Credit Suisse eleva estimativa do IPCA para 2022 a 9,8%

Por redação

O Credit Suisse elevou seus prognósticos para a inflação brasileira em 2022 e 2023, estimando agora que a subida do IPCA superará o teto da meta solene por três anos consecutivos, mesmo com a expectativa de que o Banco Medial será forçado a exaltar a taxa Selic a 14% até agosto próximo.

Sob o novo cenário, o Credit Suisse vê o IPCA subindo 9,8% neste ano. Há pouco menos de duas semanas, o banco privado estimava subida de 8,3%, taxa que já superava com folga o teto do objetivo perseguido pelo BC, de 5,0%. O núcleo da meta oriente ano é de 3,5%, mas há margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos.

Para o ano que vem, a projeção agora é de inflação ao consumidor de 5,1%, o que deixa o prognóstico do credor suíço supra do limite superior da meta para 2023 pela primeira vez. O objetivo para o período é de 3,25%, também com tolerância de 1,5 ponto. Em cenário anterior, o Credit Suisse esperava subida de 4,6% do IPCA no próximo ano.

Caso esse cenário se confirme, o incremento dos preços ao consumidor no Brasil marcará três anos consecutivos supra da filarmónica de tolerância da meta, depois de o IPCA ter saltado 10,1% em 2021, quando o objetivo medial de inflação era de 3,75%.

Em relatório assinado por Solange Srour, Lucas Vilela e Rafael Castilho, o Credit Suisse disse que “a revisão da inflação deste ano decorre da nossa novidade expectativa de aumento dos preços dos combustíveis, vitualhas e produtos industriais”, prevendo que a Petrobras aumentará os preços dos combustíveis em 15% no período para reduzir a diferença em relação à média histórica.

O banco elevou a 16,4% a projeção de inflação de vitualhas neste ano, de 12% antes, “devido ao poderoso aumento nos preços dos fertilizantes, menor oferta global de comida devido às más condições climáticas e menor rendimento das plantações brasileiras”.

Para o ano que vem, “esperamos que os preços de serviços e administrados continuem pressionados pelo efeito inercial da inflação manante elevada, pela inflação disseminada entre os itens e altas expectativas de inflação, enquanto a inflação em produtos industriais e vitualhas tende a diminuir exclusivamente gradualmente”.

O Credit Suisse repetiu asserção de cenário anterior de que o processo desinflacionário será “longo e custoso”, prevendo pouco espaço para o Banco Medial se impedir de continuar a aumentar os juros nos próximos meses.

“Não existe almoço gratuito: acomodar uma inflação mais subida neste ano exigirá um período mais longo de taxas de juros restritivas ou taxas ainda mais altas”, afirmou o banco, mantendo expectativa anterior de que a Selic –atualmente em 12,75%– será elevada em 0,75 ponto percentual em junho e 0,50 ponto em agosto, chegando a 14%.

O Credit Suisse espera que um ciclo de flexibilização comece em maio do ano que vem, deixando a Selic em 9,5% até o termo de 2023.

“Acreditamos que o riscos para a Selic no próximo ano estão inclinados para cima devido ao cenário inflacionário ainda dissonante para uma inflação mais subida.”

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também