Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Caso de vereador que invadiu igreja em Curitiba terá júri simulado

Por redação

O pedido de cassação do vereador de Curitiba Renato Freitas (PT), denunciado de invadir uma igreja durante protesto antirracial, mobilizou juristas que veem contornos raciais na dimensão que o caso ganhou. Freitas responde a processo por quebra de decoro parlamentar e corre risco de perder o procuração.

Nesta quinta-feira (9), o Núcleo Cultural Justiça Federalista, no Rio de Janeiro, está reunido em um julgamento simulado do vereador sob a coordenação da desembargadora do Tribunal Regional Federalista (TRF-2) Simone Schreiber, diretora universal do meio. O objetivo é provocar um debate pátrio e reunir jurados de ideologias diferentes para discutirem o caso e proferir uma sentença simulada. A teoria é mostrar à sociedade que a punição proposta pelo Parecer de Moral da Câmara Municipal de Curitiba exagerou no pedido de cassação e inelegibilidade do vereador.

Inicialmente favorável à cassação, o desembargador do TRF-2, William Douglas, idealizador do júri simulado, afirma que mudou de teoria sobre o caso. Ele avalia que Renato não deveria ter entrado no templo, ainda assim não considera que seja caso de cassação. “Acho que ele invadiu uma igreja e errou, mas com cassação não. A punição que estão querendo dar é desproporcional, querem tirar os direitos políticos dele por oito anos”, disse à CNN.

Em fevereiro, Freitas liderou protesto em Curitiba contra a morte de negros, porquê o congolês Moise Mugenyi, espancado até a morte aos 24 anos, no Rio de Janeiro. O ato ocorreu em uma rossio em frente à igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. O estrondo incomodou fiéis e, ao final da missa, o padre reclamou com os manifestantes. A reação deles, no entanto, foi entrar na igreja e continuar a repercutir gritos contra “racistas”.

À CNN, Freitas afirmou que a igreja é simbólica para o movimento preto e que não houve interrupção da missa.

“O racismo mortal é que deve ser denunciado. É esse que nos cala e nos impede de manifestar pela perda dos nossos”, afirmou.

A situação deu início ao processo de cassação na Câmara de Vereadores. O Parecer de Moral da vivenda entendeu que o vereador infringiu o decoro parlamentar por realizar sintoma política dentro de uma igreja. Em meio à expectativa de aprovação da perda de procuração também em plenário, Freitas conseguiu obter uma liminar na Justiça para suspender a sessão porque alegou que é mira de uma suposta perseguição racista.

Isso ocorreu depois que uma série de e-mails com declarações racistas vieram à tona. O texto afirma que “a Câmara dos Vereadores de Curitiba não é seu lugar, Renato. Volta para a senzala”. Diz também que será oferecido “um jeito de cassar” os mandatos dos outros vereadores negros da Mansão.

O teor dos e-mails foi atribuído ao relator do processo de cassação, o vereador Sidnei Toaldo (Patriota), que negou a autoria. “Posso declarar que não estou perseguindo ninguém. Nem esse tipo de postura faz segmento da minha personalidade. Fiz sim um trabalho criterioso neste processo e me desculpe se não agradei a todos. Repudio o teor. Considero intolerável que qualquer pessoa seja capaz de proferir tais palavras, quem dirá escrevê-las”, afirma Toaldo.

A Câmara de Vereadores abriu investigação para apurar a origem dos e-mails mas verificou que a identificação foi forjada e partiu de um serviço de envio de e-mails anônimo, hospedado na República Tcheca. O jurisperito Antônio Carlos de Almeida Castro, publicado porquê Kakay, assumiu o caso por considerar que a cassação de procuração seria abusiva. “O caso é gravíssimo. É evidente que se trata de um racismo estrutural, que nós temos que enfrentar”, afirmou.

Quem também se manifestou no caso do vereador foi a Arquidiocese de Curitiba que defendeu punição a Renato Freitas, desde que proporcional ao ato. “Demais, sugere que se evitem motivações politizadas e, inclusive, não se adote a punição máxima contida no Código de Moral e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Curitiba”, diz trecho de posicionamento enviado aos vereadores.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também