Weather Widgets for Websites by Weatherwidget.org

Bolsonaro pede para caminhoneiros fotografarem as bombas nos postos

Por redação

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta terça-feira (7) ter solicitado aos caminhoneiros que fotografem pelo país os painéis das bombas nos postos de gasolina uma vez que uma forma de prometer que os preços caiam quando o projeto em discussão no Congresso prevendo a redução do ICMS sobre os combustíveis for sancionado.

Hoje, eu comecei a falar para os caminhoneiros, todo mundo, fotografar os painéis das bombas de combustível. Porque, quando se publicar a PEC e se sancionar o projeto de lei que já foi sancionado na Câmara e está no Senado, a redução já é para o dia seguinte”, disse em entrevista ao SBT News.

Segundo Bolsonaro, com a pressão dos caminhoneiros fotografando as bombas, “a gente vai exigir que a margem de lucro dos tanqueiros e do possuinte de posto de combustível não seja majorada com a nossa subtracção de impostos”.

Em maio, a Câmara dos Deputados aprovou uma proposta do governo que classifica os combustíveis uma vez que setores essenciais e indispensáveis e limita em até 17% a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O projeto precisa de aprovação no Senado.

Na segunda-feira (6), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o presidente anunciaram uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê a redução de impostos federais sobre combustíveis com indemnização financeira aos estados.

“O que agora nós propusemos: a secção do ICMS que vai para os governadores não vai mais, essa secção quem vai remunerar sou eu, e você abaixa o preço do combustível na explosivo. O diesel a sugestão é essa, não vai ter mais ICMS nem imposto federalista no diesel”, disse o presidente durante a entrevista.

Em relação à gasolina e álcool, ele afirmou que pretende zerar o PIS e Cofins. “Nós vamos ter que acionar todos os meios nossos para que essa redução de impostos chegue na explosivo nos finalmentes. Senão, pode ‘desvanecer’ no meio do caminho entre transportadoras, o próprio possuinte do posto de combustível”, disse.

De combinação com Bolsonaro, para que o objetivo da proposta de redução dos valores seja cumprido, os postos deverão informar a refinaria da qual recebem os combustíveis.

“Primeiramente, eu quero que cada posto de gasolina tenha o valor da gasolina, o preço do dispêndio da gasolina da refinaria da qual ele recebe”, afirmou.

Decreto de calamidade

Durante a entrevista, Bolsonaro também falou sobre a possibilidade de edição de um novo decreto de calamidade para bancar um subvenção que controle a subida de preços, mas negou que a medida seja adotada.

“É uma arma que você tem que você pode restringir o botão a hora que você muito entender. Neste momento, foi estudado isso e chegamos à epílogo que não era o caso restringir o decreto de calamidade. Por que, de inesperado, por exemplo, você não pode dar reajuste para servidor por dois anos e uma série de outras coisas”, disse.

(Publicado por Lucas Rocha, da CNN)

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também