Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Entenda o projeto do governo para zerar impostos sobre combustíveis

Por redação

O governo federalista anunciou na segunda-feira (6) um projeto para tentar reduzir os preços dos combustíveis por meio de isenções temporárias de impostos sobre a gasolina, o diesel e o gás liquefeito de petróleo (GLP).

Os três itens tiveram fortes altas nos últimos meses, com a gasolina superando a média dos R$ 7, devido à elevação do petróleo no exterior, obrigando a Petrobras a engrandecer os preços internamente.

A solução apresentada pelo governo evitaria uma mediação na estatal, o que seria mal visto pelo mercado, mas especialistas apontam que ela deve ter um impacto reduzido, e prejudicará as contas públicas.

Ao mesmo tempo, o projecto do governo, que envolveria uma novidade Proposta de Emenda Constitucional (PEC), depende também da aprovação no Senado de um projeto de lei que fixa um teto na cobrança do ICMS para combustíveis.

Quais foram as propostas do governo?

A teoria do governo envolveria, primeiro, o estabelecimento de um teto permanente de 17% na cobrança do ICMS, um imposto estadual, sobre os combustíveis, medida que faz secção de um projeto de lei, o PLP 18, já validado na Câmara.

O texto classifica combustíveis, vontade, transporte e telecomunicações porquê bens e serviços essenciais, aplicando assim o teto na cobrança. A média cobrada nos estados atualmente é de 24,1% para a gasolina e 11,6% no diesel.

Com a aprovação no Senado, o governo federalista indiciou que apresentaria, ainda neste mês, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) porquê forma de levar a uma novidade redução nos impostos sobre combustíveis. O texto, logo, precisaria ser analisado e votado em dois turnos nas duas Casas legislativas.

Pela proposta, o governo zeraria os impostos federais para a gasolina e o etanol, o PIS/Cofins e a Cide. O diesel não teria a isenção porque ela já foi implementada pelo governo no primeiro trimestre de 2022.

Por outro lado, os estados não exclusivamente teriam o teto de 17% na cobrança do ICMS porquê também poderiam zerar temporariamente a emprego do imposto para o diesel e o gás de cozinha.

Em ambos os casos, a isenção seria válida até 31 de dezembro de 2022. A PEC criaria também um fundo para recompensar financeiramente os estados pela perda de arrecadação, já que o ICMS é a principal natividade de receita a nível estadual.

O PLP 18 estabeleceu ainda uma ressarcimento para os estados com a redução do ICMS, mas válida exclusivamente para 2022. Caso a perda de receita seja superior a 5%, o governo federalista abateria dívidas dos estados no valor equivalente.

No caso da PEC, o governo não determinou exatamente da onde viria o quantia para a ressarcimento. Segundo a exegeta de economia da CNN, Priscila Yazbek, possíveis fontes discutidas seriam a receita com a capitalização da Eletrobras ou logo os dividendos pagos pela Petrobras.

De negócio com o exegeta de política da CNN, Gustavo Uribe, a equipe econômica do governo estimou um impacto nas contas públicas com a PEC de R$ 40 bilhões, sendo R$ 15 bilhões pela isenção do PIS/Cofins e Cide e R$ 25 bilhões para a ressarcimento aos estados. Já o ministro Paulo Guedes estimou um gasto entre R$ 25 bilhões e R$ 50 bilhões.

Saiba mais sobre o petróleo e porquê funciona a sua cotação

Qual seria o impacto nos preços?

Se o PLP 18 e a PEC proposta do governo foram aprovadas e sancionadas porquê estão, o consumidor viria um impacto no preço das bombas, mas dependendo também do proporção do repasse nos postos.

Se ele fosse integral, a combinação do teto de 17% no ICMS e a isenção do PIS/Cofins e Cide levaria a gasolina do preço médio atual de R$ 7,25 para R$ 5,36.

Já o diesel, com isenção de ICMS, cairia de R$ 7,05 para R$ 6,23. O gás de cozinha, também com ICMS isento, poderia recuar de R$ 112,7 para R$ 97,97.

Desafios e críticas

O principal problema que o governo federalista deve enfrentar para a aprovação da PEC, e que já enfrenta com o PLP 18, é a resistência dos estados.

Representantes estaduais afirmam que o teto de 17% no ICMS não faria sentido pois é uma solução definitiva para um problema conjuntural nos preços dos combustíveis. Ou por outra, destacam que a perda de arrecadação ultrapassaria R$ 80 bilhões, e atingiria gastos com saúde e instrução.

Eles afirmam, ainda, que os estados já abriram mão de secção da arrecadação quando congelaram o valor base de cobrança do ICMS para os combustíveis em 2021, sem impacto no preço final. Já o governo federalista aponta recordes de arrecadação nos estados, com superávits.

No caso do PLP 18, o método de ressarcimento sofre resistência pelos estados, principalmente por valer exclusivamente para 2022, enquanto a diferença na cobrança seria definitiva. O texto deve ser votado na próxima segunda-feira (13), segundo o relator no Senado.

Com isso, há uma pressão dos estados no Senado para realizar alterações no PLP 18 e reduzir o impacto nas contas dos estados, com apresentação de alternativas para reduzir os preços.

Ainda em relação à PEC, analistas criticam a eficiência do projeto. Um dos principais pontos é que os preços da gasolina e do diesel já estão defasados em relação ao mercado internacional depois novas altas do petróleo.

A defasagem da gasolina, de tapume de 20%, exigiria um aumento na moradia de R$ 1, enquanto o diesel, com 10%, precisaria subir tapume de R$ 0,50. Somente esses aumentos já reduziriam o impacto da PEC e do PLP, e novos reajustes não estão descartados.

“O mais grave é que uma eventual redução do valor dos combustíveis na petardo não é tão expressiva em relação à defasagem que já existe nesses valores e à possibilidade de novos aumentos que vêm por aí”, afirmou David Zylbersztajn, ex-diretor-geral da Filial Vernáculo do Petróleo (ANP) à CNN.

A diferença na Constituição com a PEC também aumenta o chamado risco fiscal, com o mercado temendo um provável descontrole nos gastos e contas do governo, e levando a uma saída de investimentos.

A consequência é uma valorização do dólar diante de o real, encarecendo produtos que são importados, incluindo os combustíveis. Com esse cenário, a exegeta da CNN Thais Herédia aponta que uma estudo do banco Bradesco projeta um potencial de redução na inflação neste ano com o projeto, mas de subida no ano seguinte.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também