Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Dispêndio de ajudar países afetados pela crise climática é 800% maior do que 20 anos detrás

Por redação

A quantidade de numerário necessária para ajudar as comunidades diante de emergências extremas relacionadas ao clima aumentou mais de 800% nas últimas duas décadas, à medida que a crise climática também se acelerou rapidamente, mostram novas pesquisas.

O relatório, divulgado nesta terça-feira (7) pela Oxfam, descobriu que não exclusivamente a urgência de financiamento humanitário da Organização das Nações Unidas (ONU) relacionado a climas extremos agora é muito maior do que há 20 anos, mas as nações doadoras também não estão conseguindo seguir os custos impressionantes da crise climática.

Em 2021, o dispêndio econômico de eventos climáticos extremos foi de aproximadamente US$ 329 bilhões em todo o mundo — o terceiro maior ano já registrado e quase o duplo da ajuda totalidade doada por nações ricas a países mais pobres no mesmo ano.

Entre 2000 e 2002, a ONU precisou de uma média de US$ 1,6 bilhão em financiamento por ano para projetos humanitários em seguida eventos climáticos extremos. De 2019 a 2021, buscava uma média de US$ 15,5 bilhões por ano — um aumento de mais de 800%.

Aliás, o relatório mostra que para cada US$ 2 necessários para mourejar com desastres causados ​​pelas mudanças climáticas, os países doadores ricos estão fornecendo exclusivamente metade disso.

“As mudanças climáticas estão prejudicando e continuarão prejudicando, primeiro e pior, negros, indígenas e outras comunidades vulneráveis ​​— interrompendo seus meios de subsistência, cultura, saúde e modo de vida”, Russell Armstrong, diretor de clima sênior da Oxfam America mentor de política, disse à CNN.

“Mesmo que o dispêndio econômico da mudança climática, estimado entre US$ 300 bilhões e US$ 500 bilhões globalmente, seja equivalente aos subsídios governamentais para combustíveis fósseis, os pedidos de soluções não foram ouvidos”, acrescentou.

Desde 2017, muro de 54% dos países desenvolvidos responsáveis ​​pelas causas da crise climática hoje atenderam a esses apelos humanitários da ONU, deixando um déficit de até US$ 33 bilhões.

Desde o enfrentamento de guerras até a escassez de vitualhas em todo o mundo, pesquisadores dizem que a crise climática está pressionando ainda mais um sistema humanitário da ONU já com problemas financeiros.

O impacto dos desastres provocados pelas mudanças climáticas exacerba as desigualdades já instaladas na infraestrutura física e social de um país, atingindo principalmente as nações de baixa renda.

Esses países normalmente carecem da infraestrutura adequada e do numerário necessário para se restaurar de desastres.

De convénio com o relatório, os países com os apelos mais recorrentes sobre crises climáticas extremas incluem Afeganistão, Burkina Faso, Burundi, Chade, República Democrática do Congo, Haiti, Quênia, Níger, Somália, Sudão do Sul e Zimbábue.

Enquanto isso, países ricos porquê os Estados Unidos continuam a exprimir mais das emissões que alimentam esses eventos climáticos extremos.

Uma vez que o maior emissor histórico de poluição por carbono, “os EUA têm a obrigação com a comunidade global de priorizar a luta contra as mudanças climáticas e ajudar a remunerar a conta dos custos da devastação causada por climas extremos”, disse Armstrong.

De convénio com o relatório, os apelos humanitários da ONU cobrem exclusivamente uma pequena fração — muro de 7,5% ou 474 milhões dos estimados 3,9 bilhões de pessoas — de nações de baixa e média renda que foram atormentadas por desastres provocados pelas mudanças climáticas desde o início deste século.

O relatório foi publicado enquanto os ministros se reúnem em Bonn, na Alemanha, para conversas sobre o clima para discutir a questão das “perdas e danos”, essencialmente o pagamento de fundos do mundo rico para países que lidam com impactos mais severos da crise climática.

 

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também