A corrupção nossa de cada dia

A corrupção nossa de cada dia

“No mundo moderno, o problema da educação se deve ao fato de que, por sua própria natureza, a educação não pode desprezar a autoridade nem a tradição, e que deve mesmo assim exercer-se num mundo que não está estruturado nem pela autoridade nem reservado para a tradição” (Hanna Arendt).
Definir o que é corrupção não é uma tarefa fácil e grande é a dificuldade para compreender esse tema que aflige milhões de cidadãos brasileiros constantemente bombardeados por notícias que geram muita inquietação.
Segundo o dicionário Houaiss corrupção é deterioração, decomposição física, orgânica de algo; putrefação; emprego, por parte de grupo de pessoas de serviço público e/ou particular, de meios ilegais para, em benefício próprio; prevaricação.
A análise da corrupção tem como objetivo buscar as suas possíveis causas, portanto, pode ser tratada como um fenômeno social, sem que se queira esgotar o assunto, mas contribuir para novas reflexões que possibilitem a erradicação desse mal.
A título de exemplo a corrupção ocorre quando o funcionário de uma instituição pública tem suas atitudes apoiadas por duas maneiras contraditórias, ou seja, a pública e a particular que dão lugar a imoralidade.
O funcionário corrupto quer maximizar sua renda pessoal violando os interesses públicos para conseguir vantagens particulares. A corrupção, portanto, tem como intenção favorecer o corrupto ou a pessoa com quem ele tem relação.
A corrupção não está presente somente nas grandes empresas públicas e privadas, no judiciário, no executivo e no legislativo, mas também na educação onde o professor deixou de ocupar a posição de avaliar se o aluno aprendeu ou não e está em condições de prosseguir para a próxima série.
A solução encontrada pelo Estado para evitar a evasão escolar foi desacreditar o educador em benefício próprio das autoridades. 17

Nesse cenário o professor é coagido a suportar duas maneiras de ação contraditórias, a de educador e a de cúmplice não voluntário de autoridades que fogem de suas responsabilidades.
O sistema educacional se corrompe e o professor não representa a autoridade educadora digna de respeito, assim, como o aluno não sabe a razão para frequentar a escola.
A escola tornou-se um local de encontro de experiências totalmente dissonantes do sistema escolar, onde os alunos procuram fazer de tudo que não seja aprender, respeitar e ser responsável.
Conclui-se que com a corrupção abarcando todos os sistemas não poupou nem o sistema educacional restando aos professores fingir que ensinam, enquanto os alunos fingem que aprendem.
Para os céticos ou inocentes seria interessante acompanhar aulas de cursos médios técnicos para se ter uma ideia do despreparo dos alunos que querem se profissionalizarem.
Se a corrupção está presente na educação do povo brasileiro o que se pode esperar para o futuro da nação?
Prof. Engº. Jornalista: Welinton BRUNIALTI.
Para correções e sugestões: welinton.brunialti@gmail.com

Comentários no Facebook