Encontro com Biden tem “efeito simbólico” e interessa mais a Bolsonaro, diz professora

Por Brunialti Welinton

A reunião bilateral entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve trazer “efeito simbólico” e “sinaliza o interesse do Brasil em ter uma relação de estado, não entre governos e pessoas”. Esta é a avaliação da coordenadora de curso de Relações Internacionais da Faap, Fernanda Magnotta.

O encontro deve sobrevir na Cúpula das Américas, em Los Angeles, que começa nesta segunda-feira (6).

Em entrevista à CNN Rádio, ela afirmou que o presidente deve “tentar capitalizar politicamente até para rejeitar a teoria de que o Brasil é um pária internacional.”

“Até por isso, a reunião é mais importante para Bolsonaro do que para Biden. Os Estados Unidos não têm agenda prioritária cá”, completou.

Magnotta explicou que há pautas de convergência entre Brasil e EUA, porquê negócio e investimento, além de interesses que “empurram para uma agenda mais pragmática”, além de uma visão sátira semelhante sobre a China, o que gera uma ponte.

Ao mesmo tempo, há divergências, porquê a discussão sobre democracia e eleições, o tema do meio envolvente e a relação com a Rússia.

Para a professora, “o balanço do encontro deve ser positivo, com tom diplomático, orientado pelo pragmatismo, mas sem resultado significativo, já que o Brasil está em ano eleitoral e os EUA devem esperar o resultado para qualquer posicionamento mais contundente.”

Fernanda Magnotta ainda acredita que a Cúpula das Américas deve se fechar com um transmitido extenso, com temas porquê reforço da democracia, investimentos em infraestrutura, robustez e saúde e compromisso com os Direitos Humanos.

Mas, tudo isso, “sem definições específicas, compromissos ou responsabilidades de longo prazo”.

 

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Veja também