Bolsonaro diz que “rapariga e bebê foram vítimas” no caso de SC

Por Brunialti Welinton

O presidente Jair Bolsonaro (PL) manifestou-se nesta quinta-feira (23) sobre o caso de uma rapariga de 11 anos foi vítima de estupro em Santa Catarina e acabou engravidando.

“A única certeza sobre a tragédia da rapariga prenha de 7 meses é que tanto ela quanto o bebê foram vítimas, almas inocentes, vidas que não deveriam remunerar pelo que não são culpadas, mas ser protegidas do meio que vivem, da dor do traumatismo e do assédio maligno de grupos pró-aborto”, escreveu o gerente do Executivo em suas redes sociais.

“Sabemos tratar-se de um caso sensível, mas tirar uma vida singelo, além de notar contra o recta fundamental de todo ser humano, não tratamento feridas nem faz justiça contra ninguém, pelo contrário, o monstro só agrava ainda mais esta tragédia! Sempre existirão outros caminhos”, continuou Bolsonaro.

Na postagem, o presidente anexou o que seria ser a foto de um feto de 25 semanas.

Nesta quinta, o Ministério Público Federalista (MPF) confirmou que a interrupção da prenhez foi realizada na noite de quarta-feira (22). Ela estava na 29ª semana, o que equivale a respeito de 7 meses de prenhez.

O caso foi revelado em uma reportagem publicada pelas jornalistas Paula Guimarães, Bruna de Lara e Tatiana Dias, do portal Catarinas e do site The Intercept Brasil.

vítima de insulto sexual foi levada a um hospital de Florianópolis para realizar um monstro, em seguida constatada a prenhez. A instituição, porém, se recusou a realizar o procedimento em razão da gravidez ter ultrapassado o limite de semanas permitido pelas normas internas.

Quando o caso chegou à Justiça, a magistrada Joana Ribeiro Zimmer determinou que a rapariga fosse levada a um abrigo, usando uma vez que justificativa em um dos despachos o “risco” da mãe efetuar “qualquer procedimento para operar a morte do bebê”.

 



CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Veja também