6 pessoas são presas em seguida autoridades de Hong Kong probirem vigília em parque

Por Brunialti Welinton

Os campos de futebol estavam vazios e silenciosos sob o cintilação indiferente dos holofotes. Perto dali, centenas de policiais patrulhavam o terreno, parando e revistando as pessoas, além de bloquearem as entradas do parque.

Pelo segundo ano sucessivo, o mar de velas que costumava iluminar o Victoria Park de Hong Kong a cada 4 de junho foi extinto, enquanto as autoridades tentavam extinguir todas as comemorações públicas do massacre da Rossio da Sossego Celestial em 1989 da cidade.

A potente presença policial no sábado (4), porém, não conseguiu impedir alguns moradores de Hong Kong de se aproximarem do parque e realizarem seus próprios atos de comemoração em repto – segurando velas eletrônicas e lanternas de telefone ou cantando baixinho canções de memorial.

“É de partir o coração ver (Victoria Park) assim”, disse uma mulher de sobrenome Lau, que veio ao parque com um buquê de rosas brancas e vermelhas e velas elétricas.

“Hong Kong afundou rapidamente em um estado policial”, disse Lau, uma voluntária da Campanha das “Mães de Tiananmen”, grupo que apoia as famílias das vítimas.

Por três décadas, Hong Kong lamentou as vítimas da sangrenta repressão militar da China aos manifestantes pró-democracia com uma vigília à luz de velas na noite de 4 de junho, que seria assistida por dezenas de milhares de pessoas que prometeram nunca olvidar.

Mas desde 2020, o governo de Hong Kong proibiu o evento citando os riscos do coronavírus – embora muitos acreditem que isso seja unicamente uma desculpa para reprimir demonstrações de dissidência pública em seguida protestos pró-democracia que varreram a cidade em 2019.

Na sexta-feira, um transmitido do governo disse que grande secção do Victoria Park seria fechada da noite de sexta-feira até as primeiras horas de domingo para “impedir quaisquer reuniões não autorizadas que afetem a segurança e a ordem públicas e para evitar o risco de transmissão [do coronavírus] devido a essas reuniões”.

Isso aconteceu um dia depois que a polícia alertou que os moradores correm o risco de cometer o delito de “assembléia ilícito” se aparecessem no parque – mesmo que sozinhos.

Durante todo o sábado, um grande número de policiais patrulhava o parque e o bairro mercantil vizinho de Causeway Bay.

Entre aqueles que eles pararam e revistaram estavam pessoas vestindo preto – a cor do protesto em Hong Kong, carregando flores ou andando com suas lanternas de telefone acesas.

A polícia confirmou mais tarde que havia impedido cinco homens e uma mulher, com idades entre 19 e 80 anos. Um foi culpado de possuir uma arma; três foram acusados ​​de obstruir oficiais; e dizia-se que um incitava outros a participar de uma assembléia não autorizada. Não ficou simples do que a sexta pessoa foi acusada.

A polícia também isolou uma extensão de uma rua mercantil próxima onde em anos anteriores ativistas pró-democracia se reuniam para promover a vigília.

Ainda assim, algumas pessoas estavam determinadas a visitar o parque e fazer seus próprios pequenos gestos de comemoração.

Lau ergueu uma vela elétrica para uma foto em frente ao campo de futebol barricado. Ela disse que ela e seus colegas estavam distribuindo velas elétricas para os moradores de Hong Kong durante toda a tarde – de convenção com a tradição do grupo.

“Acho que a vigília é o símbolo mais importante da procura da liberdade do povo de Hong Kong – mostra ao mundo nossa formalidade inabalável. Acredito que todos temos uma vela acesa em nossos corações esta noite, não importa se escolhemos transpor ou não”.

Depois o anoitecer, a polícia isolou mais áreas do parque, expulsando os moradores. Eventualmente, todas as entradas foram bloqueadas, permitindo que as pessoas unicamente saíssem do parque.

Dentro do parque, duas mulheres cantaram “A democracia triunfará e retornará”, uma das canções tradicionais da vigília, enquanto caminhavam por uma pista de corrida. A polícia seguiu não muito detrás, pressionando a risca de cordão.

Brian, um varão de 30 anos vestido totalmente de preto, ligou a lanterna de seu telefone às 20h, o horário tradicional de iluminação. Ele fez isso apesar de ter sido revistado pela polícia enquanto estava sentado no parque no início da noite, quando os policiais registraram seu número de identificação. Ele disse que estava disposto a remunerar o preço.

“O governo não quer que digamos a verdade. Se não sairmos, temo que as futuras gerações de Hong Kong não saibam mais sobre o dia 4 de junho”, disse ele.

Do lado de fora do parque, pessoas que não conseguiam mais entrar andavam pelas ruas, algumas com as luzes do telefone acesas.

Joe, de 46 anos, trouxe sua filha de 11 anos para o parque, unicamente para ser impedido de entrar. Em vez disso, eles estavam em um ponto de ônibus do outro lado da estrada, cada um segurando uma vela elétrica.

“As velas são um símbolo da memorial de Hong Kong, mas agora parece que até mesmo segurá-las pode ser perigoso”, disse ele.

Ainda assim, ele estava feliz por ter trazido sua filha junto. “Quero que ela saiba o que aconteceu naquela estação, tanto quanto eu puder”, disse ele.

*Com informações de Lauren Faith Lau



CNN Brasil

Compartilhe este conteúdo

Veja também