De novo o parlamentarismo | CNN Brasil

Por redação

Um tema que já parecia sepultado volta ao debate político, embora asfixiado pela campanha eleitoral. Nos bastidores do Congresso urde-se a implantação do chamado semipresidencialismo. Trata-se de um novo rótulo para o parlamentarismo: o Congresso governa e o presidente é quase uma figura decorativa, com poderes limitados.

Ora, a implantação do sistema parlamentarista já foi submetida ao crivo dos brasileiros por meio de duas consultas populares. E nessas duas consultas a resposta foi um sonoro “não”. Driblando a opinião do votante, algumas poucas lideranças tentam fazer renascer a proposta através de uma PEC. Sabem que o imprescindível plebiscito derrotaria o chamado semipresidencialismo, em vista da notória repulsa da população do Brasil pelo parlamentarismo.

Além da questão da legitimidade carimbada pelo voto , pergunta-se por que o parlamentarismo – implantado em boa segmento das democracias do planeta – encontra a tanta oposição entre nós? Não chegou a oriente jornalista nenhum trabalho científico a saudação.

Mas, a olho nu, somos capazes de perceber que uma das principais razões que nos afastam de um governo do Parlamento é a falta de crédito no Legislativo do país. E tudo começa na escolha de deputados e senadores, que obedece a um critério que distorce a verdade da visão do país, para conduzir e reconduzir determinadas figuras ao meio das decisões nacionais.

Prevalecem partidos que não passam de meros acampamentos de interesses, muitas vezes escusos. As tais emendas parlamentares, por exemplo, ajudam a evitar uma renovação mais ampla de nossos legislativos, pois contemplam aqueles que já estão instalados no poder e conseguem beneficiar seus galinheiros eleitorais e amigos.

Não há porquê encarregar no atual Congresso se não implantarmos a democracia partidária e o voto distrital ou distrital misto. O atual sistema está corrupto, longe da população e das premência do país. Emendas parlamentares, muitas secretas, e não a opinião honesta, acabam determinado decisões importantes. Interesses escusos navegam no ritmo de Brasília. Simples, há exceções, mas impotentes para modificar o quadro.

Evidentemente, as resistências a esse tipo de governança não estão unicamente nos fatos que mencionamos e que saltam aos olhos. Há também uma surda iniciativa de caráter econômico a rondar essa proposta.

Deus proteja o Brasil!

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também