Você está aqui
Início > Colunista > Mário Márcio Dias

Descendo o rio

Descendo o rio Ao me tornar gente grande vejo prazer e dor andarem juntos na balança da vida. Para cada quinhão de prazer haverá seu quinhão de dor. Quando você me matou de prazer não imaginava o sofrimentode nossa separação com a perda de seu toque com a fugacidade de nossos momentos que se foram na correnteza rio abaixo. Hoje, quando não

O nome do Poema é Cotidiano

Cotidiano Toda manhã acordo ouço a música dos Beatles e choro. Quantas coisas belas ficaram pelo caminho! Viraram saudade e foram lançadas ao mar. Algumas boiam na superfície em meios às ondas. outras submergiram e nadam num oceano de memórias. Outras estão sepultadas no fundo do mar onde a água volta a tocara terra. Lá estão esquecidas num túmulo sem lápide Depois vou à cidade onde me sinto forasteiro não do

Centauro

Centauro: O que nós chamamos de homem na verdade é um centauro: o busto é de homem a base é um cavalo.

Centauro O que nós chamamos de homem na verdade é um centauro: o busto é de homem a base é um cavalo. É uma criatura intermediária incompleta às vezes sublime muitas vezes bestial. Espera-se que um dia a criatura evolua tornando-se uma figura plenamente humanoide. Quando isto ocorrer a criatura não deverá ser chamada de homem. O homem restará na história como o “bom” e velho centauro.   Mário Márcio

Celebra-se a vida a cada ano

Celebra-se a vida a cada ano com parabéns, bolo e guaraná. Poder-se-ia, no entanto, com mais propriedade celebrá-la no momento em que ela se dá no vero momento de seu desenrolar: no instante. A vida se dá em um instante com duas etapas: a inspiração e a expiração. A inspiração é o encontro a expiração, a entrega. Na inspiração, bebemos o universo na expiração,

Carreira-Solo

Quando tinha dezoito anos escolhi fazer carreira-solo. Prefiro limitar-me à minha falta de capacidade a restringir-me pelo medo pela insegurança pela preguiça dos outros. Meu caminho solitário está sujeito a percalços erros tombos como qualquer outro, mas serão meus erros meus tombos meus atrasos. Por certo, conto com ajuda, mas ela vem de cima quando faço por merecê-la. Quanto às pessoas em geral, que rodem em círculos que fiquem na roda de braços

Caboclo

Ao rebuliço da vida sucede o descanso da morte. A vida é ativa a morte é contemplativa. A consciência gosta de observar, de preferência do alto. Do alto, as coisas são mais belas por dentro, são mais perigosas. A imaginação é inquieta, fala demais: é a maritaca da alma. A alma busca sempre o mais alto o combustível da alma é o

As palavras que falei

As palavras que falei foram levadas por um vento forte que virou redemoinho passou pelas encruzilhadas levantou poeira e se foi ventando com as sementes até cair no mar. Entretanto, muito entretanto, espero silencioso no meu canto que, de lá, brote alguma graça alguma Vênus rediviva para me consolar.   Mário Márcio Dias (Mário M.Dias), nasceu em Campo Grande (MS) mas viveu a maior

Top