Azul reporta lucro líquido de R$ 2,65 bilhões no 1º tri e reverte prejuízo

Por redação

A Azul registrou lucro líquido de R$ 2,65 bilhões no primeiro trimestre de 2022, revertendo prejuízo de R$ 2,65 bilhões no mesmo período de 2021, informou a companhia em balanço enviado à Percentagem de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira (9).

No critério ajustado, a aérea reportou prejuízo líquido de R$ 808,4 milhões no período, perante perdas de R$ 1,06 bilhão em igual pausa do ano pretérito.

 

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, desabono e amortização (Ebitda) alcançou R$ 592,7 milhões no primeiro trimestre, subida de 357,1% em relação a igual período de 2021.

Com isso, a companhia encerrou o período com margem Ebitda de 18,6%, progresso de 11,5 pontos porcentuais na conferência anual.

“Sem o impacto da Ômicron, estimamos que o Ebitda teria sido próximo de R$ 900 milhões”, disse em balanço o CEO da Azul, John Rodgerson.

Ele acrescentou que a companhia encerrou o trimestre com nove meses consecutivos de “poderoso e crescente demanda de lazer”, ao mesmo tempo em que o corporativo “acelerou rapidamente”, permitindo a elevação das tarifas para recompensar o aumento dos preços dos combustíveis.

A receita líquida totalidade de R$ 3,2 bilhões de janeiro a março foi recorde e um progresso de 74,9% sobre igual pausa do ano pretérito e de 25,6% perante o mesmo período de 2019, nível pré-pandemia.

A receita de passageiros atingiu R$ 2,84 bilhões no primeiro trimestre, subida de 77,9% na conferência anual. Já a receita de cargas e outros totalizou R$ 350,1 milhões no período, aumento de 53,4% na mesma base de conferência.

De congraçamento com Rodgerson, atualmente, as tarifas estão em níveis recordes, muito supra de 2019. Em conferência a 2019, a receita corporativa “recuperou mais de 120%, enquanto o tráfico corporativo ainda está em 71% dos níveis pré-pandemia.”

“Embora tenhamos enfrentado desafios operacionais de limitado prazo devido à Ômicron durante o primeiro trimestre de 2022, levante efeito já ficou para trás.”

Projeções

A Azul também divulgou nesta segunda suas projeções (guidance) para 2022 e 2023, nas quais espera aumentar a capacidade em aproximadamente 10% neste ano em conferência com 2019.

A empresa destaca que alcançou um recorde de 151 destinos atendidos no primeiro trimestre.

“Também vimos nove meses consecutivos de poderoso e crescente demanda de lazer, ao mesmo tempo em que o corporativo acelerou rapidamente. Porquê resultado, esperamos crescer a capacidade totalidade em aproximadamente 10% em 2022 em conferência com 2019”, afirma.

A companhia também espera aumentar a receita operacional por assentos-quilômetro oferecidos (RASK) em mais de 20% no ano de 2022 em conferência com 2019.

De congraçamento com trajo relevante, a empresa terminou o primeiro trimestre com tarifas em níveis recordes tanto no segmento de lazer quanto no segmento corporativo.

“Em conferência com 2019, a receita corporativa já recuperou mais de 120%, enquanto o tráfico corporativo ainda está 71% dos níveis pré-pandemia, indicando potencial de recuperação suplementar. Continuamos confiantes de nosso potencial de receita para 2022 e estimamos que nosso RASK aumentará mais de 20% em 2022 em conferência com 2019”, observa.

Ou por outra, a Azul estima gerar Ebitda de R$ 4 bilhões em 2022 e de R$ 5,5 bilhões em 2023. A empresa aponta que permanece fortemente focada na realização do projecto de negócios para 2022, com ênfase na expansão da malha exclusiva, com disciplina na gestão de capacidade e ganhos de eficiência.

A estimativa considera o cenário atual de demanda, combustível e câmbio, mesmo com o impacto da versão Ômicron no primeiro trimestre. Em 2019, a empresa registrou Ebitda recorde de R$ 3,6 bilhões.

Por termo, a empresa aérea espera terminar 2022 com alavancagem calculada pela relação dívida líquida/Ebitda dos últimos doze meses começando com 5 vezes, incluindo caixa e equivalentes de caixa, investimentos de limitado prazo e contas a receber, além de excluir debêntures conversíveis.

“Considerando o cenário atual de recuperação da demanda e aumento da receita já realizado em 2022, além de nossa estratégia de desalavancagem e geração de Ebitda, estamos confiantes de que poderemos terminar o ano de 2022 com uma alavancagem começando com 5 e continuar a reduzir nossa alavancagem organicamente, levando-a para níveis começando com 4 em 2023 e com 3 em 2024”, conclui a empresa.

CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Veja também