Caoa anuncia fechamento de fábrica no interno de SP e demite 480 trabalhadores

Por redação

A montadora Caoa Chery comunicou ao Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, nesta quinta-feira (5), que vai fechar a fábrica de Jacareí e dispensar muro de 480 trabalhadores.

Segundo o sindicato, a decisão pegou os metalúrgicos de surpresa.

Em reunião com o sindicato, na quinta-feira, a direção da Caoa Chery informou que um protótipo sairá de risco, e dois modelos passarão a ser importados da China. Com isso, a empresa pretende fechar toda a produção de Jacareí (SP).

A fábrica informou que a unidade passará por uma modernização para a produção de carros elétricos, que começaria unicamente em 2025.

Em nota, a montadora informou que está atenta às demandas globais em relação à mobilidade sustentável e assume o compromisso com o Brasil e seus consumidores de eletrificar todos os modelos de seu portfólio até o final de 2023.

Com isso, inicia um grande processo de remodelação da sua unidade fabril em Jacareí, interno de São Paulo.

“Esta é a primeira vez que a fábrica, inaugurada em 2015, passará por uma atualização desse porte. Localizada em um ponto estratégico de São Paulo, com fácil aproximação às principais rodovias do país, a unidade fabril passará por mudanças para adequação dos processos produtivos que permitirão a introdução de novos produtos concebidos a partir de plataformas de última geração, equipados com propulsores híbridos ou 100% elétricos”.

A adaptação da unidade de Jacareí terá uma vez que parâmetro os processos produtivos já adotados na fábrica da Caoa Montadora, localizada em Anápolis (GO), informou a montadora.

“Para que as mudanças ocorram de forma efetiva, a Caoa Chery informa a paragem temporária da unidade fabril de Jacareí (SP). A suspensão das atividades tem uma vez que objetivo ajustar os processos produtivos da vegetal para novos modelos com tecnologias híbridas e elétricas, visando a modernização e atualização das linhas de produção.”

Já em relação aos colaboradores da vegetal de Jacareí, a empresa informou que está em negociação com os representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região para a definição de um pacote de indenização suplementar, “além do regular pagamento das verbas rescisórias legais, seguindo o seu compromisso de saudação aos trabalhadores”, informou a nota.

Segundo o sindicato, com a decisão, todos os 370 metalúrgicos da produção de Jacareí seriam demitidos.

A empresa informou também que pretende dispensar mais da metade dos funcionários do administrativo, setor que hoje conta com 230 trabalhadores na vegetal.

O restante do efetivo seria remanejado para outras unidades da montadora.

A fábrica da Chery foi inaugurada em Jacareí no dia 28 de agosto de 2014. Em 2017, metade da operação da montadora chinesa no Brasil foi comprada pelo Grupo Caoa.

Câmara dos trabalhadores

Em reunião na manhã desta sexta-feira (6), os metalúrgicos da Caoa Chery em Jacareí aprovaram o início de uma campanha contra o fechamento da fábrica e pela manutenção dos postos de trabalho. Uma vez que secção da campanha, os trabalhadores aprovaram a proposta de lisura de layoff a partir de junho para todos os funcionários da montadora.

A proposta foi apresentada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região. Foi aprovada ainda uma campanha política, cobrando do poder público medidas que barrem o fechamento da fábrica e preservem os postos de trabalho na vegetal de Jacareí.

Na mesma reunião, foi rejeitada por unanimidade a proposta apresentada pela empresa para destituição dos trabalhadores e pagamento de três salários nominais uma vez que indenização. O resultado será levado pelo sindicato à montadora, em uma novidade reunião marcada para terça-feira (10).

Na negociação ocorrida na manhã de ontem (5) com a direção da Caoa Chery, o sindicato propôs o layoff (suspensão de contrato) de cinco meses a partir de 1º de junho, com mais três meses de firmeza para todos os trabalhadores, garantindo os empregos até janeiro.

“O programa seria uma escolha para evitar a destituição em tamanho anunciada pela empresa, com o fechamento da fábrica em Jacareí”, segundo a nota enviada pelo sindicato.

Passeata

Logo em seguida a reunião desta sexta-feira (6), muro de 400 trabalhadores saíram em passeata até a prefeitura de Jacareí. Junto com o sindicato, eles reivindicam ao prefeito Izaias Santana (PSDB) e à Câmara Municipal a teorema e aprovação de um projeto de lei que proíba o fechamento da fábrica. Uma reunião com o prefeito foi agendada para sexta-feira, às 15h.

Uma vez que secção da campanha pela preservação dos empregos e manutenção da fábrica na cidade, os trabalhadores iniciam hoje um acampamento em frente à montadora.

“Não vamos permitir que a Caoa Chery, que foi amplamente privilegiada com benefícios fiscais, simplesmente demita os trabalhadores e feche a fábrica na cidade. Vamos fazer uma grande campanha contra esse totalidade desrespeito aos trabalhadores e à população de Jacareí, que certamente sofrerá possante impacto com essa medida. Assim uma vez que fizemos na Avibras, onde conseguimos virar as 420 demissões, vamos lutar com toda força em resguardo dos empregos na Caoa Chery”, afirmou o presidente do Sindicato, Weller Gonçalves.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também