Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Encontro com Biden tem “efeito simbólico” e interessa mais a Bolsonaro, diz professora

Por redação

A reunião bilateral entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve trazer “efeito simbólico” e “sinaliza o interesse do Brasil em ter uma relação de estado, não entre governos e pessoas”. Esta é a avaliação da coordenadora de curso de Relações Internacionais da Faap, Fernanda Magnotta.

O encontro deve sobrevir na Cúpula das Américas, em Los Angeles, que começa nesta segunda-feira (6).

Em entrevista à CNN Rádio, ela afirmou que o presidente deve “tentar capitalizar politicamente até para rejeitar a teoria de que o Brasil é um pária internacional.”

“Até por isso, a reunião é mais importante para Bolsonaro do que para Biden. Os Estados Unidos não têm agenda prioritária cá”, completou.

Magnotta explicou que há pautas de convergência entre Brasil e EUA, porquê negócio e investimento, além de interesses que “empurram para uma agenda mais pragmática”, além de uma visão sátira semelhante sobre a China, o que gera uma ponte.

Ao mesmo tempo, há divergências, porquê a discussão sobre democracia e eleições, o tema do meio envolvente e a relação com a Rússia.

Para a professora, “o balanço do encontro deve ser positivo, com tom diplomático, orientado pelo pragmatismo, mas sem resultado significativo, já que o Brasil está em ano eleitoral e os EUA devem esperar o resultado para qualquer posicionamento mais contundente.”

Fernanda Magnotta ainda acredita que a Cúpula das Américas deve se fechar com um transmitido extenso, com temas porquê reforço da democracia, investimentos em infraestrutura, robustez e saúde e compromisso com os Direitos Humanos.

Mas, tudo isso, “sem definições específicas, compromissos ou responsabilidades de longo prazo”.

 

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também