Você está aqui
Início > Brasil e Mundo > Crise na Venezuela: quem são ‘os coletivos’, grupos dispostos a pegar em armas para defender Maduro

Crise na Venezuela: quem são ‘os coletivos’, grupos dispostos a pegar em armas para defender Maduro

Eles são o núcleo duro, a última linha de defesa. E se dizem preparados para qualquer cenário.

Agora que muitos na Venezuela exigem a saída de Nicolás Maduro do poder e que aumentam as pressões dos Estados Unidos e de seus aliados para atingir esse objetivo, eles se mantêm a postos contra o que chamam de “agressão imperialista”.

São “os coletivos”, os grupos que proliferaram com apoio oficial em toda a Venezuela desde que Hugo Chávez chegou ao poder.

A oposição e os críticos de Chávez os acusam de atuar como grupos paramilitares fora da lei para impor controle social em áreas mais pobres.

Eles se definem como “movimentos sociais” que contribuem para o desenvolvimento dos programas de assistência do governo e para alimentar a chama revolucionária nos bairros.

Deixam claro que usarão armas para impedir qualquer tentativa de derrubar o governo de Nicolás Maduro.

Às vésperas da grande marcha realizada no dia 23 de janeiro pela oposição pedindo a renúncia de Maduro, a BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC, conversou com três líderes dos coletivos em um dos locais onde normalmente se reúnem, no centro de Caracas.

Cercados por imagens de Hugo Chávez, de virgens e santos, bandeiras da Venezuela e cartazes com o rosto do líder político venezuelano Simón Bolívar – personagem decisivo no processo de independência latina do domínio espanhol – eles opinaram sobre a crise institucional em que o país se vê desde que o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou “presidente encarregado” e exigiu “o fim da usurpação” do poder da qual acusa Maduro.

Eles acreditam que a Venezuela provavelmente será palco de uma guerra. E dizem estar prontos para isso.

‘Subero’, ex-militar disposto a ‘lutar até a morte’

Subero, homem que está à frente de um dos coletivos que atuam em defesa do mandato de Nicolás Maduro, na Venezuela

Subero foi, segunda conta, um dos militares que em 1992 participaram do movimento revolucionário liderado por Hugo Chávez

Com 47 anos e pai de 3 filhos, este ex-militar, que prefere não revelar o verdadeiro nome, mas é chamado de “Subero”, se diz disposto a lutar no que chama de mais uma batalha pela revolução bolivariana.

Sargento aposentado, ele foi, segundo conta, um dos militares que em 1992 participaram do movimento revolucionário liderado por Hugo Chávez contra o então presidente, Carlos Andrés Pérez.

Como Chávez, Subero foi um dos que acabaram na prisão por causa de sua rebelião fracassada.

Agora, ele está à frente do Coletivo 4 de Fevereiro, que leva como nome a data daquela rebelião, o marco fundador do chavismo.

Subero, homem que está à frente de um dos coletivos que atuam em defesa do mandato de Nicolás Maduro, na Venezuela
Subero acredita que uma invasão à Venezuela é iminente. E nesse cenário, se declara “pronto para a guerra”.

A lealdade a Chávez e seu projeto, agora em seu pior momento devido a crises econômicas e à pressão diplomática internacional contra o governo de Maduro, estão tatuados em sua biografia.

Para ele, a Venezuela vive “uma situação induzida por poderes externos” e ele conta ter bons amigos na oposição.

Ele acredita que uma invasão da Venezuela é iminente. E nesse cenário, se declara “pronto para a guerra”.

Mas faz distinções: “Estou pronto para atirar nos de fora, não para atirar no povo”.

Jorge Navas, combatente veterano disposto a ser ‘o pesadelo dos gringos’

Jorge Navas, homem que está à frente de um dos coletivos que atuam em defesa do mandato de Nicolás Maduro, na Venezuela
Navas também se mostra disposto a lutar por seus ideais de esquerda

Líbano, El Salvador, Nicarágua…

Jorge Navas diz ter lutado por seus ideais de esquerda em muitas partes do mundo.

Agora ele está determinado a fazê-lo também na Venezuela, onde acredita na probabilidade de haver “um conflito com muitas baixas”.

Ele me explica seu ponto de vista em um espaço comunitário, enquanto uma velha TV transmite ao vivo pela emissora estatal a assembleia em que Diosdado Cabello, número dois na hierarquia chavista (atrás de Maduro), tenta inflamar uma multidão de simpatizantes do governo.

As palavras de um e outro quase se sobrepõem.

O governo vem alertando há dias que há uma “operação internacional” em curso e chamando os seguidores à resistência.

Jorge Navas, homem que está à frente de um dos coletivos que atuam em defesa do mandato de Nicolás Maduro, na Venezuela
“Nós somos milicianos. Quando chegar a hora, pegaremos as armas”, diz Navas

Navas é um dos que atenderão a esses chamados e encontra precedentes alentadores na história.

“Os Estados Unidos tem um pesadelo que é o Vietnã. Quem disse que a Venezuela não pode ser o novo Vietnã?”

Sua tese é de que “a Venezuela tem muita floresta e os gringos não podem vencer em uma guerra de guerrilhas”.

Ele conta saber como se preparará para um conflito armado.

“Nós somos milicianos. Quando chegar a hora, pegaremos as armas”, diz ele.

Navas garante que dará tudo de si em um possível combate.

“Eu daria a minha vida pelo ideal bolivariano, mais do que qualquer coisa por dignidade, para não me humilhar diante dos americanos.”

‘Sombra’ e sua ‘luta até a morte’ em defesa do legado de Chávez

Sombra, homem que está à frente de um dos coletivos que atuam em defesa do mandato de Nicolás Maduro, na Venezuela
‘Queremos que as coisas sejam resolvidas através do diálogo’, diz Sombra

O coletivo ao qual pertence leva o nome do decreto com o qual o libertador Simón Bolívar conclamou, em 1813, à luta implacável contra os espanhóis que levaria à independência da Venezuela.

Foi o decreto conhecido como “Guerra até a Morte”.

E para isso, para lutar até a morte, “Sombra” – que prefere não revelar seu nome completo – também se diz preparado.

Ele conta que além de trabalhar nas “lutas sociais”, atua no setor de segurança.

Embora esteja disposto a pegar em armas, ele diz preferir que a situação seja resolvida de forma pacífica. “Queremos que as coisas sejam resolvidas através do diálogo.”

Sombra afirma que “ideologias distintas” podem coexistir na Venezuela, mas exige respeito pelo que, segundo ele, os venezuelanos expressaram nas urnas.

Apoiadores de Nicolás Maduro
No sábado a Venezuela será palco de manifestações contra e a favor de Nicolás Maduro

“Meu voto é válido e quero que o legado de Chávez permaneça no presidente Nicolás Maduro”, diz ele, se referindo às polêmicas eleições presidenciais de 2018, nas quais Maduro foi reeleito. A maior parte da oposição não quis participar da votação porque considerá-la fraudulenta. Nem os Estados Unidos nem a União Europeia reconheceram os resultados porque, disseram, as garantias necessárias não foram dadas.

Sombra não tem dúvidas de que “Maduro é o presidente constitucional” de seu país e acredita que os problemas atuais de sua “bela pátria” se devem a “muitos não terem aprendido com o grande legado deixado pelo eterno comandante”.

Sombra não tem dúvida: “Eu daria a minha vida pela revolução, é claro que sim”.

Fonte: BBC

Deixe uma resposta

Top
%d blogueiros gostam disto: