Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Deputado ausente recorre ao STF para tentar reassumir procuração

Por redação

Deputado federalista que perdeu o procuração para o retorno de Valdevan Noventa (PL-SE) à Câmara, Márcio Macêdo (PT-SE) impetrou mandado de segurança com pedido de liminar no Supremo Tribunal Federalista (STF) neste domingo (5) numa tentativa de reassumir o função.

Macêdo quer a suspensão da decisão do ministro do STF Kassio Nunes Marques, que anulou a cassação do procuração de deputado de Valdevan. O deputado bolsonarista havia sido cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em março, por desfeita de poder econômico em 2018. Macêdo ocupava o seu lugar.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciou o isolamento de Macêdo na sexta-feira (3) com a volta imediata de Valdevan ao Parlamento.

No valor, o petista pede ao STF “que se confirme os efeitos da liminar, de tal sorte a cassar a decisão proferida pelo ministro Nunes Marques, porquanto inadequada a via eleita, em evidente supressão de instância, muito porquê por não viver verosimilhança do recta que justifique a reversão liminar da decisão da Justiça Eleitoral.

Por meio de sua resguardo, o político também afirma que a questão é “urgente, pois trata de decisão que impacta a formação da Câmara dos Deputados em período pré-eleitoral, de modo a ser necessária a adoção de medidas imediatas por esse Supremo Tribunal Federalista”.

Em nota divulgada neste domingo, o diretório pátrio do PT chamou a decisão de Nunes Marque de “monocrática esdrúxula e com caráter explícito de atender pertinácia do Executivo federalista”. Na avaliação do diretório, o ministro “confrontou o TSE”.

“Confiantes no papel da Justiça brasileira, na obediência às leis e no reverência às instituições democráticas, aguardamos que a instância competente do STF irá emendar, com urgência, tal medida proibido e abusiva”, diz trecho da nota.

Neste sábado (4), Macêdo divulgou nota em que anunciou a apresentação de recursos pelo próprio e pelo PT.

No documento deste domingo, o ex-deputado alega que Nunes Marques não seria o juiz procedente do caso. A seu ver, o ministro deveria ter ordenado a “livre distribuição” do processo. Também argumenta que o caso só deveria ter sido analisado pelo STF posteriormente julgamento de admissibilidade pelo TSE.

“Porquê se denota das próprias afirmações dos autores e da fundamentação da decisão impugnada, sequer os Embargos de Enunciação opostos foram analisados pela Namoro Superior Eleitoral, não existindo Recurso Insólito e, muito menos, qualquer estudo de admissibilidade por segmento do Ministro Presidente do TSE”, consta no mandado de segurança.

Macêdo pede ainda que o caso seja distribuído à ministra do STF Cármen Lúcia e julgado em sessão do plenário virtual na terça-feira que vem (7).

Isso porque, na terça, o Supremo vai averiguar pedido de suspensão de outra decisão de Nunes Marques que derrubou a cassação de um parlamentar determinada pelo TSE: a do deputado estadual do Paraná Fernando Francischini (União-PR).

Francischini foi cassado pelo TSE por propagar desinformação sobre as urnas eletrônicas enquanto o pleito ainda ocorria em 2018. Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), na ocasião, ele foi o deputado estadual mais votado do Paraná.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também