Diana no Brasil: os lugares que Lady Di conheceu em sua única visitante ao país

Por redação

Lembrada por seu carisma, pelas ações sociais e por se estabelecer uma vez que um ícone da voga, Diana Frances Spencer, mais conhecida uma vez que Diana, a Princesa de Gales, é até hoje lembrada por seu legado – e não só no Reino Uno, mas no mundo todo.

Quando se casou com Charles, Príncipe de Gales, em 1981, na St. Paul Cathedral, em Londres, Lady Di assumiu uma série de deveres reais e entre eles estavam visitas oficiais a outros países e nações.

E foi há 31 anos, no dia 22 de abril de 1991, 22 anos posteriormente a Rainha Elizabeth II colocar os pés no Brasil uma única vez, que Diana fez o mesmo.

“princesa do povo” aterrissou na capital Brasília ao lado de Charles, que fazia sua segunda visitante ao país, para acompanhá-lo em uma agenda resumida a reuniões sobre preservação ambiental.

Mas ela não seguiu o marido em todos os compromissos e acabou visitando várias instituições de caridades dedicadas às crianças – indumentária que movimentou o povo brasílio e toda a mídia na quadra. Sua passagem pelo país, inclusive, ficou conhecida por ser mais uma oportunidade de Diana quebrar alguns protocolos.

Ao todo, o par ficou cinco dias no Brasil e Diana não deixou de visitar algumas atrações brasileiras conhecidas mundo afora, uma vez que o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e as Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu. Relembre todas as cidades que Lady Di visitou quando esteve por cá:

Brasília (DF) e Carajás (PA)

Charles e Diana desembarcaram na capital durante a noite do dia 22 de abril a bordo de um avião da British Airways. Na manhã seguinte, Charles se encontrou com Fernando Collor, presidente do Brasil na quadra, e Diana foi recepcionada pela logo primeira-dama Rosane Collor na sede da Legião Brasileira de Assistência, extinto órgão assistencial público que ajudava as famílias dos soldados enviados à Segunda Guerra Mundial.

O par deixou Brasília no mesmo dia para uma rápida visitante ao Projeto Carajás no sudeste do Pará, em Parauapebas – cidade de mais de 200 milénio habitantes que está assentada na Serra dos Carajás, considerada a maior província mineral do planeta.

O projeto de exploração mineral foi iniciado nas décadas de 1970 e 1980 pela Vale e compreendia também terras no setentrião do Tocantins e no sudoeste do Maranhão, região considerada uma das mais ricas da Terreno em quantidade de minério.

Depois a visitante a uma jazida, o par seguiu para o Parque Zoobotânico Vale, que existe até hoje e fica localizado dentro da Floresta Pátrio de Carajás em Parauapebas. Ocupando 30 hectares preservados, o parque abriga espécies nativas da fauna e da flora amazônica.

De consonância com a Vale, hoje o parque possui ingressão gratuita e fica descerrado ao público diariamente, contando com zoológico, hospital veterinário, orquidário, herbário, sala de coleções, auditório, espaço de exposição e sala de instrução ambiental.

Foi no parque que Charles e Diana plantaram uma castanheira. Curiosidade: murado de três décadas depois, a árvore deu seus primeiros frutos e continua sinalizada uma vez que plantada pela ex-casal real.

Depois a visitante a Carajás, ambos retornaram para Brasília, onde, à noite, foram recebidos no Palácio do Itamaraty para uma recepção – atualmente, o palácio pode ser publicado mediante visitações públicas e educativas.

São Paulo (SP)

Palácio dos Bandeirantes foi um dos locais que Diana e Charles foram recebidos na capital paulista / Alexandre Roble/A2img

No dia 24 de abril, o par partiu para uma visitante rápida a São Paulo, onde Charles seguiu compromissos em um fórum enquanto Diana visitou a escola britânica St. Paul’s, na região dos Jardins – localizada na rua Juquiá desde 1928. A mesma escola, que é considerada bicultural e bilíngue, foi visitada pela Rainha Elizabeth II em sua passagem pela cidade mais de duas décadas antes.

No almoço foram recebidos pelo logo governador Luiz Antônio Fleury Fruto no Palácio dos Bandeirantes, residência solene do governador de São Paulo no bairro do Morumbi que, hoje, também é descerrado para visitas. Vale ressaltar que a Rainha Elizabeth II, ao lado do Príncipe Phillip, também foi recebida no sítio em 1968.

Durante a tarde, a Princesa se dirigiu para uma unidade da antiga Instauração Estadual do Muito-Estar do Menor (Febem). Foi onde ocorreu um dos momentos mais marcantes de sua passagem no Brasil: Diana carregou em seus braços uma petiz soropositiva, foto repercutida mundo afora e mais um momento importante em sua luta contra a estigmatização do HIV.

Depois dos compromissos, foi a vez do par embarcar novamente em uma avião e seguir rumo ao Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro (RJ)

Na Cidade Maravilhosa, a agenda foi um pouco mais agitada e alguns pontos turísticos da cidade foram visitados. O par ficou hospedado no icônico Copacabana Palace, na praia de Copacabana, e atraiu uma turba para a frente do luxuoso hotel.

Foi na piscina do hotel, inclusive, que foram tiradas algumas das mais famosas fotos da Princesa: os paparazzi capturaram o momento em que ela nadava ali muito cedo. Diana acabou percebendo a movimentação dos fotógrafos em outros prédios e decidiu trespassar da piscina.

Entre os pontos visitados, do dia 24 ao dia 26 de abril de 1991, está o Palácio da Cidade, sítio de trabalho do prefeito do Rio que fica em Botafogo e que já tinha sido a embaixada do Reino Uno na cidade – lá, o par assistiu à um desfile de escolas de samba. O Theatro Municipal, construção de 1909 que fica na Cinelândia, também recebeu Diana, onde a Princesa assistiu uma apresentação de dança do Grupo Corpo.

Cumprindo sua agenda, ela também chegou a visitar a enfermaria para pacientes soropositivos no Hospital Clementino Fraguedo Fruto, na Ilhota do Fundão, e as crianças da Associação Beneficente São Martinho, no núcleo do Rio.

Um dos símbolos do Brasil e também do Rio de Janeiro no mundo foi um dos principais pontos turísticos visitados pela Princesa em sua passagem por cá: o Cristo Redentor, onde posou para fotos e admirou a paisagem única para o Atlântico e outros cartões-postais, uma vez que a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Pão de Açúcar, o Maracanã e o Maciço da Tijuca.

Cataratas do Iguaçu (PR)

No mesmo dia de sua última estadia no Rio de Janeiro, em 26 de abril, Diana tomou um avião e seguiu para saber as Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no Paraná. Consideradas Patrimônio Procedente da Humanidade, as cataratas fazem secção tanto do parque brasílio, inaugurado em 1939, quanto do parque prateado, do outro lado da fronteira, inaugurado em 1934.

As Cataratas do Iguaçu uma vez que um todo são formadas por 275 quedas em uma espaço de mais de 250 milénio hectares de floresta subtropical. Do lado brasílio, a Passarela da Goela do Diabo é um dos pontos mais concorridos, de onde se tem uma vista panorâmica das grandes quedas.

O parque fica a descerrado para turistas diariamente, exceto às segundas-feiras. Indivíduos brasileiros a partir de 12 anos pagam R$ 63 – o valor aumenta para R$ 107 para estrangeiros fora do Mercosul.

Belém (PA)

Belém foi a última paragem de Diana em solo vernáculo antes de embarcar novamente para fora do país. Na capital paraense, detentora do Mercado Ver-o-Peso, da Estação das Docas e do Teatro da Sossego, a logo Princesa não atendeu a nenhuma agenda ou evento.

Durante a tarde, se encontrou com Charles, que havia comparecido a um seminário sobre ecologia, e voltou para a Inglaterra no dia 27 de abril com um vestido vermelho marcante.


Brasil61

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também