Emendas representam 24% das despesas discricionárias

Por redação

Em 2018, antes do início do governo Jair Bolsonaro (PL), as emendas parlamentares ficavam com 7% das despesas discricionárias, aquele quantia que o governo tem para gastar mais livremente.

Depois de uma ligeiro queda em 2019, houve uma escalada, e chegou nesse ano a 24% –quase um quarto do totalidade.

Percentual vem subindo nos últimos anos
Percentual vem subindo nos últimos anos / Arte/CNN

Várias mudanças na legislação colaboraram para isso:

  • Em 2015, foi confirmado o orçamento impositivo, que tornou obrigatória a realização das emendas individuais dos parlamentares.
  • Em 2019, foi a vez das emendas de bancada, e ninguém mais teve que indicar exatamente para onde vai o quantia.
  • Em 2020, vieram as emendas de relator, para as quais, até pouco tempo, não se identificava sequer quem era o paraninfo dos recursos: o chamado orçamento secreto.
Legislação sobre emendas parlamentares vem sofrendo alterações
Legislação sobre emendas parlamentares vem sofrendo alterações / Arte/CNN

Porquê confrontação –considerando somente as emendas destinadas a investimentos em estados e municípios específicos– nos Estados Unidos elas representam 2,3% da despesa. Por cá, 11,6%.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também