Entenda por que o lucro da Adidas caiu quase 40% no primeiro trimestre

Por redação

A Adidas, nesta sexta-feira (6), afirmou que vendas fracas na China foram responsáveis por uma queda acentuada no lucro do primeiro trimestre.

A gigante alemã de roupas esportivas registrou lucro líquido de € 310 milhões (US$ 327 milhões) nos primeiros três meses de 2022, uma queda de 38% em relação ao mesmo período do ano pretérito.

A empresa disse que o declínio foi causado por um “envolvente de mercado reptante” na China, onde as vendas caíram 35%, muito porquê interrupções na calabouço de suprimentos.

Sem término à vista para a estratégia de zero Covid do presidente chinês Xi Jinping, as perspectivas para os negócios da Adidas na China – que representaram muro de 20% das vendas da empresa no ano pretérito – são sombrias.

Os bloqueios contra a Covid-19 introduzidos recentemente forçaram um grande número de lojas a fechar. A Adidas também observou “fortes quedas de tráfico” em partes do país não diretamente afetadas pelas restrições.

“As receitas na Grande China agora devem diminuir significativamente em 2022”, disse a Adidas em expedido.

As autoridades chinesas impuseram um bloqueio draconiano em Xangai – o meio financeiro da China – no final de março, posteriormente um aumento nos casos de coronavírus.

Embora as autoridades tenham começado a suspender algumas restrições no mês pretérito, mais de 8 milhões de moradores ainda estão proibidos de deixar seus complexos residenciais.

As restrições na capital Pequim também foram reforçadas nos últimos dias e devem ocasionar  mais dor às marcas ocidentais no momento em que a economia da China já está se contraindo

No mês pretérito, o Fundo Monetário Internacional (FMI) disse que esperava que o PIB da China crescesse 4,4% nascente ano, muito inferior da meta do governo de muro de 5,5%

A Adidas registrou fortes vendas nos mercados ocidentais no primeiro trimestre e disse que agora espera que o desenvolvimento universal deste ano fique na extremidade subordinado da fita de 11% a 13% prevista anteriormente.

A rival Nike (NKE) relatou uma queda de 5% em suas receitas na China no período de dezembro a fevereiro, em verificação com o ano anterior, antes da introdução dos últimos bloqueios.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também