mais uma vez estabelecer um recorde depois que as escolas forem liberadas e os motoristas começarem a pegar a estrada nas férias no próximo mês.

O preço médio vernáculo pode facilmente chegar a US$ 4,50 o galão ou até mais neste verão, acredita ele. “Tudo vai de 20 de junho ao Dia do Trabalho (comemorado em 5 de setembro nos EUA)”, disse Kloza.

O que está por trás do aumento recorde de preços:

A invasão russa da Ucrânia

A Rússia é um dos maiores exportadores de petróleo do planeta. Em dezembro, enviou quase 8 milhões de barris de petróleo e outros produtos derivados para os mercados globais, 5 milhões deles de óleo bruto. Muito pouco disso foi para os Estados Unidos.

Em 2021, a Europa ficou com 60% do petróleo e 20% foi para a China. Mas o petróleo é cotado nos mercados globais de commodities, portanto a perda do petróleo russo afeta os preços em todo o mundo, não importa onde seja usado.

As preocupações com a interrupção dos mercados globais levaram as nações ocidentais a inicialmente isentar o petróleo e o gás originário russos das sanções que estabeleceram para reivindicar contra a invasão.

Mas em março, os Estados Unidos anunciaram uma proibição formal de todas as importações russas de pujança. O governo do Reino Uno também disse que eliminará gradualmente as importações de petróleo russo até o final de 2022 e também explorará maneiras de completar com as importações de gás originário.

E a Alemanha anunciou no início deste mês que apoiará a proibição da UE ao petróleo russo. O petróleo da Rússia está sendo lenta e continuamente removido dos mercados globais.

Menos petróleo e gás de outras fontes

Os preços do petróleo despencaram quando os pedidos de permanência em morada relacionados à pandemia em todo o mundo esmagaram a demanda na primavera de 2020 (no hemisfério Setentrião), e o petróleo foi brevemente negociado a preços negativos.

Em resposta, a Opep e seus aliados, incluindo a Rússia, concordaram em reduzir a produção porquê forma de sustentar os preços. E mesmo quando a demanda retornou mais cedo do que o esperado, eles mantiveram as metas de produção baixas.

As companhias de petróleo dos EUA não aderem a esses tipos de metas de produção exigidas nacionalmente. Mas eles estão relutantes ou incapazes de retomar a produção de petróleo em níveis pré-pandemia em meio a preocupações de que regras ambientais mais rígidas possam reduzir a demanda futura. Muitas dessas regras mais rígidas foram reduzidas ou não se tornaram lei.

“O governo Biden está subitamente interessado em mais perfuração, não menos”, disse Robert McNally, presidente da consultoria Rapidan Energy Group, no início desta primavera. “As pessoas estão mais preocupadas com os altos preços do petróleo do que com qualquer outra coisa.”

Leva tempo para aumentar a produção, principalmente quando as empresas petrolíferas estão enfrentando a mesma prisão de suprimentos e desafios de contratação de milhares de outras empresas dos EUA.

“Eles não podem encontrar pessoas e não podem encontrar equipamentos”, acrescentou McNally. “Não é porquê se eles estivessem disponíveis a um preço premium. Eles simplesmente não estão disponíveis.”

Os estoques de petróleo geralmente ficaram para trás em relação ao mercado mais grande nos últimos dois anos, pelo menos até a recente subida dos preços. Executivos de companhias petrolíferas preferem encontrar maneiras de aumentar o preço de suas ações do que aumentar a produção.

“As empresas de petróleo e gás não querem perfurar mais”, disse Pavel Molchanov, exegeta da Raymond James, no início desta primavera. “Eles estão sob pressão da comunidade financeira para remunerar mais dividendos, para fazer mais recompras de ações, que é a maneira porquê eles teriam feito as coisas 10 anos detrás. A estratégia corporativa mudou fundamentalmente.”

Um dos exemplos mais gritantes: a ExxonMobil anunciou no mês pretérito lucros de US$ 8,8 bilhões no primeiro trimestre, mais do que o triplo do nível de um ano detrás, excluindo itens especiais. Também anunciou um projecto de recompra de ações de US$ 30 bilhões, muito mais do que os US$ 21 bilhões a US$ 24 bilhões que espera gastar em todo o investimento de capital, incluindo a procura de novo petróleo.

Não só a produção de petróleoeuficando detrás dos níveis pré-pandemia, a capacidade de refino dos EUA está caindo. Hoje, murado de 1 milhão de barris de petróleo a menos por dia estão disponíveis para serem processados ​​em gasolina, diesel, combustível de aviação e outros produtos derivados do petróleo.

As regras ambientais estaduais e federais estão levando algumas refinarias a trocar o petróleo por combustíveis renováveis ​​com insignificante texto de carbono.

Algumas empresas estão fechando refinarias mais antigas em vez de investir o que custaria reequipar para mantê-las operando, principalmente com novas refinarias massivas programadas para penetrar no exterior na Ásia, Oriente Médio e África em 2023.

E o trajo de os preços do diesel e do combustível de aviação subirem muito mais do que os preços da gasolina mostra que as refinarias estão transferindo mais de sua produção para esses produtos.

“A economia exige que você produza mais combustível para jatos e diesel em detrimento da gasolina”, disse Kloza.

Possante demanda por gás

Mas a oferta é unicamente segmento da equação dos preços. A demanda é a outra chave e, embora esteja muito possante agora, ainda não voltou aos níveis pré-pandêmicos.

A economia dos EUA teve um incremento recorde de empregos em 2021 e, embora esses ganhos tenham desacelerado, eles permanecem historicamente fortes. A demanda está recebendo outro impulso, já que muitos funcionários que trabalharam em morada durante a maior segmento dos últimos dois anos retornam ao escritório.

O início da temporada de viagens de verão no termo de semana do Memorial Day provavelmente desencadeará os típicos aumentos anuais na demanda por gás e combustível de aviação. Todas as companhias aéreas dos EUA relatam reservas muito fortes para viagens de verão, mesmo com passagens aéreas subindo supra dos níveis pré-pandemia.

O termo do surto de Omicron e a remoção de muitas restrições do Covid estão incentivando as pessoas a trespassar de morada para mais compras, entretenimento e viagens. As viagens nos EUA em veículos de passageiros aumentaram 10% desde o início deste ano, segundo a empresa de pesquisa de mobilidade Inrix.

O deslocamento pode permanecer um pouco insignificante. Muitos que planejam voltar ao escritório estarão lá unicamente três ou quatro dias por semana, e o número totalidade de empregos ainda está um pouco inferior dos níveis de 2019. Mas haverá períodos, provavelmente neste verão, com maior demanda por gás do que em períodos comparáveis ​​antes da pandemia, prevê Kloza.

“Mesmo antes da Ucrânia, eu esperava quebrar o recorde”, disse Kloza. “Agora é uma questão de quanto nós quebramos o recorde.”

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também