Você está aqui
Início > Brasil e Mundo > Guerra entre facções Comando Vermelho e Comando Classe A deixa mais de 50 mortos em presídio no ParáGuerra entre facções Comando Vermelho e Comando Classe A deixa mais de 50 mortos em presídio no Pará

Guerra entre facções Comando Vermelho e Comando Classe A deixa mais de 50 mortos em presídio no ParáGuerra entre facções Comando Vermelho e Comando Classe A deixa mais de 50 mortos em presídio no Pará

Um confronto entre presos deixou ao menos 52 mortos no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no Pará, na manhã desta segunda-feira.

De acordo com o governo paraense, 16 presos foram decapitados e os outros mortos tinham sinais de sufocamento. Os presidiários chegaram a fazer dois agentes penitenciários de reféns, mas estes foram soltos logo após o massacre.

Segundo o governo, os assassinatos ocorreram durante uma briga entre duas facções que dividem o presídio: Comando Classe A e Comando Vermelho.

Integrantes do Comando Classe A aproveitaram o momento em que as celas são destrancadas no início da manhã, quando os presos tomam café da manhã, para invadir o espaço do Comando Vermelho. Depois de matar parte dos rivais, os integrantes da facção local atearam fogo no pavilhão.

Nenhuma arma de fogo foi encontrada com os presos após uma revista feita na cadeia após o ataque, apenas artesanais. Os envolvidos na ocorrência foram isolados.

Segundo o pesquisador Roberto Magno Reis Netto, que estudou o tráfico de drogas em mestrado na Universidade Federal do Pará, o Comando Classe A surgiu em Altamira e chegou a ser aliado do Primeiro Comando da Capital (PCC), uma das maiores redes criminosas que atuam na Região Norte.

O secretário da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), Jarbas Vasconcelos, disse que nem todos os corpos tinham sido retirados do presídio até o fim da manhã.

“Nós encontramos corpos decapitados e os outros mortos por asfixia. Não tiramos todos porque o local ainda está quente. É uma unidade antiga, em formato de contêiner, e esquenta muito”, afirmou.

De acordo com Vasconcelos, os relatórios do serviço de inteligência do presídio não apontaram nenhum possível ataque entre as facções.

“Eles (confrontos) ocorrem no sistema como um todo e diariamente nós transferimos presos (para evitar)”, afirmou.

Segundo o secretário, desde 2013 o governo constrói um novo complexo penitenciário em Altamira. A previsão para inauguração é dezembro de 2019.

Fonte: BBC

Deixe uma resposta

Top
%d blogueiros gostam disto: