Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

CNN Sinais Vitais aborda as diferentes nuances do transtorno do espectro autista

Por redação

Uma a cada 44 crianças de 8 anos de idade vive com transtorno do espectro autista (TEA) nos Estados Unidos, de pacto com o levantamento mais recente dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do país, de 2018.

O índice representa um aumento em verificação com os anos anteriores, que indicavam 1 caso para cada 68 crianças.

O CNN Sinais Vitais desta semana apresenta as diferentes nuances da vivência com o transtorno do espectro autista. O programa, apresentado pelo cardiologista Roberto Kalil, vai ao ar neste domingo (12), às 19h30, reforçando o teor diversificado com a marca CNN Soft.

No Brasil, não há um estudo ilativo sobre a prevalência na população. No entanto, especialistas apontam para um aumento na identificação dos casos no país.

“Isso é resultado da desestigmatização do TEA e da melhoria dos diagnósticos que estão sendo feitos cada vez mais cedo”, explica a psiquiatra Helena Brentani, fundadora do ambulatório Protea, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo (veja entrevista no vídeo supra).

O transtorno do espectro autista é um distúrbio caracterizado pelo desenvolvimento atípico, déficits na informação e na interação social, além de padrões de comportamentos repetitivos e estereotipados. A pessoa também pode apresentar um repertório restrito de interesses e atividades.

Segundo os especialistas, as manifestações do espectro são diversas. Enquanto secção das pessoas vive de forma independente, outros indivíduos podem apresentar quadros mais severos que precisam de atenção e escora permanente ao longo da vida.

Espeque da tecnologia

Uma das ferramentas tecnológicas adotadas nos últimos anos pelos profissionais do ambulatório Protea para facilitar no diagnóstico é o chamado eye-tracking, uma técnica computadorizada de rastreamento pelo olhar.

“O equipamento vai captar para onde a moço está olhando, qual é a preferência dela. Uma moço neurotípica, já muito pequenininha, tem uma preferência por cenas biológicas, humanas e de interação enquanto as crianças com TEA, por exemplo, têm uma preferência para quadros geométricos, fractais e movimentos claros e repetitivos”, explica Helena.

Segundo a psiquiatra Daniela Bordini, coordenadora do ambulatório de autismo da Universidade Federalista de São Paulo (Unifesp), a apresentação clínica do TEA é diversa.

“Cada quidam tem suas peculiaridades, tanto de dificuldades uma vez que de potencialidades e as alterações do neurodesenvolvimento se dão muito precocemente”, explica. “Hoje especialistas na dimensão conseguem identificar quadros mais clássicos por volta de um ano a um ano e meio, com sinais e sintomas suficientes para dar um diagnóstico”, completa.

Incidente mostra as diferentes nuances da vivência com o transtorno do espectro autista / Reprodução/CNN

Qualidade de vida

O incidente mostra uma vez que as intervenções psicossociais baseadas em evidências, uma vez que terapia comportamental e métodos complementares oferecidos pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), de Bauru, contribuem para reduzir as dificuldades de informação.

Os métodos trazem benefícios para o comportamento social e têm um impacto significativo no bem-estar e qualidade de vida das pessoas com TEA.

“É muito importante que a gente garanta que essa moço, já nos primeiros meses e anos de vida, tenha um seguimento multidisciplinar”, diz Cristiane Silvestre de Paula, professora do programa de pós-graduação em Distúrbio do Desenvolvimento da Universidade Mackenzie.

“O tratamento medicamentoso é para tratar as comorbidades, uma vez que impaciência, depressão, irritabilidade e não o autismo especificamente”, completa.

O programa também aborda a relevância da integração dos serviços de saúde com a instrução básica. Os especialistas apontam que a escola é o principal meio de desenvolvimento de uma pessoa no espectro do autismo.

A equipe da CNN mostra resultados de um projeto que uniu especialistas da saúde da Universidade Mackenzie para a capacitação de professores de uma rede de ensino em São Paulo.

“Nós temos inúmeras pesquisas realizadas em unidades escolares de sistemas municipais de ensino, um deles, que começou em 2017, vigente até hoje, em uma parceria que o Mackenzie manteve com a Prefeitura Municipal de Embu das Artes”, conta o geneticista Decio Brunoni, professor do programa de pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento do Meio de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Mackenzie.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também