Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Debate CNN: Deputados comentam fala de Lula sobre caso Marielle Franco

Por redação

Em debate realizado pela CNN nesta segunda-feira (6), os deputados federais Filipe Barros (PL – PR) e Ivan Valente (PSOL – SP) comentaram a enunciação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que “gente” de um governante “não tem pudor de ter matado a Marielle [Franco]”.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi envolvido no caso em seguida o porteiro do seu condomínio Vivendas da Barra declarar que o dirigente do Executivo autorizou a ingresso do ex-PM Élcio Queiroz no lugar. Queiroz é suspeito de ter dirigido o coche de onde partiram os tiros que mataram a vereadora. Marielle e o seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados em 14 de março de 2018.

Apesar do petista não ter citado o nome de Bolsonaro, a resguardo do dirigente do Executivo irá processar Lula pela provável referência.

Para Filipe Barros, a fala de Lula é uma tentativa do pré-candidato à Presidência da República de “invocar atenção”. Segundo o deputado, o petista está em primeiro nas pesquisas eleitorais, mas não consegue mobilizar eleitores nas ruas. Por isso, procura polarizar a eleição trazendo o caso Marielle para a taxa. “Quem se utiliza politicamente [do caso Marielle], é a esquerda”, diz.

O parlamentar do PL avalia ainda que a resguardo de Bolsonaro está correta em processar o ex-presidente pela fala. Em sua opinião, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federalista (STF), devia incluir Lula no interrogatório das fake news pela enunciação.

Barros também afirma que, além da investigação sobre a morte da vereadora, ele deseja saber quem contratou Adélio Papa para chacinar Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018.

Ivan Valente, por sua vez, acredita que o presidente não irá conseguir zero processando Lula, já que em nenhum momento o nome de Bolsonaro foi citado diretamente.

O parlamentar avalia que a início de um processo é uma tentativa de Bolsonaro fugir do que “realmente interessa”. “Ele tem que terceirizar culpa com governadores, prefeitos, com o STF, TSE e, evidentemente, quer tirar o foco das questões. É óbvio que ele vai querer uma criminação que não houve”, considera.

“O que eu posso declarar, e o Lula tá evidente, é que as ligações de Bolsonaro com milicianos são explícitas. Ele contrata milicianos para trabalhar no seu gabinete, uma vez que Fabrício Queiroz e Adriano da Nóbrega”, aponta o deputado do PSOL.

Assista ao debate completo no vídeo supra

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também