A história de cinco Papais Noéis que animam a criançada nos shoppings

Redação Brasil
Read Time4 Minute, 2 Second

O número dos que buscam o papel de bom velhinho tem aumentado e não se restringe a aposentados que querem reforçar a renda no fim do ano. Atraídos pelos cachês pagos por shoppings e lojas (algo em torno de 14 000 reais por um mês de trabalho, com uma jornada diária de dez horas, sete dias por semana), profissionais de áreas diversas se inscrevem em agências especializadas em fazer o recrutamento de papais noéis para prestar serviços ao comércio paulistano.

A Cia. do Noel, por exemplo, começou no mercado natalino em 2012 com um casting de dez contratados. Atualmente, a empresa conta com 240 deles, distribuídos em vários estabelecimentos da capital. De acordo com a firma, a quantidade de colaboradores cresce de 10% a 20% a cada ano. Mas quem são esses senhores de barba branca, com alguns quilinhos a mais, simpáticos e com carisma, que ajudam a criar a magia do Natal em adultos e crianças e ainda intensificam a vontade de presentear amigos e parentes?

A seguir, conheça cinco dos que optaram pela alegria e pela conversa ao pé do ouvido para ganhar um dinheiro extra — as maiores atrações de muitas fotos familiares de dezembro.

Tatuagem: na pele, o registro do amor pelo personagem© Alexandre Battibugli/Veja SP Tatuagem: na pele, o registro do amor pelo personagem

Velhinho descolado

Djalma Mazzini, de 69 anos, presta serviços como motorista, mas é por baixo da roupa vermelha que uma tatuagem revela o amor por outro trabalho. “Cativar as crianças e os adultos é minha paixão”, conta ele, que pela segunda vez dá expediente como bom velhinho no Shopping Aricanduva, na Zona Leste. Mazzini afirma que, com os dois serviços, consegue aproximadamente 25 000 reais no mês de dezembro. Junto da tattoo de Papai Noel, o nome dos filhos e o da esposa, que já faleceu. Apesar da barriguinha, ele jura que gosta de fazer exercício. “Sempre caminho pelo bairro”, diz o morador do Ipiranga.

Emoção: cura de doença como pedido de Natal© Alexandre Battibugli/Veja SP Emoção: cura de doença como pedido de Natal

Saudade e lágrimas

Para Orlando Brandão (58), ser Papai Noel virou uma forma de fazer o ator homenagear a irmã, Margareth, que morreu de câncer em 2018. “Era quem mais me incentivava a trabalhar com isso”, recorda. Ela costumava, inclusive, levar amigas ao Golden Square Shopping, em São Bernardo do Campo, orgulhosa de vê-lo conversando com o público. “Depois que Margareth morreu, uma mulher com câncer me pediu a cura da doença de presente. Neste ano, ela voltou e contou que está curada”, afirma. “Foi difícil não lembrar a minha irmã, e mais difícil ainda não chorar”, emociona-se.

Férias: passadas as festas, look sem barba© Alexandre Battibugli/Veja SP Férias: passadas as festas, look sem barba

Disfarce para as folgas

A vontade de ser Papai Noel surgiu quando David Bitman (70) era bancário. Na época, ele interpretava o personagem em serviços voluntários, usando barba postiça, já que o banco não o autorizava a deixá-la crescer. “Depois que me aposentei, comecei a me dedicar mais. Precisava ganhar dinheiro”, explica Bitman, que ainda trabalha como contador para pagar as despesas da casa. Há seis anos ele recebe adultos e crianças no Shopping Eldorado. Passada a época de festas, Bitman se desfaz da barba. “Senão a criançada não me deixa curtir as férias com minha esposa”, brinca.

Diversão: férias do táxi para ser Papai Noel© Rogerio Pallatta/Veja SP Diversão: férias do táxi para ser Papai Noel

Sem stress em dezembro

Quando não está barbudo e vestido de bom velhinho, Eduardo Bianco (66) pode ser visto no ponto de táxi na esquina das ruas Fradique Coutinho e Teodoro Sampaio, em Pinheiros. À paisana, é um taxista comum. Sem os óculos de aros dourados e com a barba mais rala, Bianco conta que se estressa muito no tráfego. Por isso, na época do Natal, ele se dedica exclusivamente ao ofício de Papai Noel do Shopping Iguatemi, onde trabalha há três anos. “O trânsito é muito estressante. Não quero levar isso para as crianças.” Casado, pai de dois filhos, Bianco diz que foi no táxi que teve o estalo para investir na carreira natalina. “Sempre tive barba. Um dia uma mulher me parou e me indicou uma agência. E cá estou hoje”, relata, cinco anos depois e, segundo ele, com uns quilinhos extras.

“Trenó”: Agatão chega dirigindo o próprio carro todos os dias© Alexandre Battibugli/Veja SP “Trenó”: Agatão chega dirigindo o próprio carro todos os dias

Noel pagodeiro

Além de se divertir (e divertir os outros) sendo o Papai Noel do Shopping Center Norte desde 2010, Domingos Agatão (67) faz de tudo para estar presente nas rodas de samba que frequenta toda sexta-feira perto de casa, na Vila Clara, na Zona Sul. “Não perco uma. Eu toco percussão lá. Aproveito também para tomar uma cervejinha”, diz. Agatão começou a trabalhar como Papai Noel por necessidade, quanto tinha 42 anos. Hoje, a atividade virou um complemento de sua renda. “É um dinheirinho que ajuda muito”, afirma ele, que, durante o ano, atua como representante comercial.

0 0

About Post Author

Redação Brasil

Jornalista - MTB -0077859/SP
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Castramóvel chega a Itapira

Na tarde de ontem, 19/12, foi entregue à Prefeitura de Itapira, o veículo do Castramóvel que será utilizado para castrações gratuitas de cães e gatos no município. O Prefeito José Natalino Paganini, a Secretária de Saúde Cristina Moreira, o Chefe da Patrulha Ambiental Rogério Oliveira e vereadores da base estiveram […]

Subscribe US Now