Com reajuste, defasagem do diesel é de 11% e gasolina segue em 19%, diz associação

Por redação

O reajuste de 8,87% no preço do diesel anunciado nesta segunda-feira (9) pela Petrobras não encerra a defasagem em relação à paridade internacional.

Pelos cálculos da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), a defasagem do insumo está em 11% na conferência com os preços praticados no Golfo do México.

Já a gasolina, que não teve o preço confuso pela estatal, opera com uma defasagem média de 19%.

“Não chegou à paridade, mas foi positivo. Deixa evidente o compromisso da novidade gestão com a atual política de preços”, afirmou o presidente da Abicom, Sérgio Araújo.

E completa: “O aumento aconteceu apesar da pressão política que todos os presidenciáveis fizeram nesse final de semana, criticando a política de preços da Petrobras, o que é um posicionamento em procura de popularidade”, ponderou.

Desabastecimento

O executivo alerta também para o risco de desabastecimento no país diante dos preços defasados.

Ele lembra que a entidade tem recebido informações de postos com problema de fornecimento.

Com os atuais preços, as importações de combustíveis têm sido feitas basicamente pela Petrobras e as três principais distribuidoras do mercado (Vibra, Ipiranga e Raízen).

Já as importadoras independentes estão fora da concorrência nesse momento.

“Os postos não fidelizados às grandes, os chamados postos de bandeira branca, estão ficando desabastecidos”, afirmou.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também